26/03/2015

9.791.(26mar2015.8.11') António Dias Lourenço

Nasceu a 25mar2015
***
testemunho de Dias Lourenço
 https://www.youtube.com/watch?v=r-qReAFzqMg
***
17dez1954
consegue fugir do SEGREDO
Fortaleza -prisão de Peniche

 https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1271126249597515&set=pcb.1270928399617300&type=3&theater


 https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1271126106264196&set=pcb.1270928399617300&type=3&theater
 
 https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1271125822930891&set=pcb.1270928399617300&type=3&theater
 
 https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1271125692930904&set=pcb.1270928399617300&type=3&theater
FOTOS DA GRAÇA SILVA
8dez2016
*
Entre nós RTP2 ..Dias Lourenço conta como foi...
 https://www.youtube.com/watch?v=_ywB9qwGQ5A
*
contada pelo Domingos Abrantes
 https://www.youtube.com/watch?v=JefOHS3e7ik
*
do site da câmara

60º Aniversário da Fuga de António Dias Lourenço da Cadeia do Forte de Peniche – 1954-2014



60º Aniversário da Fuga de António Dias Lourenço da Cadeia do Forte de Peniche – 1954-2014
António Dias Lourenço (1915-2010)
Assinala-se a 17 de dezembro o 60º aniversário da Fuga de António Dias Lourenço (1915-2010) da "Cadeia do Forte de Peniche" (1954-2014).
Preso político, militante do Partido Comunista Português, António Dias Lourenço evade-se numa noite fria de dezembro do "Segredo", cela de isolamento instalada no Baluarte Redondo da Fortaleza de Peniche, protagonizando uma fuga particularmente arriscada em direção à Liberdade, que pela heroicidade deve ser relembrada enquanto exemplo de resistência efetuada por milhares de portugueses contra o regime fascista do Estado Novo.  
Sozinho, preparou a fuga: estudou os movimentos dos guardas e procedeu de modo a ser "castigado", o que equivalia a ser fechado no "Segredo". Aí, com a ajuda de uma meia faca que conseguira obter, começa a tarefa de remoção de um pedaço de madeira da porta. Após longos dias de trabalho, consegue sair da cela e munido de uma corda feita de cobertor desfiado e pouca roupa, lança-se ao mar. Alcançada terra firme e depois de mais de uma hora de correria pela então Vila de Peniche, Dias Lourenço salta para uma camioneta de transporte de peixe e concretiza a sua evasão.
Após esta fuga o Baluarte Redondo deixaria de ser utilizado enquanto local de isolamento de presos.

António Dias Lourenço nasceu em Vila Franca de Xira em 25 de março de 1915. Torneiro mecânico de profissão cedo aderiu ao Partido Comunista Português, o que lhe valeu ser preso por diversas vezes, tendo passado um total de 17 anos nas cadeias do regime do Estado Novo enquanto preso político. Foi jornalista do jornal O Diabo e responsável pelo jornal "Avante!", entre 1957 e 1962, e seu diretor entre 1974 e 1991. Exerceu ainda as funções de deputado à Assembleia da República entre 1975 e 1987. Faleceu em Lisboa em 7 de agosto de 2010.
Pese embora a sua idade avançada, era usual ver Dias Lourenço visitar a Fortaleza de Peniche com diversos grupos, particularmente escolares, aos quais descrevia com pormenor as dificuldades da vida na prisão e da sua fuga do “Segredo”. Aqui fica o depoimento dado pelo próprio em 2005 à jornalista Raquel Santos para o programa "Entre Nós" da RTP2.
- See more at: http://www.cm-peniche.pt/News/NewsDetail.aspx?news=7faf4151-4628-4920-9ed0-691a6913d9ba#sthash.Uy60Dl2K.dpuf
 http://www.cm-peniche.pt/News/NewsDetail.aspx?news=7faf4151-4628-4920-9ed0-691a6913d9ba
Assinala-se a 17 de dezembro o 60º aniversário da Fuga de António Dias Lourenço (1915-2010) da "Cadeia do Forte de Peniche" (1954-2014).
Preso político, militante do Partido Comunista Português, António Dias Lourenço evade-se numa noite fria de dezembro do "Segredo", cela de isolamento instalada no Baluarte Redondo da Fortaleza de Peniche, protagonizando uma fuga particularmente arriscada em direção à Liberdade, que pela heroicidade deve ser relembrada enquanto exemplo de resistência efetuada por milhares de portugueses contra o regime fascista do Estado Novo.  
Sozinho, preparou a fuga: estudou os movimentos dos guardas e procedeu de modo a ser "castigado", o que equivalia a ser fechado no "Segredo". Aí, com a ajuda de uma meia faca que conseguira obter, começa a tarefa de remoção de um pedaço de madeira da porta. Após longos dias de trabalho, consegue sair da cela e munido de uma corda feita de cobertor desfiado e pouca roupa, lança-se ao mar. Alcançada terra firme e depois de mais de uma hora de correria pela então Vila de Peniche, Dias Lourenço salta para uma camioneta de transporte de peixe e concretiza a sua evasão.
Após esta fuga o Baluarte Redondo deixaria de ser utilizado enquanto local de isolamento de presos.

