15/11/2018

5.769.(15noVEMbro2018.9.9') Colónias...Colonialismo...

***

Intervenção de Mário Moutinho de Pádua, Médico, Seminário: «África – desafios do desenvolvimento, do progresso social e da soberania»

O PCP e a guerra colonial

O Partido Comunista Português manteve-se ao longo da sua história fiel à concepção expressa lapidarmente por Lenine : o povo de um país que coloniza outros povos não pode ser livre. A independência das colónias portuguesas foi uma das linhas de força do programa de acção do PCP e um dos primeiros objectivos da transformação que definiu como necessária muito antes do 25 de Abril.
Alguns africanos mal informados, e muitos inimigos do PCP, tentaram lançar dúvidas sobre essa posição de princípio, mas Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Samora Machel, Vasco Cabral, para citar apenas alguns dos já falecidos entre os maiores dirigentes da luta de libertação nacional, deixaram-nos testemunhos bem claros sobre a ajuda fraternal do PCP à luta dos povos coloniais. As consequências da evasão de Neto e Vasco Cabral de Portugal num barco pilotado por membros do PCP não devem ser subestimadas.
Já o jornal “Avante”, série II, nº 10, Agosto de 1935 definia o caminho que o PCP sempre havia de trilhar: “A nossa posição face a uma nova partilha dos territórios africanos pelo imperialismo europeu é a posição de todo o Leninista : lutar contra o imperialismo capitalista, pela libertação dos povos coloniais e em favor do reconhecimento a estes povos do direito a se governarem a si próprios”.
Por isso quando alguns insinuam que só em 1957, no V Congresso do PCP, se afirma pela voz de Jaime Serra, um dos seus dirigentes, “o direito à independência imediata e sem condições das colónias da África Portuguesa” , estão a cometer uma injustiça.
É verdade que na sua luta contra o fascismo, o PCP lutou infatigavelmente pela unidade das forças antifascistas e que alguns documentos das organizações unitárias em que se incluía sempre em minoria, defenderam o colonialismo, mas isso nunca impediu o PCP de sustentar e reafirmar a sua própria linha de acção.
Outro argumento esgrimido contra o PCP foi o desencadeamento da luta armada em Portugal.
O PCP não considerava criadas as condições para o desencadeamento de uma guerra de guerrilha, o que gerava certa impaciência em alguns dos militantes dos movimentos de libertação das ex-colónias porque desconheciam a realidade portuguesa.
O PCP previu que uma iniciativa desse género poderia levar à destruição da organização do Partido, sem nenhuma vantagem real nem garantias de continuidade. Um golpe militar, para onde certas forças portuguesas nos queriam empurrar, sem um poderoso movimento de massas a apoiá-lo, não redundaria em mais do que numa mudança nos nomes dos senhores que dominavam o país.
A insurreição nacional armada era a meta a atingir e para a preparar o PCC desenvolveu uma acção paciente, à custa de milhares de presos e torturados, de demasiados assassinados e de inúmeros perseguidos. Esse longo e difícil trabalho incluiu a participação de comunistas na luta clandestina dentro das Casas dos Estudantes do Império, ao lado de importante dirigentes africanos.
Quando a situação foi considerada madura, o PCP criou a ARA, a qual desenvolveu acções armadas favoráveis aos povos colonizados – muitos helicópteros destruídos, sabotagens dos navios, etc.
A deserção foi outro tema de aceso debate e estou à vontade para abordar o assunto porque desertei na zona de guerra, em Angola, com um camarada, o Alberto Pinto e mais tarde pude oferecer os meus serviços de médico ao PAIGC como comunista e portanto internacionalista. Nos movimentos de libertação pensou-se inicialmente que deveríamos apoiar a deserção de soldados armados. Essa política não podia frutificar em grande escala.
O PCP apelou sim à deserção colectiva – e ela concretizou-se nas centenas de milhares que se escaparam para o estrangeiro - mas tão pouco deixou de salientar o valor da permanência dos nossos militantes entre os soldados como factores de esclarecimento contra a guerra colonial.
E esse não foi o menor contributo prestado pelo PCP pois teve sem dúvida influência na crescente tomada de consciência dos chamados capitães de Abril, consciência que, em uníssono com a explosão do povo português, permitiu que o 25 de Abril não se tornasse um simples golpe entre militares, mas assumisse os contornos da insurreição nacional armada que pretendíamos.
Deste modo a luta dos povos africanos convergiu com a nossa e o 25 de Abril ganhou a dimensão revolucionária que levou à rápida cessação da guerra e em breve à independência dos colonizados, à supressão da PIDE, à democracia, às nacionalizações, à reforma agrária e a outras conquistas.
Por isso podemos concluir que o PCP e os verdadeiros movimentos de libertação – o MPLA, o PAIGC, a FRELIMO – (excluo os que serviram o colonialismo e o imperialismo, isto é, a UNITA, a FNLA, a FLING, a RENAMO), conjugaram os seus esforços e conseguiram que uma parte do mundo desse passos de gigante, mesmo se hoje os recuos e as desilusões nos entristecem.
 http://www.pcp.pt/o-pcp-e-guerra-colonial
***

O PCP e a questão colonial

por J. M. Costa Feijão [*]


  « (...) essa ( guerra ) não é a de todos.
Cá uns irão por desejo de honra,
outros com esperança de ganho
e os mais, que são peões e gente meúda
(...) irão arrenegando, forçados de vosso medo,
sem a limpeza e liberdade das vontades»

