06/10/2016

6.599.(6ouTUbro2016.8.8') Corbusier

Nasceu a 6ouTUbro 1887, em La Chaux-de-Fonds, Suiça
e morreu a 27aGOSTO1965
Charles-Édouard Jeanneret
***
1 senão gravíssimo: colaborou com o governo de Vichy.nazi
***
http://www.archdaily.com.br/br/01-74477/14-fatos-que-voce-nao-sabia-sobre-le-corbusier

14 Fatos que Você Não Sabia Sobre Le Corbusier, © Willy Rizzo
© Willy Rizzo

Le Corbusier (6 de Outubro de 1887 – 27 de Agosto de 1965) será eternamente conhecido como um ícone do Modernismo, mas você sabia que o homem que mudou a história da arquitetura levou sua vida pessoal de forma muito peculiar?
Em homenagem ao que seria seu 125º aniversário, reserve um tempo para ver alguns de seus clássicos (talvez o Convento de La Tourette, a Capela de RonchampCasa CurutchetSecretariado de Chadingarh, Villa Savoye, Unité d’Habitation ou Villa Roche) e leia mais sobre o homem por trás do mito – Charles-Édouard Jeanneret.
Acompanhe a seguir fatos curiosos de Le Corbusier (inclusive o que Salvador Dalí disse sobre ele).

© Sureh Sharma

O que você não sabia sobre Le Corbusier:
  • Após encontrar Josephine Baker em um transatlântico da Europa em direção à América do Sul, Le Corbusier fez desenhos do corpo nu da famosa atriz.
  • Enquanto Le Corbusier estava casado com a modelo chamada Yvonne Gallis, ele manteve um longo relacionamento com a herdeira sueco-americana Marguerite Tjader Harris.

© Guzman Lozano
Le Corbusier e o Planejamento Urbano:
  • Le Corbusier desenhou a primeira cidade planejada da Índia – Chandigarh. A disposição foi baseada nas plantas que ele concebeu em seu livro La Villa Radieuse, que por sua vez eram uma atualização das ideias para a Ville Contemporaine.
  • As teorias de Le Corbusier como planejador urbano foram muito contestadas, talvez não mais do que por Jane Jacobs: “A utopia de Le Corbusier foi uma condição que ele chamou de liberdade máxima, porém parece que não significava muita autonomia, mas liberdade de uma responsabilidade comum.

© Wojtek Gurak
Le Corbusier e a Política:
  • A famosa frase de Le Corbusier “Arquitetura ou Revolução” surgiu de sua crença de que uma arquitetura industrializada e eficiente era a única maneira de evitar uma revolução das classes. Seus argumentos embasaram seu livro “Por uma Arquitetura” e culminaram em sua famosa obra, a Villa Savoye.
  • Em 1934, o arquiteto foi convidado por Benito Mussolini para uma palestra em Roma.
  • No começo da década de 1940, Le Corbusier recebeu a posição de planejador urbano pelo governo Vichy para supervisionar os projetos de várias cidades, inclusive Algiers. Quando suas plantas foram rejeitadas, Le Corbusier se retirou de sua vida política.

© Flavio Bragaia
Le Corbusier e a Arte e o Design:
  • Le Corbusier adotou seu pseudônimo (uma derivação do sobrenome de sua avó) após publicar um manifesto, co-escrito com a artista Amédée Ozenfant, chamado “Après le Cubisme.” Apesar de trabalhar como pintor cubista na época, ele sentiu que o Cubismo havia se desenvolvido de forma muito romântica. Assim, seu manifesto foi sua ode a um novo movimento artístico: Purismo.
  • Apesar de Salvador Dalí, em determinado momento, ter sido considerado um “amigo” de Le Corbusier, ele foi citado chamando os edifícios do arquiteto de “os edifícios mais feios e inaceitáveis no mundo” e disse que a morte de Le Corbusier o “preencheu de uma imensa alegria. [...] Le Corbusier era uma criatura lamentável que trabalhava com concreto armado.” Porém, o desdém de Dalí não o impediu de colocar flores no túmulo do arquiteto, como, em suas próprias palavras: “por um lado eu o desteto, mas por outro lado eu sou um covarde absoluto.
  • Le Corbusier colaborou com a arquiteta Charlotte Perriand e seu primo Pierre Jeanneret no projeto de móveis modernistas icônicos. “Cadeiras são arquitetura, sofás são burgueses”, disse uma vez o arquiteto.

