16/10/2014

8.903.(16out2014.12.17') Hj é dia de Região de Cister..Para ler com td a atenção

***
É de saudar a publicação de +1 Foral:
o de Alfeizerão
***
Traz uma entrevista ao Marco Clemente
Reproduzir vídeo
 do movimento ViverAlcobaça
***
agua.jpg


O município de Alcobaça é o segundo concelho do distrito que mais cobra pela água, sendo apenas superado, por uma curta margem, por Peniche.
O concelho da Nazaré é o mais caro no saneamento e nos resíduos sólidos urbanos, segundo o mais recente levantamento de tarifários revelados pela Deco (Associação de Defesa de Consumidores).
O presidente da Câmara de Alcobaça esclarece que o município não aumenta os tarifários há três anos e que os valores praticados resultam da “atualização que se teve de efetuar aquando do contrato com as Águas do Oeste”. Além disso, acrescenta Paulo Inácio, o “índice comparativo do concelho deve ser feito com os da zona Oeste, já que o fornecimento em alta é feito pela Águas do Oeste e Leiria por outra empresa”. 
Se na Nazaré uma família que consuma até 10 metros cúbicos de água por mês paga, em média, 375 euros por ano pelas facturas da água, tratamento de esgotos e recolha de lixo, em Alvaiázere esse valor é de cerca de 174 euros. Tendo em conta apenas os gastos com a água, essas variações de preços também são evidentes. Peniche e Alcobaça são os concelhos com o preço mais elevado, com um encargo anual de 164 euros, ou seja, quase o dobro do valor praticado na Marinha Grande, concelho que pratica o preço da água mais baixo. Alcobaça tem, assim, a água mais cara do distrito.
Ao nível do saneamento, as diferenças são ainda maiores. Na Nazaré - município onde os encargos com essa tarifa são mais elevados -, para consumos até 10 metros cúbicos por mês paga-se quatro vezes mais do que no Bombarral. Segundo o levantamento da Deco, no primeiro caso os custos anuais para aquele escalão de consumo rondam os 135 euros, enquanto no Bombarral esse valor não ultrapassa os 30 euros.