15/10/2014

8.889.(15out2014.55') Neste dia...15outubro...Vou rELEVAR: 213.avÔ, Manuel da Fonseca, Mário Castrim, Agustina Bessa Luís,Galbraith, Friedrich Nietzsche, Michel Foucault, Italo Calvino, Chaplin, Cole Porter, Chris de Burgh e as 3 pitadinhas matinais de Joaquim Pessoa:

***
2016
213.avô
o contraditóRIO
doMINA
o instante
e enRIquece-o
*
é essencial o AMAR, 
mas é preciso triangular...
pois sem trabalhar (com direitos) e o saber (+e +),
 o amar diminui...
urge harmonizar: amor.trabalho.sabedoria
*
sonhei contigo
+1x
lançavas-me
o teu poderoso olhar
com soRRiso
para cima de mim
e esse pupilAR
dava-me sensAÇÕES
esTUpendas
*
ao susurrAR-TE
sei que te provOCO
agradáveis vibrAÇÕES
para tu reagires asSIM
TENHO TANTOOOOOOOOOOOOO
para sussurAR-TE
A 2
NO 2
***
2015...face traz-me memórias
deste dia:
 a minha CELA (d'ALCOBAÇA que vos abRRaça) tem esta aposta hoteleira de grande qualidade: VALE D'AZENHA...a minha aldeia é centro, está próxima do melhor...
(video)
*
 O "papão" do PCP voltou...e queremos tão pouco para haver 1 governo estável para 4 anos: "...PCP tudo fará para respeitar a vontade popular - impedir a formação de um governo pelo PSD e CDS-PP e contribuir para uma mudança política que valorize os salários e pensões e reponha tudo o que foi roubado aos trabalhadores e ao povo; que combata a precariedade; que valorize os direitos dos trabalhadores; que alivie a carga fiscal sobre os trabalhadores, os reformados e os micro e pequenos empresários e aumente a tributação sobre o lucro das grandes empresas; que reforce e diversifique o financiamento da Segurança Social com vista ao alargamento do acesso às prestações sociais; que reforce o Serviço Nacional de Saúde, através da contratação dos profissionais em falta, da atribuição do transporte de doentes não urgentes e pondo fim às taxas moderadoras; que reverta os processos de privatização e que revogue as recentes alterações na lei da IVG..."
*
 Não percebo nada do nervosismo dos direitinhas PSD.CDS...Perdem a cabeça nas TV's, nos jornais...Então não venceram as eleições? De que estão à espera para governarem com estabilidade e promoverem o crescimento, agHora, que está td nas melhores condições, sem a troika, com o fim do resgate...Vá façam lá governo e apresentem orçamento magnífico para 2016, que prometeram nas eleições...
*
 a política tem que mudar para os 99%....estamos fartos de governos a servirem os agiotas
 http://expresso.sapo.pt/sociedade/2015-10-14-Metade-da-riqueza-mundial-nas-maos--de-1-da-populacao
*
 16.16'...estou com EDGAR SILVA para Presidente da República:
(...) "Candidatura coerente e combativa
 http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/10/90949outubro201588-presidenciais-2016.html
*
 O Costa está mesmo enCOSTAdo...já me tinha esquecido destes que em tempos teve o nosso famoso alcobacense Daniel Adrião ...Além do Assis.Zorrinho.Jardim.seguristas e C.ª!!!
 https://www.noticiasaominuto.com/n/468776
*
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153676130109819&set=a.10150262398389819.346034.835759818&type=3&theater
*
 1 ex-deputado do PSD...constitucionalista...na linha certa!!!!
 https://www.facebook.com/photo.php?fbid=944109345683127&set=a.107569799337090.14625.100002522119069&type=3&theater
*
pela liberdade em Angola...o mínimo é assinar...+1 vergonha deste governo PSD.CDS..."Depois de 3 meses de detenção arbitrária vários dos jovens angolanos iniciaram uma greve de fome. Ajude-nos a protegê-los!
Os ativistas políticos e dos direitos humanos Henrique Luaty da Silva Beirão, Manuel Chivonde (Nito Alves), Nuno Álvaro Dala, Afonso Mahenda Matias (Mbanza Hanza), Nelson Dibango Mendes dos Santos, Itler Jessy Chivonde (Itler Samussuko), Albano Evaristo Bingocabingo, Sedrick Domingos de Carvalho, Fernando António Tomás (Nicolas o Radical), Arante Kivuvu Italiano Lopes, Benedito Jeremias, José Gomes Hata (Cheick Hata) e Inocêncio António de Brito foram presos por forças de segurança angolanas no dia 20 de junho, na capital, Luanda.(...)
***
2014...face traz-me memórias
deste dia:
 camião incendeia-se na VCI...foi só fumaça... em Alcobaça que vos abRRaça...
*
 1 vivaaaaaa ao Edu Leitão, guarda-redes do HCTurquel...d'ALCOBAÇA que vos abRRaça...foi 1 dos campeões europeus de sub20 em Hóquei Patins, no último fds...
*