António Dias Lourenço nasceu em Vila Franca de Xira em 25 de março de 1915. Torneiro mecânico de profissão cedo aderiu ao Partido Comunista Português, o que lhe valeu ser preso por diversas vezes, tendo passado um total de 17 anos nas cadeias do regime do Estado Novo enquanto preso político. Foi jornalista do jornal O Diabo e responsável pelo jornal "Avante!", entre 1957 e 1962, e seu diretor entre 1974 e 1991. Exerceu ainda as funções de deputado à Assembleia da República entre 1975 e 1987. Faleceu em Lisboa em 7 de agosto de 2010.
Pese embora a sua idade avançada, era usual ver Dias Lourenço visitar a Fortaleza de Peniche com diversos grupos, particularmente escolares, aos quais descrevia com pormenor as dificuldades da vida na prisão e da sua fuga do “Segredo”. Aqui fica o depoimento dado pelo próprio em 2005 à jornalista Raquel Santos para o programa
- See more at: http://www.cm-peniche.pt/News/NewsDetail.aspx?news=7faf4151-4628-4920-9ed0-691a6913d9ba#sthash.Uy60Dl2K.dpuf

60º Aniversário da Fuga de António Dias Lourenço da Cadeia do Forte de Peniche – 1954-2014



60º Aniversário da Fuga de António Dias Lourenço da Cadeia do Forte de Peniche – 1954-2014
António Dias Lourenço (1915-2010)
Assinala-se a 17 de dezembro o 60º aniversário da Fuga de António Dias Lourenço (1915-2010) da "Cadeia do Forte de Peniche" (1954-2014).
Preso político, militante do Partido Comunista Português, António Dias Lourenço evade-se numa noite fria de dezembro do "Segredo", cela de isolamento instalada no Baluarte Redondo da Fortaleza de Peniche, protagonizando uma fuga particularmente arriscada em direção à Liberdade, que pela heroicidade deve ser relembrada enquanto exemplo de resistência efetuada por milhares de portugueses contra o regime fascista do Estado Novo.  
Sozinho, preparou a fuga: estudou os movimentos dos guardas e procedeu de modo a ser "castigado", o que equivalia a ser fechado no "Segredo". Aí, com a ajuda de uma meia faca que conseguira obter, começa a tarefa de remoção de um pedaço de madeira da porta. Após longos dias de trabalho, consegue sair da cela e munido de uma corda feita de cobertor desfiado e pouca roupa, lança-se ao mar. Alcançada terra firme e depois de mais de uma hora de correria pela então Vila de Peniche, Dias Lourenço salta para uma camioneta de transporte de peixe e concretiza a sua evasão.
Após esta fuga o Baluarte Redondo deixaria de ser utilizado enquanto local de isolamento de presos.

António Dias Lourenço nasceu em Vila Franca de Xira em 25 de março de 1915. Torneiro mecânico de profissão cedo aderiu ao Partido Comunista Português, o que lhe valeu ser preso por diversas vezes, tendo passado um total de 17 anos nas cadeias do regime do Estado Novo enquanto preso político. Foi jornalista do jornal O Diabo e responsável pelo jornal "Avante!", entre 1957 e 1962, e seu diretor entre 1974 e 1991. Exerceu ainda as funções de deputado à Assembleia da República entre 1975 e 1987. Faleceu em Lisboa em 7 de agosto de 2010.
Pese embora a sua idade avançada, era usual ver Dias Lourenço visitar a Fortaleza de Peniche com diversos grupos, particularmente escolares, aos quais descrevia com pormenor as dificuldades da vida na prisão e da sua fuga do “Segredo”. Aqui fica o depoimento dado pelo próprio em 2005 à jornalista Raquel Santos para o programa "Entre Nós" da RTP2.
- See more at: http://www.cm-peniche.pt/News/NewsDetail.aspx?news=7faf4151-4628-4920-9ed0-691a6913d9ba#sthash.Uy60Dl2K.dpuf
***
Via Cláudia Cláudio
"A minha vida pertence ao Partido"
https://www.youtube.com/watch?v=r-qReAFzqMg
***
Via avante 26mar2015
Gustavo Carneiro escreveu:
http://www.avante.pt/pt/2156/emfoco/134769/
António Dias Lourenço nasceu há 100 anos
Um homem feliz na luta

