30/09/2014

8.811.(30set2014.7.7') Susana Venenno

Nasceu a 30set1971
***

RESPIGUEI da sua página do facebook
2010
"Sou uma mulher de emoções fortes e intensas, não de emoções assim-assim. No bem e no mal... o que por vezes é uma bênção, noutras um tormento."
"Se me fosse embora hoje,é bem possível que fosse satisfeita.Amei e desamei tantas vezes,ri e chorei outras tantas.Apaixonei-me pelas más noites tanto qto pelos bons dias.Já fui gorda,já fui magra,já fui assim-assim.Já tomei decisões certas e outras decididamente erradas.Já arrisquei a minha vida e c/isso aprendi a valorizá-la ainda mais.Já vi o mundo acabar algumas vezes,mas no dia seguinte estava tudo bem..tudo bem!"
***
COLECCIONEI ALGUNS DOS SEUS TEXTOS:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10205018251952420&set=a.1799392581020.2103965.1125942845&type=1&theater
FAZER CONTAS À VIDA

Como foi que o tempo passou e quando foi que decidiu parar?
Lembras-te do passar das horas? Para mim é noite há tantos dias!

Faço contas de cabeça e já nem consigo somar-te.
A facilidade em subtrair-me com afinco até ser zero. A dor de não conseguir multiplicar os afectos nos meus gestos. A impossibilidade de dividirmos o amor como quem o sente para sempre.

Ajuda-me, por favor. Ajuda-me nestes cálculos porque acabei de me perder na certeza da dúvida e da surpresa.

Quem fui eu contigo? Talvez um princípio.
Quem sou eu sem ti?! Definitivamente um fim.

**

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10204470148290171&set=t.1576428905&type=1&theater
PRIVATE DANCER

Pegou no telemóvel e inventou à pressa uma mensagem para a mulher, que o desculparia da sua ausência no jantar de família. Desligou o aparelho de imediato.

Entrou naquele lugar de prazeres à la carte, com vermelho-sangue-de-boi nas paredes e dourado-platinado nos cartões. Parou à entrada, olhou em redor o ambiente pungente e há muito familiar. Mulheres exageradamente maquilhadas e aparentemente sofisticadas. Homens ricos e vazios, de hálito tão velho como os whiskies que bebiam. Silhuetas de casais na penumbra das luzes, abraçados em corpos com pouca alma. Tudo desenhado a nuvens de nicotina e todos perdidos até às cinzas.

Estendeu o olhar desinteressado e interesseiro sobre o mundo que observava. Em acenos subtis cumprimentou rostos conhecidos e fez vénias a estranhos que o saudavam em cumplicidade. Ali cultivava distâncias, sem perder o gozo da veneração e do mentiroso apreço dos outros.

- Boa noite, sôtor. A mesa do costume? - perguntou ligeiramente inclinado o garçon, tão velho quanto a peça mais antiga daquele salão do século passado.

O homem hesitou.

- Não consigo escolher outra. - apontou o local onde estava sentada a ideia da mais apetecível mulher. - E traga dois flutes de champanhe, por favor.

Parou por momentos ao pé da mesa e olhou-a com desejo. Ela soltou uma gargalhada sujeitando o pescoço para trás e a mão com a cigarrilha ao alto.

- Saudades, doutor…?

- Muitíssimas.

- E vai sentar-se ou deixo-o hirto? – perguntou com o ar seguro de mulher que não deve nem teme, só recebe.

Sentou-se vagarosamente como homem embaraçado que teme dever, sem nunca dar.

- Quanto mais a vejo, menos compreendo o que é que uma rapariga como você faz num sítio como este... Não compreendo!

- Eu quase que poderia não entender o mesmo sobre si. Faça um esforço e... analise-nos. – provocou ela.

- Na cama eu percebo-nos melhor. - ensaiou um sorriso sem vontade, depois de um gole de champanhe lhe ter revelado exageradamente a maçã-de-adão.

- Na cama não pensamos, pois não?

Sem responder ele continuou:
- Só entendo a sua presença aqui como um capricho.

Ao que ela retorquiu:
- E no seu caso, também é o capricho quem o traz aqui?

Ele levantou-se subitamente, estendeu-lhe a mão e quase ordenou:
- Vamos dançar!

Private Dancer soou na voz de Tina Turner.

- Vamos.

Indolentes seguiram para a solitária pista de dança.

Ele pegou-lhe numa mão e envolveu-lhe um braço na cintura estreita, deixando que os seus dedos lhe deslizassem pela pele nua, do vestido de costas em V.

