04/04/2015

9.292.(4ab2015.23.44') Neste dia...6abril...vou rELEVAR: UM+21.avÔ, DM Actividade Física, Mickey Rooney, Manuel Forjaz; Stravinsky, Daniel Filipe, Leonora Carrington, Rafael e as 3 pitadinhas da poesia de Joaquim Pessoa

***
2017
UM+21.avÔ
o AMAnheCER é nasCER para um mar de oportunidades
a estrELA que nos dá super-energia
domina despontando em cima da SERra
vem e vou beijAR-TE
esta tARDE
vamos VIver com CERteza
1 infinitude de boas VIvências
***
2016
21.avô
6d6h6'6"
Meu caro Sebastião
Hoje acordei
antes do despertador das 7.7'
Vou-te contar
muitas estórias
Uma delas:
Esta maluquice do capicuar
*
Olhei para o céu
As nuvens
esCURAS
viajam
rápidas
há ventanias lá em cima
       aqui
            ao meu nível
                reina a calmaria
*
aqui
agHora
já há andorinhar
na varanda
mais outra estória...
*
vou para as efemérides
partILHArr
+ estóRIAS
*
Querer ser feliz
Estar bem comigo
Criar fluxos
                invisíveis
                         +s
Reflectir nos outros
                      que estão próximos
Aureolar
          no cinzento
*
hj é dia de sensibilizar
reFUGIado
urge PAZ!
*
InteRRogar
     sobre o que se ouve
                vê
                                 lê
***
2016...memórias deste dia:
panamá(s) há muitos...mosSAQUE?...Odalécio Fonseca?...Porque não há 1 americano bandido, nestes "papers"?...Sabem quem é Soros?
*
hj tds dizem que a fuga aos impostos...Há quantos anos o PCP está na linha certa...RENEGOCIAÇÃO DA DÍVIDA...Atacar os agiotas!!!
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/04/786316abril20141919-debate-esclarecedor.html
*
Temos dívida... Qual é a dívida legítima?...Fiscalidade...offshores...Zona "Franca" da Madeira quem a aprovou?...Paraísos fiscais..
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/10/887110out201477-impostosfiscalidadecomo.html
*
s.MARtinho by Fernanda Matias

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1581004412227936&set=pcb.10154186260373969&type=3&theater
by João Moura

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1004875289588253&set=gm.10154187887498969&type=3&theater
*
bravíssimoooooooo...Ouro... por equipas... Alcobaça Clube de Ciclismo...na 1.ª Prova da Taça Nacional de Cadetes,
*
bravíssimooooooooooooo...João Luís, 1 motard especial, viaja pelo mundo, d' ALCOBAÇA que vos abRRaça
https://www.facebook.com/joaopedro.lourenco.5/videos/1166830676684561/
*
reFUGIado...PAZ!
https://www.facebook.com/aecistertv/photos/a.504124156392671.1073741828.364214423716979/657967617674990/?type=3&theater
***
2014...memórias deste dia:
morreu Manuel Forjaz
1 vivaaaaaaaaaaa à sua combatividade
https://www.youtube.com/watch?v=VU2HnzD36vA
*
morreu Mickey Rooney
https://www.youtube.com/watch?v=IUhHL8Wv5TU
*
22-2'-2" é 1 bom segundo para partILHArr valter hugo mãe...
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/04/7785442014144-valter-hugo-mae.html
***
hj (amanhã tb) é dia mundial do PING PONG
já fui 1 craque...
https://www.facebook.com/Federacao.Portuguesa.Tenis.Mesa/posts/1148317061866449
*
hj...NO CCCELA às 16.30'...até 12 abril..temos bom teatro em Alcobaça que vos abRRaça..
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/03/76005mar1047-ao-teatro.html
***
2011...memórias deste dia:
a não perder...a TV alcobacense para o mundo...
https://www.youtube.com/watch?v=tdkyhC1XYjk
*
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2011/04/44105abril-8h8-solucoes-do-pcp-produzir.html
*
Se a vida é um mar de rosas, dai-me as pétalas, porque estou farta de me picar nos espinhos.
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1992265044510&set=a.2366536721068.138830.1179915335&type=3&theater
***
hj (amanhã tb) é DM Actividade Física
vou duplicar o subir e descer escadas...
O BOM EXEMPLO: O ANdanças d' ALCOBAÇA que vos abRRaça
 https://www.facebook.com/AlcobacaemAndancas/photos/a.216466441859714.1073741833.215389051967453/558213661018322/?type=3&theater
***
1971
 morreu Igor Stravinsky
1 vivaaaaaaaaa à sua obra
https://www.youtube.com/watch?v=ne4PoC7V0Mk
*
https://www.youtube.com/watch?v=NOTjyCM3Ou4
***
1964
morreu Daniel Filipe
1 vivaaaaaaaaaaa à sua obra