Nascido a 25 de Março de 1915, em Vila Franca de Xira, António Dias Lourenço foi um destacado militante e dirigente comunista durante quase 80 anos, nos quais deu provas de uma inquebrantável dedicação aos trabalhadores, ao povo e à luta do seu Partido. A opção, que ainda jovem tomou, de se tornar funcionário do Partido Comunista Português pagou-a com brutais torturas e 17 longos anos de prisão. Tal não o impediu, na última entrevista concedida ao Avante!, de se confessar um homem feliz, sobretudo por ver tanta gente nova a prosseguir o combate a que dedicou a sua vida.
Image 17770

Operário, jornalista, dirigente político, prisioneiro, escritor, deputado. António Dias Lourenço foi tudo isto e muito mais ao longo da sua intensa vida (e longa de 95 anos), que desde muito cedo se confunde com a luta dos trabalhadores e do povo contra o fascismo e a exploração, pela liberdade, a democracia e o socialismo. Uma luta a que dedicaria o melhor das suas capacidades e a sua imensa energia.
Praticamente até ao último dia da sua vida (faleceu em Agosto de 2010) foi presença quase diária na sede nacional do Partido e na redacção do Avante!, onde conservava uma mesa de trabalho com um aparelho que lhe permitia ler, apesar das graves limitações de visão que o acompanharam nos últimos anos. Eram raras as iniciativas do Partido ou as acções de luta unitárias, em Lisboa, nas quais não comparecia, pese embora as visíveis dificuldades em andar que se agravavam com o passar do tempo. Esta energia, esta força imensa com que teimava em contrariar as adversidades da vida e as vicissitudes da idade eram precisamente das características mais salientes da fascinante personalidade de António Dias Lourenço.
Como muitos vilafranquenses da sua geração – os «homens que nunca foram meninos» de que falava Soeiro Pereira Gomes –, Dias Lourenço começou a trabalhar com apenas 13 anos, pouco mais era do que uma criança: durante quase uma década e meia foi torneiro-frezador nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico e na Soda Póvoa. O ambiente das fábricas e das colectividades, onde desenvolveu uma intensa actividade cultural, levam-no à luta dos trabalhadores e ao Partido Comunista Português, do qual se torna militante em 1931. Três anos depois, participa activamente na jornada de 18 de Janeiro de 1934 contra a fascização dos sindicatos.
Na sua primeira década de militância comunista, e ao mesmo tempo que colaborava em jornais como O Diabo, oSol Nascente, o Mensageiro do Ribatejo e o República, assumiu um papel destacado no desenvolvimento da organização partidária. Integrou o Comité Local de Vila Franca de Xira e o Comité Regional do Ribatejo, do qual chegou a ser responsável. O nome de António Dias Lourenço fica também ligado aos célebres «passeios no Tejo» que, no início da década de 40, envolveram destacadas figuras das artes e das letras e impulsionaram o movimento neo-realista.
Revolucionário profissional
Envolvendo-se intensamente no processo de reorganização do Partido, iniciado no final de 1940 por destacados militantes comunistas e no qual Álvaro Cunhal desempenharia um papel de primordial importância, António Dias Lourenço passou à clandestinidade como funcionário do PCP em 1942. A ligação às tipografias clandestinas e ao aparelho central de distribuição da imprensa foi uma das suas primeiras responsabilidades. Retomada a publicação regular do Avante! em Agosto de 1941, havia que consolidar e melhorar o aparelho técnico do Partido e todo o trabalho conspirativo que isso envolvia.
Numa entrevista ao Avante!, concedida em 2001, Dias Lourenço adiantou os traços gerais desta tarefa tão exigente quanto vital: «Tínhamos de criar um aparelho de difusão do Avante!, cada vez mais seguro. Enquanto a orgânica do Partido assentava em organismos colectivos (clandestinos, com elementos que às vezes nem sabiam o nome uns dos outros), a orgânica para a distribuição da imprensa clandestina tinha de ser rigorosamente individual. Tu levas o embrulho para a organização tal, entregas a responsáveis directos que distribuíam a outras pessoas para levar para outros sítios.»
Nestes primeiros anos de vida clandestina, assumiu tarefas no Ribatejo, em Lisboa, na Margem Sul, no Alentejo, no Algarve e em zonas da Beira Interior, onde se travavam lutas em diversos sectores profissionais e das populações contra o racionamento e a carência de géneros. Em tempos em que a bicicleta era o meio de transporte «oficial» dos funcionários do Partido, esta era uma actividade intensa e desgastante: «A gente conhecia Portugal com a geografia das botas», confessou ao Avante! na mesma entrevista.
Depois de, em 1943, no III Congresso do Partido, ter sido eleito para o Comité Central, onde permaneceu durante 53 anos, António Dias Lourenço integra o Comité Dirigente das greves de 8 e 9 de Maio, que se reunia na casa clandestina em que vivia, em Barcarena. Estas lutas, como as travadas nos anos anteriores e as manifestações da vitória, em Maio de 1945, potenciaram o alargamento da unidade antifascista pela qual o PCP há muito se batia: surge o Movimento de Unidade Nacional Antifascista (MUNAF), que agrega todos os partidos e tendências da oposição. Dias Lourenço foi representante do PCP no Conselho Nacional deste movimento.
Na sequência do assassinato pela PVDE/PIDE de Alfredo Dinis (Alex), em 1945, António Dias Lourenço – João, na clandestinidade – passou a assumir a responsabilidade pela região de Lisboa, que mantém até 1948. No ano anterior, teve uma participação activa na grandes greves dos operários da construção naval. A tarefa seguinte foi o Alentejo, onde acompanhou e dirigiu as lutas dos operários agrícolas contra o desemprego e a miséria e pela construção da sua unidade nas praças de jorna. Era aqui que intevinha quando foi preso pela primeira vez, em 1949, ano em que dirigiu o jornal O Camponês.
Voltar à luta, sempre
Retomada a liberdade em 1954, após uma audaciosa fuga da fortaleza de Peniche (ver caixa), António Dias Lourenço retomou imediatamente a sua actividade revolucionária clandestina. Dois anos depois, num momento particularmente difícil para o Partido privado - do seu mais destacado dirigente Álvaro Cunhal (preso desde 1949), e fustigado por sucessivos golpes policiais - foi chamado à Comissão Política. No ano seguinte, na sequência do V Congresso do Partido, passou a integrar também o Secretariado, onde ficou até ser novamente preso, em 1962.
Neste período, em que assumiu entre 1957 e a sua segunda prisão a responsabilidade pelo Avante!, a sua actividade revolucionária está ligada ao ascenso da luta de massas que se faz sentir nos anos 1957/58 e, novamente (após um período de refluxo provocado pela repressão e pelo desvio de direita no Partido), em 1961/62. A sua participação na organização, a partir do exterior, da Fuga de Peniche de Janeiro de 1960 (que devolveu à luta Álvaro Cunhal e outros nove destacados quadros do Partido) e no apoio à saída clandestina do País de Agostinho Neto, para que pudesse dirigir a luta anticolonialista do povo de Angola, foram algumas das importantes tarefas que envolveram António Dias Lourenço.
A sua segunda prisão, realizada pouco depois do grande 1.º de Maio de 1962 e da conquista da jornada de oito horas nos campos, durou até ao 25 de Abril de 1974, quando os portões das masmorras se abriram do lado de fora.