(palavras do Infante D. João ao rei D. Duarte
quanto à projectada passagem à África, na
década de 30 do sec. XV)
Desde a sua fundação, o Partido Comunista Português assumiu uma atitude clara no debate nacional da «questão colonial» , reivindicando um posicionamento de solidariedade fraterna e militante para com as massas trabalhadoras colonizadas. E, nas suas bases orgânicas aprovadas em 1921 consta, entre outras alíneas:

e) preparação e promoção da emancipação completa dos povos indígenas das colónias.
(Base 2.ª, Capítulo I - Partido Comunista Português - Seus fundamentos e fins)

Fazendo desta linha um autêntico pau-de-fileira em matéria de política colonial, a primeira Junta Nacional do PCP reuniu em 6 de Abril de 1921, e analisando a situação em São Tomé e Príncipe, lavrou «um veemente protesto contra a repressão de que estavam a ser vítimas os trabalhadores da colónia» .

Este apontamento não regista um acto isolado, mas testemunha o início duma praxis internacionalista de 80 anos. É, a memorização de um facto, o primeiro, que liga de forma indelével, os comunistas portugueses às vitimas da exploração colonialista.

Passado um ano, em 31 de Maio 1922, o PCP difundiu na comunicação, social a seguinte nota oficiosa: «O Comité Executivo do PCP tomou conhecimento, na sua reunião de ontem, de que um movimento de emancipação indígena alastra na província de Angola, em virtude da opressão e exploração violentas ali exercidas pela ditadura imperialista de Norton de Matos tendo-lhe constado que, sob reserva, o governo português se dispõe à repressão, preparando uma expedição militar àquela colónia.
Nestes termos, o Partido Comunista, afirmando os altos princípios de igualdade emancipação das raças e a sua consequente oposição à escravatura negra, ainda hoje praticada pela civilização burguesa, lança o seu mais veemente protesto contra os negregados projectos ministeriais — e atendendo à gravidade do assunto, resolve reunir amanhã, em sessão extraordinária, à qual vão ser convidados a assistir representantes do Partido Nacional Africano ».

E, dando continuidade à defesa dos seus princípios, em Novembro de 1923, no Programa de Acção apresentado ao I Congresso afirmava-se: «O PCP dará todo o apoio às ligas, associações, partidos, etc., que tenham por fim a defesa da população das colónias portuguesas contra todas as extorsões capitalistas e estatistas. Defenderá as reivindicações de ordem política ou económica das colónias, combatendo as formas ainda existentes de escravidão mascarada.»

A denúncia do trabalho escravo em África, estava na ordem do dia. E, enquanto na Sociedade das Nações servia de pretexto a renovadas manobras de partilha do continente africano pelo imperialismo, e a burguesia nacional apelava à «mobilização patriótica» , em defesa dos seus interesses de classe e do património ameaçado, o diário sindicalista “A Batalha” de 27 de Novembro de 1925, publicava : «(...) pegar em armas para defender umas colónias que nunca nos pertenceram não é, nem pode, nem deve ser connosco».

Volvidos cinco séculos, a advertência do infante D. João, quanto à «gente meúda», arregimentada para o assalto à África, emergia, em letra de forma, na imprensa operária portuguesa.

* * *
Na primeira fase de ascenso e afirmação do regime fascista português, Salazar fez aprovar legislação, onde se admitia expressamente o «trabalho obrigatório» dos negros, integrado no seu projecto político alicerçado na Carta Orgânica do Império Colonial Português, e logo contestada pela Federação das Juventudes Comunistas, em Novembro de 1933: «A juventude explorada dos campos e das oficinas opõe ao ideal colonial o ideal anticolonial, oferecendo aos seus irmãos, que a burguesia imperialista explora e esmaga, a sua fraternal aliança como meio da sua libertação da metrópole e da burguesia local (...). Por ideal colonial, portanto, a juventude das fábricas só pode aceitar o que preconiza, e (...) faz parte do seu programa: Total autodeterminação dos povos coloniais e a sua inteira libertação do jugo da metrópole».

Tendo mergulhado na mais dura clandestinidade desde 1927, o PCP continuava a perseverar, contra tudo e contra todos, na luta pela fraternidade entre os povos, baseado no respeito pelas liberdades de cada um. E, a reafirmação dessa atitude seria mais uma vez proclamada na intervenção de Bento Gonçalves no VII Congresso da Internacional Comunista, em 1935, quando no elenco de tarefas dos comunistas portugueses inscreveu a: «luta pela defesa dos interesses dos povos coloniais oprimidos pelo imperialismo português, de ajudá-los a travar a luta até à sua completa libertação».

* * *
No informe político ao III Congresso do PCP, reunido em Novembro de 1943, a aliança com os povos coloniais voltaria a constituir tema de reflexão e debate dos delegados, tendo-se aí colocado, de forma inequívoca, a convergência de interesses das massas trabalhadoras portuguesas e das colónias na derrota do regime fascista : «A frente de luta anti-imperialista do povo português e dos povos das colónias, é somente possível se o proletariado português apoiar efectivamente os movimentos nacionais e de resistência contra a exploração e violência das colónias portuguesas, contra a burguesia imperialista portuguesa. O movimento emancipador dos povos coloniais está ligado à aliança fraternal do povo oprimido de Portugal com os povos escravizados das colónias, a aliança fraternal do proletariado português com as massas camponesas indígenas».

