19/04/2015

9.952.(19ab2015.12.12') Neste dia...19abril...vou rELEVAR: UM+34.avÔ, Charles Darwin, Octávio Paz, Pierre Curie e a poesia de Joaquim Pessoa

***
2017
UM+34.avÔ
O que vimos
O que descobrimos
 O que há para ver
O que há para descobRIR
O que há para senTIR
*
 enaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa tantaaaaaaaaaaa SIMpatiaaaaaaaaaaa...Vou tentar responder a tds 1 a 1...gRRacias...aquel' abRReijinhoooooooooooooooo de gratidão para as facebookianas e aquel' abRRaaaaaaAÇÃO para eles...
***
2016
34.avô
7.33.7"
neste instante
parei
observando o verde
                          da hortelã
rodeando o vermelho
                                dos cravinhos
rePAREI
            nas andorinhas
                                a dançarem em frente à minha janela.varanda
e tb pensei que urge coloRIR
                          o cinzento do céu
                                              deste dia
***
2016...memórias deste dia:
s.MARtinho by Fernanda Matias

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1587634361564941&set=gm.10154219189843969&type=3&theater
***
Dia Mundial da Bicicleta
***
 1824
morreu Lord Byron: "A amizade é o amor sem asas."
"Quem ama mente."
"Todo aquele que conseguir a alegria deve partilhá-la."
 http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/01/944322jan2015722-lord-byron.html
***
1882
morreu Charles Darwin
 1 vivaaaaaaaaa à sua obra...que bela exposição esteve em Oeiras...No extraordinário Parque dos Poetas..."O HOMEM QUE OUSA DESPERDIÇAR UMA HORA
NÃO DESCOBRIU O VALOR DA VIDA."
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/04/hj-e-dia-de-charles-darwindai-que-aqui.html
***
1896
Manuel Bandeira: "Eu gosto de delicadeza. Seja nos gestos, nas palavras, nas acções, no jeito de olhar, no dia-a-dia e até no que não é dito com palavras, mas fica no ar..."
"ARTE DE AMAR
Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus - ou fora do mundo.

As almas são incomunicáveis.
Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos se entendem, mas as almas não."
 http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/04/789524abril2014717-manuel-bandeira.html
***
1906
morreu Pierre Curie
 1 vivaaaaaa à sua obra: "Foi muito interessante e, realmente os fenómenos que vimos pareciam inexplicáveis como truques, mesas com quatro pernas suspensas, movimentos de objectos até a certa distância, mãos que beliscam ou acariciam a pessoa, aparições luminosas. Tudo num local preparado por nós, com um pequeno número de espectadores, todos conhecidos nossos e sem qualquer possível cúmplice. O único truque possível é o que poderia resultar da extraordinária facilidade da médium como mágica. Mas, como explicar o fenómeno quando se está segurando as mãos e os pés dela e quando a luz é suficiente para se ver tudo que acontece?"
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/05/800512maio2014717-marie-curie.html
***
19??
Ana Margarida de Carvalho

“Só sabemos dos outros o que compreendemos de nós próprios”

http://uniralcobaca.blogspot.pt/2017/03/ana-margarida-de-carvalho.html
***
1998
morreu Octávio Paz
 1 vivaaaaaaaaaaa à sua obra: "O Dia
De que céu caído,
oh insólito,
imóvel solitário na onda do tempo?
És a duração,
o tempo que amadurece
num instante enorme, diáfano:
flecha no ar,
branco embelezado
e espaço já sem memória de flecha.
Dia feito de tempo e de vazio:
desabitas-me, apagas
meu nome e o que sou,
enchendo-me de ti: luz, nada.
E flutuo, já sem mim, pura existência."

 http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/04/786819abril20142h-da-tarde-hj-e-dia-de.html
***
e a poesia de Joaquim Pessoa:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=795463897175235&set=a.437080193013609.99115.100001348957610&type=1&theater
Dia 98.
Tudo dura o tempo que pode durar. E nada neste mundo se deve apenas aos sentidos. A vida interpreta-se como um texto, estar vivo é estar a caminho de alguma coisa, de algum tempo, de algum lugar. Que coisa, que tempo, que lugar? Em cada coração que bate, bate um outro coração, mas cada estrada que se abre divide ainda mais a floresta. Saber morrer é fazer da vida uma planície de onde possas observar a montanha, e onde possas confirmar que cada primavera é um tesouro tão precioso que, mesmo que o percas, voltarás a encontrá-lo. Depois, quando um dia subires a montanha, quando já não puderes chegar mais alto, não terás coragem para descer porque aquilo que te falta encontrar não estará aos teus pés. Nesse instante, saberás que não há eternidade nas coisas que podemos tocar.
in ANO COMUM, Litexa Editora

_____
imagem da web

*
O PAÍS DO AMOR (excertos)
*
O país do amor não tem horizontes, nem sequer tem horas, o país
do amor não possui caminhos. Está-se lá apenas.
Onde estou, espero por ti e amo-te. Olho para ti e o meu olhar bei-
ja-te. Canto, e é a ti que canto.
E isso diz-me que, provavelmente, já te amo desde o tempo em
que as estrelas ainda não repetiam o teu nome.
*
in
O POETA ENAMORADO (Os Poemas de Amor)
Prefácio de Guilherme Antunes. A editar em breve poor
Editora Edições Esgotadas.
*
Katia Guerreiro canta esta especial poesia do JOAQUIM PESSOA

Talvez não saibas
Mas dormes nos meus dedos
De onde fazem ninhos as andorinhas
E crescem frutos ruivos e há segredos
Das mais pequenas coisas que são minhas
Talvez tu não conheças, mas existe
Um bosque de folhagem permanente
Aonde não te encontro e fico triste
Mas só de te buscar fico contente
Ao meu amor quem sabe se tu sabes
Sequer, se em ti existe, ou só demora
Ou são como as palavras essas aves
Que cantam o teu nome e a toda a hora
Sequer, se em ti existe, ou só demora
Ou são como as palavras essas aves
Que cantam o teu nome e a toda a hora
Talvez não saibas, mas digo que te amo
E construir o mar em nossa casa
Que é por ti que pergunto e por ti chamo
Se a noite estende em mim a sua asa
Talvez não compreendas, mas o vento
Anda a espalhar em ti os meus recados
E que há por do sol no pensamento
Quando os dias são azuis e perfumados
Oh meu amor quem sabe se tu sabes
Sequer, se em ti existe, ou só demora
Ou são como as palavras essas aves
Que cantam o teu nome e a toda a hora...
 https://www.youtube.com/watch?v=h1GORzSi6Kc