nazaré by Manuel Pinto
***
2013...face traz-me memórias
deste dia:


*
 subscrevo a opinião da Susana Duarte:" 2 anos deste vergonhoso "governo".
Tantos danos, em tão pouco tempo. Tanta falt de tudo, em tão pouco tempo. Tanta falta de sensibilidade, amor pátrio, humanismo, respeito pelos compatriotas. Tanto retrocesso. Tanta propaganda tão mal amanhada. Tanta falta de conhecimento da História. Tanta falta de respeito. Tanto retrocesso. Tanta fome, de comida, de cuidados, de educação não-panfletária, de cultura, de igualdade de oportunidades. Tanta falta de saber SER, por parte daquela gente que nos entra na vida, e nos dias, e nas contas. E tanta necessidade de falar, gritar bem alto a indignação."
 http://expresso.sapo.pt/sociedade/portugal-viola-direitos-da-crianca-acusa-a-unicef=f835575
***
2011...face traz-me memórias deste dia
 urge alegRIA e queRer na luta...a minha filha está na vigília...a luta tem de ter greve geral, mas tem de ter muita imaginação, humor, música para derrotar os tristes que só sabem conjugar o verbo cortar o salário/vida das pessoas, para dar aos que só sabem esbanjar!!!
 https://www.youtube.com/watch?v=K_gYJJxPBmQ&list=RDK_gYJJxPBmQ#t=0
*
 Sr. Primeiro-ministro, depois das medidas que anunciou, sinto uma força a crescer-me nos dedos e uma raiva a nascer-me nos dentes. Vª Exª dirá que está a fazer o que é preciso. Eu direi que Vª Exª faz o que disse que não faria, faz mais do que deveria e faz sempre contra os mesmos (Nicolau Santos-Expresso)
**
...
Os homens nasceram para se entenderem
Para se compreenderem para se amarem
Têm filhos que se tornarão pais dos homens
Têm filhos sem eira nem beira
Que hão-de reinventar o fogo
Que hão-de reinventar os homens
E a natureza e a sua pátria
A de todos os homens
A de todos os tempos.

 in "Algumas das Palavras"
*
 https://www.facebook.com/notes/239291352782172/
(via José S)
*
 hj os nossos principais ECOA (embaixadores do concelho de Alcobaça) estão a explodir em New York...d'alcobaça que vos abRRaça...deixem-s estar na LUTA com esta "prenda"!!!
(fácil entender)
*
já me sinto + acompanhado...Há cada x- pessoas que votaram PSD.CDS nas últimas eleições...Ou então: há cada x+ pessoas que não foi para esta política vergonhosa que votaram naqueles partidos!
(Bispo Januário)
*
 Bispo Januário e este ex- bispo (bispo vermelho de Setúbal)são 2 "gritos"...
 *