Ela pousou uma mão no ombro dele e aconchegou o rosto, de olhos fechados, junto à epiderme perfumada do seu pescoço. Agradou-lhe o cheiro. Havia perfumes que, por vezes, a transportavam a doces realidades desvanecidas no tempo... raríssimas vezes, como agora.

Ao ouvido dela, ele sussurrou:
- Fique comigo esta noite.

- Claro que fico. Duzentos e cinquenta euros. – ela sorriu e parou os passos dando-lhe o abraço que ele, carente aceitou. E foi exactamente nessa posição envolvente que se balancearam e partilharam a solidão das perguntas que jamais terão resposta.

Acabada a dança, o homem delicadamente deixou escorregar pelo decote dela um papel com o nome de um hotel, junto com uma nota de cor roxa que ela nunca tinha visto antes e que ia muito além do que lhe tivera pedido.

- Espero-a lá dentro de uma hora. – acabada a música, largou-a e retirou-se sem mais palavras.

***

Enquanto aguardava na suite presidencial, do Lapa Palace Hotel, escolhida a pensar naquele vulcão de mulher que não tardaria a chegar, destrangulou-se da gravata Cartier e sentou-se confortavelmente no sofá caxemira, apoiado no chão ardósia da varanda virada para o Tejo.

Mergulhou a ponta do charuto no copo de whisky e respirou fundo antes do prazer da primeira inalação e dos últimos pensamentos.

Vinte minutos depois, soou da porta do quarto o som do toque tímido de dois dos dez nós de dedos, que lhe iriam acariciar a pele e o ego. Ao abrir a porta, toda a sua expressão se arregalou:
- Querida, não lhe tinha dito antes, mas hoje está mais deslumbrante do que nunca!

Ela sorriu-lhe sem palavras, entrando por aquele palacete adentro, até ficar imóvel no centro da sala ricamente decorada ao estilo de D. João V e D. Maria I.

Olhou em volta premeditadamente com vagar e fingiu-se surpreendida:

- Uau! Desta vez excedeu-se! Belo presente para comemorarmos a nossa… hmm, sei lá!… décima? – soltou uma gargalhada e dando com sublime elegância meia-volta ao corpo, aproximou-se dele que ainda segurava o puxador da porta, fixado de boca aberta de sede daquele visual digno de deusa bronzeada, a condizer com sapato alto e pochete dourada, tapada por um justo e decotado vestido branco que delineava cada curva de si mesma.

- O menino esta noite vai querer brincar de quê? – flirtou a deusa.

- Que tal brincarmos de toca-e-foge?

- E desde quando depois de me tocar consegue fugir? - indagou ela mantendo o sorriso provocador.

- A menina é terrível!

Olharam-se com desejo enquanto encostavam as bocas e abraçavam as línguas. De imediato ficaram nus, suados e absolutamente entrelaçados pelo ruído intermitente dos gemidos até ao arrastado “ah!” final.

Pelo chão, em redor da cama, apenas algumas roupas se abraçavam despojadas de corpos e de tudo. Por fim como era habitual, sem qualquer afecto, adormeceram cada um para o seu lado e de costas viradas para si mesmos… ela com uma gorda nota na carteira, ele com um magro pesar na consciência.

© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto

Ilustração gentil e especialmente desenhada para este texto, por Luis Moreira

*

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10201628871100017&set=t.1125942845&type=3&theater
M18

ENSAIO SOBRE A VOLÚPIA

Dizem que um homem não chora e não sabem o que dizem. Sou todo homem e às vezes choro… como agora. O odor que trazes no teu sossego emociona-me.

Aqui estou eu, há cinco horas, a deixar que os meus cinco dedos afaguem os teus cabelos, com as costas do meu indicador a delinear cada traço do teu rosto e as minhas mãos a deslizarem pelas curvas do teu corpo. Entraste num sono profundo em cinco minutos.

Gostas destas carícias ao deitar. Adormeces sempre a sorrir, sabias? E não perdes esse sorriso de menina-mulher enquanto o meu toque não desiste de ti. Dá dó, quando o meu braço é vencido pelo cansaço e a tua expressão muda com insatisfação.

Nada me dá mais prazer do que sentir o teu.

Mexeste-te. Deves ter arrefecido com uma destas minhas lágrimas mais teimosas. Desculpa. Shhh… Isso, volta-te para o lado de lá onde encontras essa paz.

Nunca adivinhei que existissem peles assim, tão suaves como a tua, daí que me seja irresistível perder nela. Será que sabes que não são assim tão raras as noites em que me perco, em ti, desde o seu início até ao teu fim?

Tens a alma cheia de corpo.