1 vivaaaaaaaaaaaaaaa à sua obra
"Pelo silêncio na planície pela tranquilidade em tua voz
pelos teus olhos verdes estelares pelo teu corpo líquido de bruma
pelo direito de seguir de mão dadas na solidão nocturna
lutaremos meu Amor
Pela infância que fomos pelo jardim escondido que não teve o nosso amor
pelo pão que nos recusam pela liberdade sem fronteiras
pelas manhãs de sol sem mácula de grades
lutaremos meu Amor

Pela dádiva mútua da nossa carne mártir
pela alegria em teu sorriso claro pelo teu sonho imaterial
pela cidade escravizada pela doçura de um beijo à despedida
lutaremos meu Amor

Pelos meninos tristes suburbanos
contra o peso da angústia contra o medo
contra a seta de fogo traiçoeira cravada
em nosso doce coração aberto
lutaremos meu Amor

Na aparência sozinhos multidão na verdade
lutaremos meu Amor"
em A Invenção do Amor e Outros Poemas,

http://uniralcobaca.blogspot.pt/2016/07/23406jul201677-daniel-filipe.html
***
1917
Leonora Carrington
https://www.youtube.com/watch?v=m1B6Oebf84Q
***
1483
Rafael pintor e arquitecto
e morreu no mesmo dia em 1520
https://www.youtube.com/watch?v=XHYxSy3Ogkk
***
1383
ARRAIA MIÚDA
Mestre de Aviz é aclamado rei
http://estoriasdahistoria12.blogspot.pt/2015/04/06-de-abril-de-1385-d-joao-i-mestre-de.html
***
e as 3 pitadinhas da poesia de Joaquim Pessoa:
2014
Joaquim Pessoa para começar bem o domingão
DESUMANIDADE
Construí na noite uma casa muito branca para guardar estes
dias tão escuros, tão sem chama e sem coragem, aos quais
as palavras exigem humanidade para lá dos limites. Mas as
pessoas demasiado humanas não o deveriam ser. Ah!, quem
é demasiado humano não sabe o que é ser humano, simples-
mente. Ser humano de mais, é uma forma de ser desumano,
humanamente.
(Do livro a publicar: "OS DIAS NÃO ANDAM SATISFEITOS",
pela Editora Edições Esgotadas.
*
POEMA SEGUNDO

Tudo nos está contra quando
estamos contra nós mesmos.
O destino é espectacular mas chega
a confundir-nos com tanta dieta de assombro,
tanto fogo ruivo
que chega do passado,
exercitando chamas para atear o presente
e chamuscar o futuro. E, contra nós,
temos a consciência, a ética, e os vestígios
de uma imaginação desenfreada,
palpável mas contraditória.
Depois, vamos crescendo com o que parece,
e "o que parece" é quase sempre muito
menos do que a realidade, essa
brutalidade funda que toma conta
do nosso corpo, enterrando-se
em nós como se fosse
a raíz das lágrimas.

Tudo não é como eu digo, quando digo
sem saber como dizer.
Tal como a poesia-fantasma, apaixonada
por si mesma.

E se, afinal, não chove sobre
a pele lúcida dos poemas,
se o vento que costuma inchar as sílabas
for inventado,
então o poema é magro, não enche,
não preenche, não sacia, é não mais que
o tremoço que espevita o apetite
do olhar. Entre a memória
e o que me faz falta, lá está ele
doendo.