a poesia é uma arma...
Quem lê Sophia de Mello Breyner Andresen
AL BERTO, in O MEDO (1987)
VEM COMIGO
vem comigo
ver as pirâmides fantásticas do vento
no interior luminoso da terra encontrarás
o segredo de quartzo para desvendares o tempo
onde contemplamos a fulva doçura das cerejas

iremos para onde os restos de vida não acordem
a dor da imensa árvore a sombra
dos cabelos carregados de pólenes e de astros
crescemos lado a lado com o dragão
o súbito relâmpago dos frutos amadurecendo
iluminará por um instante as águas do jardim
e o alecrim perfumará os noctívagos passos
há muito prisioneiros no barro
onde o rosto se transforme e morre
e já não nos pertence

vem comigo
praticar essa arte imemorial de quem espera
não se sabe o quê junto à janela
encolho-me
como se fechasse uma gaveta para sempre
caminhasse onde caiu um lenço
mas levanto os olhos
quando o verão entra pelo quarto e devassa
esta humilde existência de papel

vem comigo
as palavras nada podem revelar
esqueci-as quase todas onde vislumbro um fogo
pegando fogo ao corpo mais próximo do meu


*

Imagem: Come with me, por Carol James
*
(LT)
*

na Luta a favor de uma nova prática política, tão nova como a que está na Constituição d'abril!!! ABRI...l sempre!

Cristina Franco com João Carreira.
AGORA ESTÃO A LEVAR-ME, MAS NINGUÉM SE IMPORTA...
"Primeiro levaram os negros,
mas não me importei com isso,
eu não era negro.
Em seguida levaram alguns operários,
mas não me importei com isso,
eu também não era operário.
Depois prenderam os miseráveis,
mas não me importei com isso,
porque eu não sou miserável.
Depois agarraram uns desempregados,
mas como tenho o meu emprego,
também não me importei.
Agora estão a levar-me,
mas já é tarde,
porque ninguém também se importa comigo."

(Bertold Bretch)
*
Love is the ultimate healer, a force that is stronger than an individual. All the loves in the world are like different rivers flowing into the same lake, where they meet and are transformed into a single love that becomes rain and blesses the earth.
- Paulo Coelho -
***
2010...memórias
deste dia:
 Maria R sugeriu e eu partILHO para tds com votos de que durmam com bons sonhos coloridos apesar de...e de...aquel'abRRaço
 http://zappiens.pt/video.php?id=1096
Fernando Pessoa:
 Isto

Dizem que finjo ou minto
Tudo que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.

Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa cousa é que é linda.

Por isso escrevo em meio
Do que não está ao pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê!
***
 Hj é a Noite Europeia Sem Acidentes
*
 ai a nossa saúde...Hj (amanhã tb) é Dia Mundial de Luta Contra a Dor
*
 Hj é Dia Internacional das mulheres Rurais
*
 Hj é Dia Mundial da Bengala Branca...???."Comemora-se com várias acções simbólicas representativas da independência, liberdade e confiança das pessoas cegas."
***
1844
Friedrich Nietzsche
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/08/861125ag201477-friedrich-nietzsche.html
***
1908
John Kenneth Galbraith - economista
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/10/909714outu201577-john-kenneth-galbraith.html
***
1911
Manuel da Fonseca
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2013/04/648926abril20131230-sabado.html
***
1922
Agustina Bessa Luís
 «Eu não me levo muito a sério. É a melhor maneira de viver.
Aquele que se leva a sério está sempre numa situação de inferioridade perante a vida.»
“O amor é o invisível no habitual”.»