Quando dormes, ganhas um encanto doutra dimensão. Serás um anjo? Se não és devias, porque é por isso que faço tanto gosto em zelar pelo teu sono horas a fio, como se todos os relógios parassem e só os ponteiros tocassem aqui, na tua tez rara. Tiquetaque. Tiquetaque.

A luz de um novo dia está a querer acender-se por uma fresta da nossa janela. O Sol vai nascer. Não tarda o despertador da cabeceira vai clamar por mim. Para que não te alarmes preparo a mão como casca de pêssego para amaciar-te o acordar e encaminho-a para o interior das tuas coxas que lentamente vão abrir-se, para a receber... faço com que a palma regresse a outro céu qualquer mas as tuas pernas prendem-na, como que a suplicarem que não as deixe.

(Eu nunca te deixei.)

Devagar, sais da tua quietude.

Pareces não te importar com o desassossego da minha boca na tua. Com olhos de quem sonha, dás fulgor a uma língua que se enrola acordada na minha, esta que muito em breve vai descobrir o éden quando repousar no leito de uma vulva aveludada de ilusão.

É hora dos começos e fins dos meus dedos, delicada e intimamente, transporem o teu corpo quente e expressarem-lhe ternura com ligeireza. Tiquetaque. Tiquetaque.

A tua carne salga – bendita! Rumo ao sul dos teus lábios estendidos que me chamam num latejar aflito e que se abrem à chegada do meu paladar. Sabem a doce preia-mar. Ainda há pouco larguei uns seios hirtos de amor e já lhes sinto saudades mas despeço-me deles e desço a esse teu outro céu, para lânguido o beijar sem a pressa que já exiges.

- Vem! Faz amor com o corpo da minha alma! Faz-me tua!

(Eu faço. Sempre fiz.)

Gemes e súplicas, mas não precisas. Estou aqui há mil anos, dentro de ti.

O despertador decide falar mais alto, conforme prometeu quando o programei para a hora da realidade. Abruptamente com a mão, dou-lhe um safanão e ele morre no teu chão. Ele e eu.
Trimm!
(Não!)
Sim.


Agora és tu quem me acorda, minha amada. És tu quem insiste e decide existir (tão sozinha de mim) apenas na minha imaginação, no meu corpo abandonado e neste sonho sem fim.

Tiquetaque. Tiquetaque.

© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto

*

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200338031389831&set=t.1125942845&type=3&theater
INTERLÚDIO

Um de nós adormeceu. Não sei se tu, se eu. Será a nossa realidade ou nós sem ela? Estarás no meu sonho, ou eu no teu?
Estamos no duche. A água escorre do chuveiro sem violência e o que ferve é este amor que não deixas morrer, mesmo quando estás exausto, mesmo quando te dás por vencido numa insuportável felicidade.
Que farei eu aqui? Deverei lavar-te a alma com a pureza com que lavas a minha? Ou é o teu corpo que toca o meu como quem toca a primeira e quinta sinfonia? 
Tu sorris-me. Estás sempre a sorrir-me, mesmo quando me choras. Essas gotas de água que te correm no peito agora… são lágrimas, amor? 
Queres que me sente na banheira, de costas para ti e decides entornar sem piedade um rio de champô sobre os cabelos que propões acariciar, agora todos brancos... de espuma. No ar bolhas de sabão bailam, ora sozinhas ora acompanhadas, como se num concurso. Ganha a que rebentar. Aplaudimos. Todas saem vencedoras porque todas rebentam. E rimos. Rimos muito. Rimos sempre tanto. 
Lá fora ouvem-se as gaivotas. Aqui, nos dois, constrói-se um ninho. Que momento bem escolhido. 
Sentados na banheira, contigo encostado nela, pedes que me deite em ti. Enrolas-me com uns braços que me apertam e seguram numa verdade que não me abandona. Como uma promessa que se cumpre. E eu acredito, é por isso que me deixo apertar de olhos fechados, na certeza que há horas que não são feitas para os abrir.

De repente tu e a urgência: “Quero-te para sempre e sem prazo até que a morte nos una de novo... Amo-te e não sei desistir de te amar. Casas comigo, se a vida deixar?” 
De repente eu e a fé: “Sim!” - arrasto o tom até perder o fôlego. 
De repente nós sem o outro: “E se a vida não deixar?” Ouve-se a dor do grito de uma gaivota contra a vertigem de uma clarabóia.