Revolução e contra-revolução
A energia e tenacidade que caracterizaram a acção revolucionária de António Dias Lourenço durante o longo e duro combate contra o fascismo marcaram igualmente a sua vida militante durante e após a Revolução de Abril.
Libertado do Hospital-Prisão de Caxias, na manhã de 26 de Abril de 1974, passou de imediato a integrar o trabalho de direcção do Partido, como membro do Comité Central. Quatro dias depois, estava no aeroporto de Lisboa a receber o Secretário-geral do Partido, Álvaro Cunhal, ao mesmo tempo que participava activamente na Comissão Unitária que preparou o grandioso 1.º de Maio que encheu as ruas do País e confirmou a real influência do PCP e do movimento sindical e popular.
O primeiro Avante! legal, que saiu a 17 de Maio de 1974 e atingiu uma tiragem de meio milhão de exemplares, teve a sua direcção. Durante os 17 anos em que foi director do órgão central do Partido, Dias Lourenço foi um destacado obreiro do Avante! legal (para o qual escreveu centenas de artigos e editoriais), instrumento essencial para a luta dos comunistas pelo aprofundamento da Revolução e em defesa das suas mais avançadas conquistas. Nesta qualidade, manteve numerosos contactos com outros jornais comunistas, aos quais concedeu entrevistas e depoimentos sobre a Revolução portuguesa, a sua natureza e objectivos. Logo em Outubro de 1974, representou o Avante! na Conferência da Imprensa Comunista, promovida em Praga pela Revista Internacional.
A sua intervenção no 11 de Março de 1975, junto ao Ralis sob fogo, é bem demonstrativa do carácter e da coragem de António Dias Lourenço.
Após o VIII Congresso do PCP, realizado em 1976, passou a integrar a Comissão Política do Comité Central, na qual permaneceu até 1988. Em sucessivos actos eleitorais realizados entre 1976 e 1985 (Assembleia Constituinte e Assembleia da República) seria eleito deputado pelos círculos de Coimbra e Santarém, marcando, com muitos outros camaradas, uma intervenção institucional profundamente ligada aos problemas e às lutas dos trabalhadores e das populações, que passaria a caracterizar a acção dos deputados do PCP. Até hoje.
Até ao fim dos seus dias, manteve uma participação regular na actividade do Partido e uma presença próxima junto dos militantes comunistas, particularmente dos mais jovens. Em 2005, por ocasião dos seus 90 anos, deu uma entrevista ao Avante! na qual se considerava feliz, sobretudo por ver «toda essa gente nova que vem ao Partido, para pegar na bandeira e andar para a frente».