Prosseguindo o combate à mitologia gerada e nutrida com a sistemática ocultação da realidade colonial portuguesa pela classe dominante, o PCP denunciou a «missão civilizadora» do regime fascista e inventariou a perversidade dos processos repressivos e de exploração, no informe político presente ao IV Congresso, em Junho de 1946: «não é mantendo os povos coloniais em regime de escravatura benéfica a negreiros, não é mantendo as levas de escravos de colónia para colónia, condenando-os à morte pela natureza do trabalho, do clima e dos tratos que lhes são impostos, não é saqueando os pequenos agricultores indígenas, não é dando largas aos castigos corporais e desrespeito pela vida dos negros, não é hostilizando costumes e religiões, não é fomentando ideias de ódio racial – não é com uma tal política que se promove o desenvolvimento das colónias».

O início da derrocada dos impérios coloniais pós 1945, veio corroborar a linha e acção política do PCP. E, no espaço colonial português, cedo se manifestaram sinais de mudança, na falsa quietude da «paz salazarista» que o regime fascista procurava inculcar na consciência colectiva. Tornando-se o caso da Índia, uma questão central do colonialismo português na década de 50, desde a violenta rusga ao bairro dos pescadores de Mormugão na noite de Natal de 1950, até à invasão e integração dos territórios de Goa, Damão e Diu na República da Índia, em 18 de Dezembro de 1961.

Em vão, os comunistas portugueses fizeram sucessivos apelos para que o caso de Goa fosse resolvido, pacificamente, por meio da negociação e, cônscios de que a luta armada de libertação nacional dos povos africanos submetidos ao colonialismo português se prefigurava no horizonte, em Setembro de 1957, aprovaram a declaração seguinte:
«O V Congresso do PCP considera que estão hoje criadas as condições necessárias para que os povos das colónias de África dominados por Portugal conquistem a sua liberdade e independência, independentemente das modificações que se possam operar na situação política de Portugal.
O Congresso considera que a ajuda que o Partido e o povo português prestarem ao movimento libertador dos povos coloniais traduzir-se-á objectivamente numa ajuda à luta da classe operária e ao povo de Portugal pela sua própria libertação.»

Mas, o regime mantinha-se indiferente às profundas transformações que se operavam no Mundo. Apenas, numa mera operação de cosmética (1951), introduziu uma emenda à Constituição de 1933, onde a denominação «províncias ultramarinas» substituiu a de «colónias», e prosseguiu: silenciando com a chibata e valas comuns os protestos da população de São Tomé e Princípe (1953); ignorando o significado da Conferência de Bandung (1955); persistindo na repressão colonial, prendendo e deportando 49 timorenses para Angola; massacrando a tiro 26 estivadores grevistas do porto do Pidjiguiti, em Bissau; encarcerando 50 patriotas angolanos (1959); e metralhando o protesto das massas populares do Icolo e Bengo, em Angola, ou de Mueda, em Moçambique (1960).

Contra este quadro de bestialidade repressiva do colonialismo, o PCP foi a única voz que se fez ouvir, num comunicado da Comissão Política, em Novembro de 1960, que salientava a inevitabilidade histórica da abolição a curto prazo do regime colonial, e denunciava a tragédia iminente: «O Partido Comunista Português alerta o povo português contra os perigos duma guerra colonial, que o governo de Salazar prepara febrilmente, no único interesse dos grandes colonialistas e chama o povo português, em especial a juventude e as forças democráticas à luta contra a mobilização encapotada, pelo regresso das tropas que se encontram nas colónias e contra todos os preparativos de guerras coloniais» .

Quando, em 1961, a guerra de libertação nacional eclodiu, foi de novo a «gente meúda» arrebanhada pela mobilização militar que, em sucessivas vagas expedicionárias rumou à África, para defender os interesses do imperialismo monopolista, e sufocar pelas armas o grito de independência dos povos colonizados.

Nos anos que se seguiram, o PCP liderou de forma inquestionável, o protesto do movimento popular de massas contra a guerra colonial. A sua imprensa clandestina denunciou as atrocidades de que eram alvo os povos de Angola, da Guiné e Moçambique; contrariou as campanhas de desinformação e a manipulação das consciências orquestradas pelo regime fascista; assegurou a fuga da cadeia e o regresso à África de Agostinho Neto; possibilitou aos dirigentes dos movimentos de libertação a difusão de mensagens ao povo português, em entrevistas realizadas e transmitidas pela Rádio Portugal Livre e, já nos anos 70, as sabotagens da ARA desferiram rudes golpes na logística e no equipamento militar.

A solidariedade internacionalista do PCP objectivava-se na prática, e o Programa para a «revolução democrática e nacional» , aprovado no VI Congresso (1965), já integrara entre os oito objectivos fundamentais: «Reconhecer e assegurar aos povos das colónias portuguesas o direito à imediata independência».

Quando a descolonização foi anunciada como um dos objectivos do Programa do MFA, no 25 de Abril de 1974, Portugal assumiu a lógica da História. A derrocada do regime fascista consumara-se e com ele extinguia-se o colonialismo português.

Não foi o acaso que determinou a presença oficial do PCP como única formação política portuguesa presente em todas as cerimónias de reconhecimento ou proclamação da independência e soberania dos novos Estados africanos.

Contudo, o ciclo do colonialismo português não fora encerrado. A trama imperialista iria retardar durante longos anos a libertação do povo de Timor-Leste e, enquanto algumas destacadas figuras políticas nacionais afirmavam em 1974: “Timor é uma ilha indonésia que tem muito pouco a ver com Portugal” ou “a independência total é de um irrealismo atroz” , em 11 de Dezembro de 1975 o “Avante!” denunciava a agressão e ingerência da Indonésia: «O nosso Partido, a classe operária e todos os trabalhadores portugueses exigem que sejam respeitados os princípios de autodeterminação e independência que devem presidir à descolonização» .