©Samuel Ludwig
Le Corbusier e suas inspirações:
  • Le Corbusier foi reconhecido com a imagem da “Mão Aberta”, construindo diversas esculturas durante toda sua carreira. Ele a chamava de um “sinal de paz e de reconciliação [...] destinado a receber as riquezas criadas e distribui-las para as pessoas do mundo. Esse deve ser o símbolo de nossa época.”
  • A filosofia de projeto de Le Corbusier foi fortemente inspirada em conceitos matemáticos usados por Leonardo da Vinci, como a proporção áurea e a série de Fibonacci, a qual ele usou como base para suas proporções arquitetônicas.

© Cara Hyde-Basso

Em 27 de Agosto de 1965, Le Corbusier decidiu fazer um mergulho, contra as ordens de seu médico, no Mar Mediterrâneo, na costa de sua amada casa no sul da França. Seu corpo foi encontrado por banhistas.
A arquitetura é o jogo magistral, correto e magnífico das massas reunidas na luz.
Le Corbusier, Por uma Arquitetura, 1923.
***

No mundo de Le Corbusier, o arquiteto estrela


http://expresso.sapo.pt/sociedade/2015-08-29-No-mundo-de-Le-Corbusier-o-arquiteto-estrela-
Le Corbusier inventou uma nova gramática para a arquitetura moderna, marcou gerações de arquitetos e foi considerado uma das figuras do século XX. Morreu afogado no Mediterrâneo, em Roquebrune-Cap-Martin, faz esta semana cinquenta anos. Quatro arquitetos portugueses prestam-lhe homenagem em testemunhos exclusivos que aqui publicamos
Na manhã do dia 27 de agosto de 1965 Charles-Édouard Jeanneret - o arquiteto que nasceu na Suíça, em 1887, viveu parte da sua vida em França e escolheu chamar-se Le Corbusier - desceu até à enseada em frente ao Cabanon, a cabana, onde passava os meses de verão, de Roquebrune-Cap-Martin, o seu refúgio de verão no Sul de França, e entrou na água. Tinha 77 anos, sofria de insuficiência cardíaca, fora proibido pelo seu médico de mergulhar, ele que adorava nadar. O apelo de Mediterrâneo, onde décadas antes numa viagem de juventude tinha absorvido fascinado a cultura clássica e por isso se fizera arquiteto , foi mais forte do que ele.
O corpo foi encontrado horas mais tarde por banhistas. Roquebrune-Cap-Martin, a vila dos Alpes Marítimos perto do Mónaco, onde se encontram os túmulos de Le Corbusier e de Yvonne Gallis, a mulher, rapidamente se tornou num lugar de peregrinação dos seus seguidores do mundo inteiro.
O polémico Le Corbusier - que afirmou que “uma casa é uma máquina de habitar”, glorificou o betão e decretou "morte à rua" - amado, odiado, venerado, polémico e global, tornou-se numa das figuras incontornáveis do século XX. Escreveu manifestos, publicou livros, criou doutrina, projetou, desenhou peças de mobiliário, construiu casas, fez planos de cidades e deixou uma obra imensa e milhares de seguidores.
Portugal, não escapou ao efeito Le Corbusier. Nos testemunhos que se seguem quatro arquitetos consagrados e de gerações diferentes - Álvaro Siza Vieira, Nuno Porta e João Luís Carrilho da Graça - refletem sobre a marca do mestre e explicam algumas das suas peças iconográficas.
***
Via Amélia Vieira:
"Nasceu hoje, 6 de Outubro, Le Courbusier, o senhor que mudou a face urbana do mundo moderno: ainda há quem o odeie.... outros o adoram! Sem dúvida uma pessoa ímpar. O arquitecto do futuro. Ele, talvez o -Arquitecto do Mundo-. Cabalistas, vejam se não é ele o tal."

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=513970745477173&set=a.271616623045921.1073742131.100005927551960&type=3&theater