http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/10/317315outu201577-agustina-bessa-luis.html
***
1923
Italo Calvino
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/09/872919set2014818-italo-calvino.html
***
1926
Michel Foucault
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/06/989025jun201577-michel-foucault.html
***
1940
O grande ditador de Chaplin
http://www.youtube.com/watch?v=3OmQDzIi3v0
***
1948
Chris de Burgh
http://www.youtube.com/watch?v=fZUs5ltgqZI&index=2&list=PL1D24C0C73BFFE58F
***
1964
morreu Cole Porter
http://www.youtube.com/watch?v=L8pKb9NTrng&list=RDL8pKb9NTrng#t=1
***
2002
morre Mário Castrim
 "Ser comunista, hoje
Esperança:
é a maneira
como o futuro fala
ao nosso ouvido.
Depois
há que saber
organizá-lo.
Então
Os comunistas entram em acção.
Versos muito pessoais

III
És livre?
Isto é:
quem amas?

IV
Realizo-me no acto de pagar
as quotas do Partido.
Não tem nada de heróico.
Nada mais natural
como beijar o filho
na hora de deitar.

V
Leio
o AVANTE!
devagar
e com toda a atenção
como se o escrevesse."
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/10/889115out20141217-mario-castrim.html
***
e a pitadinha matinal de Joaquim Pessoa:
postei em 2013:
 
 https://www.facebook.com/photo.php?fbid=585190418182792&set=gm.608636889178425&type=3&theater
 Dia 195.
*
O silêncio dos livros grita. Com a boca profunda das crianças,
a ansiedade das mães e o luxo dos incêndios. O silêncio dos
livros é suspeito, não é puro, nem respirável, nem vazio.
O silêncio dos livros pode ser um sopro, uma brisa, uma
borrasca. Pode ser a luz de uma célula, a seiva de uma estrela,
o grito das abelhas assassinadas pela doçura. Silêncio com
guelras, com rimas, com a ciência azul das primaveras que
hão-de vir.
O silêncio dos livros magoa e é feliz. Raspa, rasga, arranha,
excede, excede-se, atrapalha. Mas treme, comove, perfuma,
abraça.
O silêncio dos livros não pertence aos livros mas neles habita,
e neles se excita e apavora.
Não é o silêncio dos mortos, mas dos vivos.
Um silêncio tumultuoso, que interroga, confronta, fere,
identifica. Silêncio purificado, inteligente, vestígio não vingativo,
retorno da emoção. Grande cave universal que armazena tudo
o que é inovador.
Todos os dias de amanhã celebrarão o silêncio dos livros. Essa
é, mais que uma esperança, uma ideia, uma certeza funda.
in ANO COMUM

*

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=864755216870254&set=a.152159341463182.28585.100000073522004&type=1&theater
SONETO ACRESCENTADO

Renego as almas jazentes
das gentes vivas sem alma
roendo os dedos dormentes
de um nervo que rói a calma

e acalma a boca doente
pois que a certeza se espalma
no querubim indecente
que o diabo leva à palma

quando se cala a guitarra
que a bruxa não toca agora
porque morreu a cigarra
e sei que queres ir embora

já que o silêncio te amarra
e o riso entristece e chora.
.
(O que está dentro está fora
daquilo que não se agarra).

(*) in, 'O POUCO É PARA ONTEM.'