Passaram-se vinte e quatro anos de apoio activo e solidário dos comunistas portugueses à luta de resistência do povo timorense, até este ser ouvido na escolha do seu caminho, a Independência!

Firme nos princípios e coerente nas acções, o PCP cumpriu o objectivo enunciado há 81 anos:

«emancipação completa dos povos indígenas das colónias»
[*] Historiador.
 https://resistir.info/palops/pcp_colonias.html
***
agHora a exploração dos poderosos
é feita de outro modo...Bem pior...Impera a guerra, as atrocidades, a miséria, a fome...
*

15 de Novembro de 1884: Tem início a Conferência de Berlim, cujo objectivo era a partilha das colónias africanas.

Convocada para 15 de Novembro de 1884, por iniciativa do chanceler prussiano Otto Von Bismarck, a Conferência de Berlim termina os seus trabalhos em 26 de Fevereiro de 1885. Os 14 países europeus presentes e os Estados Unidos põem fim aos conflitos coloniais que assolaram o continente africano. O rei dos belgas, Leopoldo II, obtém o Congo a título pessoal. A Grã Bretanha renuncia às suas pretensões sobre todo o território e assume a sua hegemonia sobre uma faixa que ia do Cabo da Boa Esperança até  ao Cairo e  Alexandria. A França vê-se contemplada com todas as terras ao sul do Saara e a Alemanha, a África do oeste. A Conferência de Berlim decide também sobre a livre navegação de navios cargueiros pelos rios Congo e Níger.

A Conferência de Berlim constituiu-se na ruína da África de muitas maneiras e não só apenas uma. As potências coloniais impuseram os seus domínios sobre o continente africano. À época da independência dos países africanos na década de 1950, os reinos e domínios receberam um legado de fragmentação política que poderia nem ser eliminada nem ser operada satisfatoriamente.
Em 1884, a pedido de Portugal, o chanceler alemão Bismark convocou uma reunião das maiores potências ocidentais para negociar questões controversas e dar fim à confusão sobre o controlo da África. Bismark aproveitou a oportunidade para expandir a esfera de influência da Alemanha, com um desejo mal dissimulado de forçar as potências rivais de lutarem entre si por territórios.

Por ocasião da conferência, 80% da África permaneciam sob controlo tradicional das metrópoles e de tribos locais, resultando, finalmente, do encontro uma miscelânea de fronteiras estabelecidas geometricamente que dividiu o continente em 50 países irregulares. Este novo mapa da África foi imposto sobre mais de mil culturas e regiões autóctones. A nova delimitação de países, porém, dividia grupos coerentes de pessoas e mesclava grupos dispares que na verdade não poderiam coexistir.
Catorze países estavam representados por vários  embaixadores quando a conferência se abriu: Austria-Hungria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Grã Bretanha, Itália, Holanda, Portugal, Rússia, Espanha, Suécia-Noruega (unificadas de 1814 a 1905), Turquia e Estados Unidos. Dessas 14 nações, França, Alemanha, Grã Bretanha e Portugal eram as protagonistas, controlando a maior parte da África colonial à época.

A tarefa inicial da reunião era estabelecer um acordo sobre as bacias e a foz dos rios Congo e Níger para que fossem considerados neutros e abertos à navegação comercial. A despeito da sua neutralidade, parte da bacia do Congo tornou-se domínio pessoal do rei Leopoldo II da Bélgica. Sob o seu governo, mais da metade da população local morreu.

À época da conferência apenas as áreas litorais eram colonizadas pelas potências europeias. Em Berlim deram-se "cotoveladas" para ganhar o controlo das regiões do interior. A conferência estendeu-se até 26 de Fevereiro, período de três meses em que os países europeus se degladiaram em torno de fronteiras geométricas, fazendo pouco das fronteiras linguísticas e culturais já estabelecidas pela população africana autóctone.

O toma-lá-dá-cá continuou. Em 1914, os cinco participantes de uma nova conferência dividiram entre si a África. A Grã Bretanha ficou com o Egipto, Sudão Anglo-egípcio, Uganda, Quênia, África do Sul, Zâmbia, Zimbábue (ex-Rodésia), Botsuana, Nigéria e Gana; À França coube muito da África ocidental, da Mauritânia ao Chade, mais Gabão e a hoje República do Congo.

A Bélgica e o rei Leopoldo controlaram a hoje República Democrática do Congo (Congo Belga). Portugal, por sua vez tomou Moçambique a leste e Angola a oeste. A Itália passou a dominar a Somália e uma porção da Etiópia, enquanto a Alemanha ficou com a Namíbia e a Tanzânia. À Espanha coube o menor território, a Guiné Equatorial, modificando toda a geografia da África, que a partir da década de 1950 teve grande maioria dos países livre do jugo colonial.
Fontes:Opera Mundi
wikipedia (imagens)
A Conferência de Berlim em gravura da época
O Congresso de Berlim, em gravura da época
Mapa de África Colonial em 1913.
  Bélgica
  França
  Alemanha
  Grã-Bretanha
  Itália
  Portugal
  Espanha
  Estados independentes
 https://estoriasdahistoria12.blogspot.com/2018/11/15-de-novembro-de-1884-tem-inicio.html?fbclid=IwAR1L5jX2EaVJ-2Kitz2vIvhYJN67PE91X5kf91bFr743hiDEJLgbHn8KdaM
***