As prisões, as torturas, a morte do filho
«A mim não me hão-de ver a cara torturada»
A prisão e a tortura eram uma possibilidade real na vida dos funcionários clandestinos do Partido, todos o sabiam. O confronto com a polícia, desigual, era uma «prova de fogo» dos revolucionários. António Dias Lourenço, como muitos outros, passou-a com distinção: espancamentos prolongados, tortura do sono, pressão psicológica com os filhos, tudo lhe fizeram. Mas nada o fez ceder! Não falou. Nunca traiu. Em tribunal, acusou o fascismo e defendeu o projecto do Partido, a sua luta e os seus objectivos.
A morte do seu filho António, ainda criança, foi a maior das mágoas da sua vida. O facto de estar preso e de não lhe permitirem comparecer no funeral foi uma forma particularmente vil de procurar quebrar a sua firmeza. Uma vez mais, falharam. A prisão da sua filha Ivone foi igualmente causa de sofrimento. Mas também de orgulho, pela mulher e pela comunista que se tornara.
A forma como encarou as violências, as arbitrariedades e a dor, física e psicológica, resumiu-a na entrevista que deu ao Avante! em 2005: «Eu já sabia que eles gostavam de ver a cara dos presos sob a tortura. E resolvi construir para a minha cara um ligeiro sorriso constante. (…) A mim não me hão-de ver a cara torturada.»
Fuga audaciosa
Ao longo dos 17 anos em que esteve preso (em dois períodos), António Dias Lourenço pensou sempre em evadir-se, para continuar em liberdade a urgente luta contra o fascismo. Em Dezembro de 1954, quando se encontrava encarcerado há já cinco anos, protagonizou uma das mais audaciosas fugas da história da resistência antifascista portuguesa, ao lançar-se para o mar de Peniche após escapar do «Segredo».
Para esta fuga, Dias Lourenço mobilizou toda a sua coragem e criatividade: conseguiu introduzir no «Segredo» uma faca de sapateiro, contornando a constante vigilância; rasgou, pouco a pouco, o postigo na porta da cela; cortou cobertores às tiras para fazer uma corda; e atirou-se ao mar. Os imprevistos que surgiram, que podiam ter sido fatais, foram superados: a corda era curta demais, pelo que teve de se lançar ao mar de uma altura muito maior do que a que tinha imaginado; a maré, ao contrário do que julgava, estava a vazar, arrastando-o no sentido oposto à praia. Quando chegou a terra, hora e meia depois, estava exausto e próximo da hipotermia. Os trabalhadores de uma carrinha de peixe a quem pediu auxílio, arriscando dizer quem era, garantiram o êxito da fuga.
Na segunda prisão, de 12 anos, António Dias Lourenço arquitectou diversos planos de fuga. Aliás, disse uma vez, com humor, o 25 de Abril «lixou-me a fuga»: para escapar do Hospital-Prisão de Caxias pretendia disfarçar-se de mulher e sair pela porta da frente no final do horário das visitas. Já tinha em seu poder, aliás, duas perucas (uma loira e uma morena), que o actor Rogério Paulo conseguira fazer entrar na cadeia.
Era assim António Dias Lourenço…