**
SONETO
*
Arrebanhai o riso e fazei troça
da nova situação que não é nova.
Poupai tempo fazendo vista grossa,
utilizando um pau e uma ova.
Tranquilos, nem o cão nem a manada.
Embebeda-se o galo na janela
espichando o azul da madrugada
com medo ao facalhão e à panela.
Gemendo de prazer na bebedeira
o capão arremete à capoeira
e põe a galinhagem de esperanças.
Que Deus o abençoe, meu caro amigo,
mas tire-me esse galo do postigo
que não dá bons exemplos às crianças.
*
in
SONETOS PERVERSOS
.
**
BALADA DAS ONZE E MEIA
Onze e meia: meia hora
para acabar este dia.
Meia hora ainda é hoje.
Meia hora é amanhã.
Às onze e meia da noite
vai haver muita pancada
num bar da rua das Pretas.
Vai haver muita mudança
nos decretos aprovados.
Às onze e meia da noite
no quarto não se ouve nada
mas no berço uma criança
dorme o sono dos poetas
que andam subalimentados.
Às onze e meia da noite
direi vinte e três e trinta.
Acordo o galo vermelho
com dois murros no pescoço.
Canta, canta, meu pelintra
o dia de hoje é tão velho
que amanhã já estamos mortos.
Às onze e meia da noite
os ódios nunca estão fartos.
Às onze e meia da noite
a morte anda lá por fora
a pedir contas à vida
e os polícias têm medo
da própria sombra que pisam.
Onze e meia. Está na hora.
No relógio ainda é cedo.
Os ponteiros não deslizam.
Às onze e meia da noite
esperamos por amanhã.
Chega a noite para a ceia
com dois pezinhos de lã.
Passam gatunos, canalhas
com seus múltiplos perfis.
Caem corpos e navalhas
no silêncio dos lancis.
Onze e meia. A meia hora
que falta, nunca mais passa.
Não passa. Nunca mais passa.
Eu sei lá quanta desgraça
se apodera em meia hora
das ruelas e dos becos
que apodrecem na cidade!
São onze e meia. É agora
que os olhos verdes dos cegos
pressentem a claridade.
Às onze e meia da noite
o vento não bate à porta
nem quer saber de mais nada.
Às onze e meia da noite
no bar da rua das Pretas
continua a haver pancada.
Às onze e meia da noite
ao cães disputam a dente
uma cadela aluada.
Às onze e meia da noite
há travestis no Rossio
à pesca dos marinheiros
que deixaram o navio
e fazem horas de cio
no sangue dos paneleiros.
Bateram as onze e meia.
Só faltam trinta minutos.
Acende-se a lua cheia
na rua dos Sapateiros.
São onze e meia da noite
e eu quero ficar contigo
entre lençóis de algodão.
Fincar no flanco uma espora.
Cavalgar por meia hora.
Dar rédeas ao coração.
Às onze e meia da noite
é tempo de solidão.
E nas entranhas do medo
fazem-se filhos diversos.
Como um padeiro faz versos
ou um poeta faz pão.
Às onze e meia da noite.
Às onze e meia da noite
recebem-se embaixadores
e à mesma noite os porteiros
afugentam os trapeiros
vestidos de malfeitores.
Às onze e meia da noite
a Primavera passou-se
para o lado do Outono.
E uma Maria qualquer
nas alamedas do sono
cansada de ser mulher
às onze e meia matou-se.
Em ponto. São onze e meia.
Esta noite os redimidos
hão-de fazer por esquecer.
Bem comidos e bebidos
não tardam a adormecer.
E um frasco de comprimidos
na mesa de cabeceira
vai ajudar os sentidos
a cozer a bebedeira.
Às onze e meia da noite.
Às onze e meia da noite
num gabinete privado
(como a irmã cotovia)
o tipo que está ao lado
cantou tudo o que sabia
para subir de ordenado.
Às onze e meia da noite
rastejam cobras na lama
onde afocinham as putas
Senhoras Donas da Cama.
Mas as putas que são putas.
Não as que têm a fama.
São onze e meia da noite.
Já só falta meia hora.
Apenas trinta minutos.
Às onze e meia da noite
ponho a tristeza de lado
e uma gravata de seda.
Quero ouvir cantar o fado.
Quero dar uma facada
no galo da consciência.
Quero menos paciência
e um pouco mais de loucura.
E enquanto são onze e meia
e ainda dura a pancada
no bar da rua das pretas
os putos fazem punhetas
em jeito de habilidade
apenas com quatro dedos.
E descobrem os segredos
de nascerem portugueses
filhos de um povo adiado.
Feitos aqui e agora.
Quando falta meia hora
para acabar o passado.
in 125 Poemas, Antologia Poética (Português Suave), Litexa, 3ª edição