14/11/2018

5.981.(14noVEMbro2018.9.9') Claude Monet

Nasceu  a 14noVEMbro1840...Paris
e morreu a 5DEZ1926...Giverny
***
Ir a Giverny...a propriedade onde ele morreu é monumento nacional...
***
Postei várias vezes:
 https://www.youtube.com/watch?v=1SQXw42wqBI
***
 "Eu quero pintar como um pássaro canta."
 "Todo mundo discute minha arte e finge entender, como se fosse necessário entender, quando é simplesmente necessário amar."
 "Todos os dias eu descubro coisas cada vez mais bonitas. É o suficiente para enlouquecer qualquer um. Eu tenho tal desejo de fazer tudo, minha cabeça está explodindo com isso."
 "Eu fico mais bravo e mais louco por devolver o que sinto."
 https://citacoes.in/autores/claude-monet/
***
14 de Novembro de 1840: Nasce o pintor francês Claude Monet
Pintor impressionista francês, nascido a 14 de novembro de 1840, em Paris, Claude Monet veio a tornar-se o líder do movimento impressionista. Em 1859 iniciava os seus estudos de arte, embora passando a maior parte do tempo no café juntamente com outros artistas e intelectuais. As novas descobertas no domínio da ótica apaixonaram Monet e os seus amigos e conduziram-nos para o ar livre, onde procuravam captar a luz e a atmosfera nos seus aspetos mais fugidios: o tremeluzir da água, um movimento das folhas, a passagem de uma nuvem.

Uma estadia em Londres na companhia de Pissarro e Sisley pode ter determinado definitivamente o percurso do Impressionismo. A luz difusa londrina exerceu uma grande fascinação sobre os três. Na primavera de 1874 fizeram uma exposição coletiva. Entre os participantes contavam-se Paul Cézanne, Auguste Renoir, Edgar Degas, Sisley e Pissarro. Nesta época, o grupo passou a ser conhecido pelo termo "impressionista", utilizado com uma conotação depreciativa numa crítica a uma paisagem de Monet, Impressão: Sol Nascente.

Depois de inúmeras dificuldades, em 1886 Monet pôde ver o seu trabalho recompensado financeiramente. Na década de 90, a Catedral de Ruão foi o modelo para uma série de quadros em que a mesma imagem era reconstituída, variando a atmosfera, a luz, a sombra, a estação do ano. Em 1892 instalou-se em Giverny, criando um jardim que serviu de inspiração a muitas das suas telas e aos famosos Nenúfares. Das viagens a Inglaterra e a Itália nos princípios do século resultaram as séries sobre o Tamisa e os canais e as catedrais de Veneza.Monet morreu a 5 de dezembro de 1926 em Giverny, na propriedade mais tarde considerada monumento nacional. De uma certa maneira, foi o mais fiel à estética impressionista, procurando captar em toda a sua obra o perpétuo movimento da luz na natureza. Isto correspondia à utilização de pequenas manchas separadas, que no conjunto restituíam toda a luminosidade do instante. Justapunha as cores tal como saiam do tubo, e o seu gesto tornou-se cada vez mais livre e fluido, de tal modo que as últimas telas foram consideradas por muitos críticos como meros esboços.

Claude Monet. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. 

Wikipedia (Imagens)

File:Claude Monet 1899 Nadar crop.jpg
Claude Monet em 1899 por Felix Nadar
File:Pierre August Renoir, Claude Monet Reading.jpg
Monet a Ler - Pierre Auguste Renoir
File:Sargent MonetPainting.jpg
Monet  a pintar  no bosque - John Singer Sargent
File:Claude Monet, Impression, soleil levant, 1872.jpg
Impressão, Nascer do Sol - análise da obra
Análise da obra:" Impressão, nascer do sol", de Claude Monet.
Impression, soleil levant, em português, Impressão, nascer do sol, é a mais célebre e importante obra de Claude Monet. É um óleo sobre tela, datado de 1872 (mas provavelmente realizado em 1873), que representa o nascer da manhã no porto de Havre, com uma névoa cerrada sobre o estaleiro e os barcos e as chaminés ao fundo da composição. O título da obra acaba por denominar o grupo dos pintores impressionistas.O termo impressionismo surgiu quando foi feita uma crítica a esta tela pelo pintor e escritor Louis Leroy: "Impressão, nascer do Sol” – eu bem o sabia! Pensava eu, justamente, se estou impressionado é porque há lá uma impressão. E que liberdade, que suavidade de pincel! Um papel de parede é mais elaborado que esta cena marinha." A expressão foi usada originalmente de forma pejorativa, mas Monet e os seus colegas adoptaram a designação de Impressionistas.
Em Impressão, nascer do sol, Monet interessa-se pela luz e os seus efeitos na natureza, pinta as coisas como as vê, e não como as imagina ou pressente, e privilegia a rapidez e espontaneidade do traço, em detrimento da precisão do contorno. As cores complementares – tonalidades de azul e laranja, são privilegiadas por Monet. Para os impressionistas, as cores influenciam-se mutuamente, e tons complementares dispostos lado a lado têm um maior realce. As pinceladas não apresentam contornos definidos, as formas são mais sugeridas do que representadas. Em “Impressão – Nascer do Sol”, as pinceladas são rápidas, pois a luz muda depressa e a referência visual perde-se. Os impressionistas, como Monet, evitam pintar de memória. Apesar da névoa encontramos representados, elementos do porto, como guindastes e navios. Os reflexos mostram o movimento das águas, que estão crispadas. A composição de “Impressão – Nascer do Sol”, plana e bidimensional, é influenciada pela arte japonesa. A obra encontra-se no Museu Marmottan-Monet em Paris ,depois de ter sido roubada em 1985 e recuperada em 1990.
Fontes: http://www.marmottan.fr/
abstracaocoletiva.com.br
wikipedia (Imagens)