Doendo e sorrindo,
com a dor mansa do afecto, essa
dor que em si guarda todas as coisas
que alguma vez amei.
É por isso que te confundo muitas vezes
com a escrita, quando chegas
sem avisar,
ombros de fascínio, e lábios
mais insinuantes que as capas dos livros.
E tiro-te o retrato, sou agora fotógrafo
de silêncios e de peixes enormes. Evito assim
fotografar o mar que nunca é o mesmo, é
outra coisa sempre. O meu
pensamento sabe brincar ao esconde-esconde
e habituou-se já a analisar os contrários,
os do isto e os daquilo, e os do que eu
antecipo que seja.

Quando digo a minha dor,
já não é a minha dor, é uma alegria enfastiada,
sem fome de azul, sem fome de ti,
alegria que avança pelos meus braços
em conflito,
com um raminho de oliveira,
que faz questão de me oferecer para que possa
brincar também de pomba. E eu,
que sou tão alto como as coisas altas
que gostaria de ser,
espremo turquesas e esmeraldas até
deitarem sangue,
e elevo os olhos para conferir
se Deus ainda ocupa
o seu lugar.
in GUARDAR O FOGO
cento e quatro inéditos e uma antologia
Edições Esgotadas 2013

Foto de Charles Ebbets
Foto de Maria Esperança Azevedo.
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=660075384027628&set=gm.714119741963472&type=3&theater
*

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=828980810470417&set=gm.915728518469259&type=1&theater
AMOR QUASE LOUCO

No teu cabelo arde um astro cansado de dar luz ao dia,
um lago perdido nas noites que acabam antes da manhã,
um rio que corre nas margens de raiva da minha alegria,
um canteiro de rosas sangrando aromas de mel e hortelã.

Nas minhas mãos os teus seios despertam toda a claridade
que entra no quarto e estende na cama lençóis de ternura.
Mordo o teu peito e beijo o teu ventre e sinto a ansiedade
das horas de amor em que ambos ardemos até à loucura.

És uma corça, esta estranha força despida de mágoa,
mulher que na cama és um rio mas também és um barco.
Em ti descubro a fronteira que há entre o sangue e a água,
coração destas flechas que aponto com fúria e sem arco.

És o amor que umas vezes destruo e outras vezes invento.
Não sei onde vives não sei onde moras de ti não sei nada,
sei apenas que das mãos abertas nem força nem vento
me podem roubar o teu corpo cor da madrugada.

É em ti que começa a aventura do amor quase louco,
é em mim que a loucura se acende em fogueira e castigo.
Porque morro de amor, meu amor, se me falta o teu corpo
vivo apenas das noites de amor que faço contigo.

De O POETA ENAMORADO
A publicar brevemente
Foto: cena do filme Out of the Past
realizador Jacques Tourneur 1947

*

https://www.facebook.com/ALuaVoa/photos/a.746679182114157.1073741828.746659858782756/753683088080433/?type=1&theater
POEMA SEXAGÉSIMO OITAVO
A poesia liberta
para o amor
se não há sonhos inúteis. Posso
amar pessoas, cidades, campos, livros e limites.
Posso, até, amar o ódio. Mas devo
amar o amor.
Todos somos camponeses, mas alguns
não conhecem as forquilhas, outros,
nunca viram florescer um livro.
Leitor,
será que tu amas as palavras,
ou pensarás talvez
que são simples instrumentos de trabalho
como a enxada,
a pá,
a foice,
ou a tesoura de podar?

in GUARDAR O FOGO
Editora Edições Esgotadas.

*
POEMA SEXAGÉSIMO NONO
Amo a figueira,
a sonolenta árvore onde Judas
ajustou contas com a sua palavra,
vitória breve da inflorescência da
traição. Figo que no espírito se fez carne
e se fez casa ambiciosa, difícil de sustentar
a hipotética hipoteca da
consciência.
A figueira recusou
os trinta dinheiros que pendiam
da mão desolada do apóstolo,
sem contabilizar o envergonhado brilho
dessa prata que
bastaria para comprar todos os figos
que a figueira nunca pretendeu
mais
que oferecer.
in GUARDAR O FOGO
Editora Edições Esgotadas.