 https://www.youtube.com/watch?time_continue=47&v=FPlW1H9m4dc
*
https://estoriasdahistoria12.blogspot.com/2018/11/14-de-novembro-de-1840-nasce-o-pintor.html?fbclid=IwAR1HF3zo8WcMtdKVWolgYvP3KYPwfbrTOFINWl-bb7NhbSZ32X1XdMm8wXE
***

13/11/2018

2.902.(13noVEMbro2018.10.01') Freddie Mercury... Farrokh Bulsara

Nasceu a 5seTEMbro1946...
e morreu a 24noVEMbro1991...Londres
***
  Farrokh Bulsara
***
O que dá o título do filme: Bohemian Rhapsody
 https://www.youtube.com/watch?v=fJ9rUzIMcZQ
***
biografia
 https://www.youtube.com/watch?v=lV6_sSEijLw
***
Mary Austin foi a primeira paixão dele e a herdeira da fortuna
e que a canção: 
Love of my life...
 

Ela atende pelo nome de Mary Austin. Fora amiga íntima do astro. Mora em uma das maiores casas em um dos bairros mais caros de Londres. Foi considerada como “esposa” pelo próprio Freddie e por ele escolhida para herdar uma boa fatia deste bolo que o astro deixou. E esta herança só aumenta, pois, as vendas dos discos do QUEEN aumentaram consideravelmente após a sua morte e ela fica com a parte dos direitos autorais que seriam do vocalista.
O documentário “Freddie Mercury: The Untold History” conta como se deu a história entre Freddie e Mary: o vocalista frequentava juntamente com Brian May, a boutique Biba, durante os anos 1970. Eles iam até a loja para poder observar as balconistas, famosas por serem donas de rostos bonitos. E Mary era uma delas. E assim, eles começaram a sair.
Eles moraram juntos como um casal, durante seis anos. Em 1976, ele a confessou sobre sua homossexualidade, porém, ela notou que havia algo de “estranho” em seu comportamento durante dois anos: “Sabia que ele não estava sendo sincero consigo mesmo”, disse ela anos depois.
Quando Freddie decidiu sair do apartamento em que ambos viviam, ele, já mundialmente famoso com sua banda, comprou uma casa para Mary, lhe deu um emprego como sua assistente pessoal, antes de comprar o que seria seu último lar. Segundo alguns, a partir desta última casa, era possível ver a casa dela ,
Então o frontman começou a ter relações mais frequente com homens, porém, se referia à Mary como “minha esposa”. E sobre isso, ele deu certa vez a seguinte declaração:“Para mim foi um casamento. Acreditamos um no outro. Todos os meus amantes me perguntavam porque não poderiam substituir Mary. E eu respondia que é simplesmente impossível.”
 
Mary casou-se e teve dois filhos com um empresário chamado Piers Cameron. O primeiro dos filhos, Richard, é afilhado de Freddie. O segundo filho, Jamie, nasceu após a morte do vocalista. Em 1992, quando o testamento dele se tornou público, soube-se que Mary herdou a mansão de Garden Lodge, avaliada na época, em 22,5 milhões de euros, mais metade de sua fortuna e dividendos por shows e direitos autorais do QUEEN. E como estes dividendos só aumentam, tendo em vista as turnês bem sucedidas que a banda tem feito ao redor do mundo, esses números só aumentam.
Freddie deixou 560 mil euros para seu companheiro, Jim Hutton. Peter Freestone (sobre quem escrevemos há alguns dias atrás aqui na ROADIE METAL) e Joe Fanelli (cozinheiro) receberam a mesma quantia. Sua irmã levou 25% da fortuna e seus pais, que hoje são falecidos, levaram os mesmos 25%.
Mary Austin segue morando na mesma mansão em Garden Lodge, a casa onde Freddie passou os últimos anos e faleceu. É um local alvo de peregrinação de fãs de todos os cantos do planeta e nos anos 1990, os muros da mansão se tornaram uma espécie de santuário, sempre cheio de cartas, mensagens e dedicatórias. E ela se viu obrigada a retirar tudo, pois os moradores do bairro elegante fizeram uma pressão pela “limpeza” do local.
Sobre se tornar rica da noite para o dia, ela deu a seguinte declaração no ano de 2000:
“Os meses posteriores a morte de Freddie foram os mais solitários e difíceis da minha vida. Tive muitos problemas para aceitar que ele tinha ido embora e tudo que ele tinha me deixado.”
Alguns familiares e amigos do cantor não entenderam porque ela tinha ficado com tanto da herança, mas a mãe de Freddie, Jer Bulsara, que faleceu em 2016, deu uma entrevista a jornalista Angela Levin, do Daily Telegraph, em 2012 na qual ela dizia que, de sua parte, não havia o menor problema nisso:
“Mary era adorável e costumava vir comer em nossa casa. Eu adoraria que se casassem e tivessem uma vida normal, com filhos. Mas quando terminaram, eu sabia que ela continuava a amar o meu filho. Foram amigos até o final. Mas eu nunca mais a vi desde que Freddie morreu. Não vejo problema nenhum de ela ter ficado com a maior parte. Ela era como sua família e ainda é”.
Hoje, Mary tem 68 anos e carrega consigo um dos maiores segredos do mundo do rock: o lugar onde ela jogou as cinzas da maior voz que o estilo já conheceu. Teorias, existem aos montes: as cinzas estariam no jardim japonês da mansão em Londres; Teriam sido jogadas em um lago suíço onde Freddie costumava ir, em busca de paz; Teria sido mandada de volta a Zanzibar (terra natal dele), entre outras…
E pelo jeito, ela levará consigo esse segredo para o túmulo.

http://roadie-metal.com/conheca-mary-austin-a-esposa-e-herdeira-de-boa-parte-da-fortuna-de-freddie-mercury/
***
 
*
 
***
13noVEMbro2019...postei:

Freddie Mercury...Está x aí, um filme (Bohemian Rhapsody) que nos ajuda a perceber a vida dele...Cada canção tem uma história...Por exemplo: Love of my life, you've hurt me
You've broken my heart and now you leave me
Love of my life, can't you see?
Bring it back, bring it back, don't take it away from me
Because you don't know what it means to me

Love of my life don't leave me
You've stolen my love and now desert me
Love of my life, can't you see?
Bring it back, bring it back, don't take it away from me
Because you don't know what it means to me

You'll remember when this is blown over
And everything's all by the way
When I grow older, I will be there at your side to remind you
How I still love you, I still love you

Hurry back, hurry back
Don't take it away from me because
You don't know what it means to me

Love of my life
Love of my life
Uhhh, yeah
https://www.youtube.com/watch?v=sUJkCXE4sAA

***

5.803.(13noVEMbro2018.9.9') Santo Agostinho

Nasceu 13noVEMbro354...Tagasta...Argélia
e morreu no ano de 430...Hipona...
***

13 de Novembro de 354: Nasce Agostinho de Hipona, Santo Agostinho, Doutor da Igreja

Aurélio Agostinho nasceu em 354 em Tagasta (Argélia) e terá sido o impulsionador da primeira tentativa sistemática para a harmonização da Filosofia e da Teologia, conciliando elementos de origem platónica e neoplatónica com os preceitos da revelação. Por palavras suas, procurou «crer para entender e entender para crer» com o objetivo de integrar num corpo doutrinal coerente as verdades da fé.

Filho de Patrício, pagão, e Santa Mónica, fervorosamente cristã, viveu uma juventude dissoluta mas sempre atormentada pela busca da verdade e da felicidade. Depois de ter abraçado e renegado várias doutrinas, deixou-se vencer pelo ceticismo e só tardiamente se converteu à religião cristã.
O núcleo do sistema agostiniano reside exatamente na superação do ceticismo e da dúvida que, num percurso que encontrará paralelo em Descartes, o conduz ao primado da certeza imediata da experiência interior: mesmo quando duvida, o homem tem de admitir que vive, recorda, conhece e quer, de onde lhe advém a certeza que existe, e que, ainda que erre em todo o resto, pode ter como seguro que até para errar tem de existir. Além disso, só é possível pôr em causa os dados do mundo exterior quando existe algum padrão superior de Verdade. De facto, na razão, o ser humano encontra certas verdades necessárias e universais - os princípios lógicos e matemáticos, assim como as ideias de Uno, de Bem e de Belo -, cuja origem não pode estar na experiência sensível. O mesmo acontece com a generalidade dos conceitos, cujas especificações não podem ser extraídas da simples sensibilidade, pressupondo Ideias determinadas apenas acessíveis por via intelectual.

Para Agostinho, todas essas Ideias não podem ser originárias senão de Deus e só se tornam acessíveis ao homem por iluminação - através da intervenção doMestre interior, i. é, o próprio Deus - pelo que o conhecimento da Verdade se apresenta como produto de uma graça divina que apenas se pode dar em virtude de uma abertura da vontade para a fé, a partir da qual se deve orientar para o bem e o amor genuíno de Deus. Só depois de alcançado esse estado de contemplação da verdade divina pode, finalmente, o indivíduo assegurar a bem-aventurança, a felicidade e a salvação que constituem o objetivo último da existência humana.

No sistema agostiniano, as Ideias divinas, além de serem consideradas princípio gnosiológico, surgem como princípio ontológico, uma vez que correspondem ao projeto do universo na mente de Deus.
Na geração do mundo, Deus opera em três registos:
- cria, a partir do nada, a matéria, que, no entanto, não existe por si mas em virtude de uma permanente doação de ser por parte de Deus;
- reproduz os arquétipos ideais - havendo a distinguir os entes espirituais, imortais, criados já na sua forma final, dos entes materiais, cujo desenvolvimento explica pelo recurso às razões seminais, elementos formais dinâmicos que constituem na matéria o longínquo reflexo das Ideias divinas;
- cria o tempo - remetendo Deus para uma instância completamente exterior à temporalidade, deixa para o tempo, com início (o Génesis) e fim (o Juízo Final), a marca da contingência e da precaridade.
Santo Agostinho, que ficou conhecido como «Doutor da Graça», morreu em 430 em Hipona, onde havia sido sagrado bispo. As suas investigações, pioneiras na análise da metafísica da experiência interior, influenciaram decisivamente o percurso posterior do pensamento filosófico.
Fontes: Infopédia
wikipedia (imagens)

Detalhe de "Agostinho ensinando em Roma" de Benozzo Gozzoli
Manuscrito da Cidade de Deus, a obra mais famosa de Agostinho.Início do século XV, atualmente na Biblioteca Nacional da Holanda
Conversão de Agostinho.
1756. Por Charles-Antoine Coypel, actualmente no Palácio de Versalhes, em França


https://estoriasdahistoria12.blogspot.com/2018/11/13-de-novembro-de-354-nasce-agostinho.html?fbclid=IwAR253qynUn5d_5Mx6is7O7KrjfOKTUElnE4yRmwL5H-rFpVN-6KSM4tfFg0
***

10/11/2018

7.493.(10noVEMbro2018.9.9') Friedrich Schiller

Nasce a 10noVEMbro1759
e morreu a 9mAIo1805
***
 
  















 **
In Maria Stuart
"Todos julgam segundo a aparência, ninguém segundo a essência."
**

http://www.citador.pt/frases/citacoes/a/friedrich-von-schiller
***

10 de Novembro de 1759: Nasce Friedrich Schiller, poeta e dramaturgo alemão.

Johann Christoph Friedrich von Schiller, poeta e dramaturgo alemão, nasceu em Marbach (Württemberg), em 10 de novembro de 1759, e morreu em Weimar, no dia 9 de maio de 1805.
Contra vontade, faz os seus estudos superiores, cursando Medicina, e chega a ser médico militar. De espírito exaltado, e ainda influenciado pelos escritos do historiador e filósofo francês Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), defende e propaga ideias verdadeiramente anárquicas, o que o obriga a uma vida errante. Por desobediência às leis do país, com saídas não autorizadas para o estrangeiro, é preso e impedido de escrever, motivo por que resolve fugir para Mannheim.A sua ânsia de liberdade revela-se, com exaltação, na sua primeira obra, que ele escreve aos 21 anos, o drama Os Salteadores (1780), que tem uma estreia ruidosa no Teatro Nacional de Mannheim e torna o seu autor conhecido no mundo do teatro.
Ainda do período da sua juventude irrequieta são a sátira Intriga e Amor (1784) e os dramas Conspiração de Fiesko (1783) e Dom Carlos (começo) (1783), em que faz a apologia do republicanismo humanista e que lhe granjeia o título decidadão francês.
Em 1783-84 exerce o lugar de poeta dramático em Mannheim, mas a sua situação financeira entra em declínio, de que é salvo por um amigo que lhe garante a subsistência durante os anos de 1785 a 1787, que ele passa em Leipzig e Dresden.
Em 1787 conclui o drama Dom Carlos e faz a sua mudança para Weimar. Logo em 1788 escreve para a revista Rheinische Thalia o conto O Visionário.
Dedica-se então a trabalhos sobre temas históricos e publica, também em 1788, a História da Queda dos Países Baixos, o que lhe proporciona um lugar de professor na Universidade de Jena, tendo feito a sua entrada naquela universidade com uma conferência subordinada ao título: Que significa e com que finalidade se estuda História Universal?
Em 1790 casa com Charlotte von Lengefeld.
A propósito da publicação da sua História da Guerra dos Trinta Anos (1793) foi-lhe concedida uma bolsa de estudo, na Dinamarca, para o estudo intensivo do filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804), pelo que teve de se ausentar para aquele país.Em 1794, já de novo em Weimar, dá-se a aproximação e estabelece-se a amizade com o escritor Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832) e começam os trabalhos dos dois poetas para revistas de literatura e arte. Schiller publica algumas baladas: O Mergulhador e Os Grous do Íbico.
Em 1799 publica a trilogia dramática Wallenstein, a que se seguem trabalhos de índole filosófica como Cartas Filosóficas de Júlio e Rafael, O Ideal e a Vida, Os Artistas, Canção do Sino e Sobre a Educação Estética do Homem (1793), em que o poeta exprime os seus conceitos de estética e moral.
Através de todas as obras de Schiller está presente a ideia da liberdade, que toma forma nova, ao mesmo tempo que ele próprio passa a ter um espírito novo. Na sua juventude era a luta pela liberdade «física» que o preocupava; na sua idade madura é a liberdade «ideal» que o inspira para a construção das suas grandes obras.
Mas, apesar de a estrutura de Wallenstein e a de Maria Stuart serem obra de mestre, Schiller não está satisfeito: a sua preocupação dominante é agora construir um drama em verso que, em contexto histórico, dê forma ao conflito trágico entre as personagens, no seu encadeamento geral, e a sua determinação de conquistar a liberdade moral, o que só é possível na queda ou na renúncia abnegada.
Em satisfação deste seu desejo, Schiller escreve, nos últimos anos da sua vida, as três obras de maior significado de toda a sua atividade literária: A Donzela de Orleães (1801), com a qual cria a tragédia romântica; A Noiva de Messina (1803), através da qual restabelece o coro do teatro antigo; e Guilherme Tell (1804), com o qual institui o drama popular como festival.
Schiller morreu em 1805 e com ele o expoente máximo da história do teatro alemão.
Fontes: Infopédia
wikipedia (imagens)


Friedrich Schiller, retrato de Ludovike Simanoviz(1794)
Retrato de Friedrich Schiller por Gerhard von Kügelgen
 https://estoriasdahistoria12.blogspot.com/2018/11/10-de-novembro-de-1759-nasce-friedrich.html?fbclid=IwAR1eYiQn5pYgpKOMlQL1_u69H12mDFgbYQ5xxWyPp1X4Se7hgK0Fju2A3CU
***