A vida quando nos grita, aleija e quando se cala também. Decidimos não ouvi-la eternamente… como se eternamente não fosse para sempre. Indolentes, regressamos um ao outro. Chapinhamos, sem nunca nos afogarmos, no entusiasmo das perguntas sem resposta que nos fazem felicíssimos. Enchemos os pulmões de ar e largamos em uníssono: “SIM! SIM!”. 
E durante um dia, uma semana, um mês, um século beijas-me a boca, beijas sabão, beijas água pura. Deixamos os beijos salivarem pelos corpos e a pele pela pele, porque sabemos que o tempo é isto. O tempo somos nós, nele. 
Um de nós adormeceu. Não sei se tu, se eu.


© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto

***
VIA
http://www.truca.pt/mulher_literal.html
18 - Homens da Minha Vida
 

 
Homens da minha querida vida
Que são ou foram minha alegria,

Homens das minhas inquietações
Que me banham de recordações:

A vós confesso meu desalento
De não conseguir ser o que penso.

Neste meu mar imenso e profundo
Navego sem me encontrar no mundo.

Aos que me fazem sonhar
Eu agradeço este voar,

Aos que me fazem crer
Eu louvo este saber.

Quero ser um universo sem castigo
Mas não há dias livres perigo

Onde tudo o que encontro é o nada
Nesta infinita e dura caminhada

Onde me aguarda tanto vazio
Num emaranhado sem ponta de fio.

Perdoem-me não ouvir conselhos
Dos mais novos ou dos mais velhos

Mas quem não vê o que eu vejo
Não pode sentir o que desejo.

Ser feliz é minha única intenção
Impossível nesta insatisfação

De querer o que não tenho por viver
Ao mergulhar no que me faz sofrer.

Tanta intensidade em mim desespera
Nesta constante e dolorosa espera

De ir para onde não vou
Porque tudo de mim voou

Preciso despedir-me e fugir
Para encontrar-me neste rugir

Que me consome dia após dia
Por hoje gritar o que não dizia,

Nesta agressiva e lenta razão
A que me entrego com emoção.

Hei-de ser quem realmente sou ,
Sentir-me em paz porque tudo findou

Deixando nos vossos rostos o ar do meu vento
Que vos soprará a brisa final deste tormento.
Rasguem-me os sonhos que tenho por sonhar,
Violem-me até a alma que não pára de chorar!

Mas ninguém se atreva a arrancar
Esta vontade que tenho de Amar!
29.05.2010
Susana Venenno
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto


17 - Redes Sociais 
Virou moda debater-se redes sociais nas próprias redes virtuais com os seus calcanhares de Aquiles, de jornalistas, de políticos, de artistas e de gente comum… como eu (?).
Dizer bem desta teia é que parece não ser muito in. Já não vende, já não cativa, já não aproxima. Nada como uma apurada polémica quando já ninguém acredita em finais felizes, quanto mais em princípios! Adiante…
Há muito que fui desafiada para escrever sobre estas relações, e ralações, virtuais por onde deixo que os meus dedos, as minhas emoções e o meu tempo se movimentem há quase uma década. (Numa página não me vai ser fácil, nem sequer resumir!)
O que por aqui me mantém não é a máquina, são as pessoas e o que têm para me ensinar, ou melhor aquilo que me permito aprender com elas tentando não desperdiçar a minha inteligência ou a minha ética, por estes caminhos cada vez mais navegados.
Vou experimentar ser coerente (sem o ser) e materializar de forma pouco concreta e muito sucinta sobre o que nos faz ir e vir, e vir e ir.
É uma janela aberta à informação e comunicação. Aqui não há discussão possível. O que cada um faz daquilo que recebe da “virtualidade” é que pode trazer gigantes benefícios ou todos os seus avessos, se mal usados. (O que fazemos da “realidade” será muito diferente? Cá fico com as minhas preciosas dúvidas.) Mas as redes sociais vão em vantagem na velocidade com que as coisa  acontecem. Ama-se à pressa. Apedreja-se devagar. E confunde-se intimidade com à vontade.
Por vezes, as redes sociais aparente e secretamente fechadas na caixa de Pandora. Os malefícios envolvem-se com laços. O papel de embrulho está à vista nas passerelles dos egos e dos "alteres". E nesta feira vendem-se vaidades a custo zero pelo que há sempre quem as compre! É a inveja disfarçada de incómodo. Todos querem ser especiais. E quando há quem tenha valor e seja valorizado, é a guerra aberta ao ouro do outro eu. Todos querem estar no teu lugar, ler o que tu lês, sorrir o que sorris, ouvir o que tu ouves, escrever o que tu escreves, sentir o que tu sentes simplesmente pelo que és, sem que o consigam ser. Enquanto se observa, pensam e moldam-se, porque o que causa intrinsecamente desconforto é haver quem seja o que se tornou, pela incapacidade de conquistar o prazer do que gostaria ser.
Podemos usar a net para proveitos profissionais, ou mesmo para fins pessoais. A nós, que lhe temos acesso, foi-nos dada a liberdade de usufruto quando queremos, com quem queremos, da forma como queremos e até onde queremos. Cada um per si e que se cuide! Esqueçam o "todos por um” ou o “um por todos" (talvez se abram excepções no Farmeville do Facebook, onde se oferecem de mão beijada pregos, tijolos e tábuas para a tua quinta, ou sexta, mansão). Eu cá ando precavida porque sei que o big brother, anda à espreita… malandro!
Foge-se bem à solidão e nunca se está dolorosamente só (nem no bem, nem no mal). Há sempre quem nos vigie, nos ame e nos castigue.
Nas redes sociais já encontrei amigos com quem julgava nunca mais me vir a cruzar. Já fiz novos. Já me desfiz de velhos. Já perdi uns. Já dei lugar a outros. Já me apaixonei. Já me feri. Já me ri até me engasgar. Já chorei depois de me desligar. Já partilhei. Já recebi. Já me interagi com gente nova e gente muito madura, gente podre, gente rica e gente séria. Já dividi, subtrai e multipliquei-me em amizades com muito, pouco ou nenhum valor. Já dei as boas-vindas com um sorriso e as despedidas em pranto. Já me entreguei mais na escrita interactiva do que numa mesa redonda de gente bonita. Já me escondi e observei. Já me esqueci e revelei-me. Em situações limite, já me vali do deus do Control+Alt+Delete.
Já tudo. Já muito. Já pouco. Já nada.
Susana Venenno
21.03.2010
 © Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto

16 - Eu não sirvo de exemplo para nada!





Eu não sirvo de exemplo para nada mas, se querem saber porquê ou porque não, ofereço-me como teste piloto.
Sou a Miss Imperfeita, muito prazer.
Uma imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, filha, irmã, amiga, mãe e mulher que sou, trabalho todos os dias, ganho o meu dinheirinho, vou ao supermercado durante a semana, decido o cardápio das refeições diárias cá por casa, telefono para a minha mãe todas as noites, procuro os meus amigos, namoro, viajo, vou ao teatro, pago as minhas contas, respondo a toneladas de e-mails, brinco a sério pelo Facebook, faço check ups no dentista, faço ecos e mamografias, caminho meia hora por dia, compro flores para a casa, providencio consertos domésticos, participo em eventos e reuniões ligados à minha profissão e ainda passo pelo cabeleireiro para arranjar o cabelo, as mãos e fazer a depilação!
E, entre uma coisa e outra, escrevo para mim ou para vocês ou leio os livros dos outros.
Portanto, sim ocupada mas, não uma workaholic.
Por mais disciplinada e responsável que seja, aprendi duas coisas que operam milagres. Primeiro: aprendi a dizer “Não!” Segundo: aprendi a não sentir um pingo de remorso por dizer “Não!”. Culpada de coisa nenhuma, portanto.
Existe o Ano Zero, a Coca-cola Zero, os Blind Zero, o Custo Zero e a Tolerância Zero. Pois bem, incluí na lista a Culpa Zero.
Quando nasci, nenhum profeta entrou pela sala de maternidade adentro para me apontar o dedo e designar que a partir daquele momento eu servisse de modelo para os outros. O meu pai e a minha mãe, acreditem, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram foi que não chorasse muito durante as madrugadas.
Não sou a Nossa senhora… talvez seja só Tua e muito Minha.
Sou, humildemente, mulher. Ponto.
E, se não aprender a delegar prioridades e a divertir-me, bye-bye vida interessante.
Porque vida interessante não é ter a agenda cheia, não é ser sempre politicamente correcta, não é aceitar qualquer projecto por dinheiro, não é atender a todos e criar para mim a falsa impressão de que sou indispensável.
É ter tempo.
Tempo para fazer nada.
Tempo para fazer tudo.
Tempo para dançar sozinha na sala.
Tempo para bisbilhotar uma loja de livros ou para escrever um, mesmo que nunca venha a ser publicado.
Tempo para fugir por dois dias, por um grande amor. Três. Quatro. Cinco!
Tempo para uma massagem.
Tempo para fazer um trabalho voluntário.
Tempo para procurar um novo candeeiro para o quarto.
Tempo para conhecer outras pessoas.
Voltar a estudar.
Voltar a amar.
Tempo, principalmente, para descobrir que posso ser perfeitamente organizadas, e profissional, sem deixar de existir. Porque a nossa existência não pode ser contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam a nossa caixa de correio electrónico e nos alertam para uma apressada realidade. Existir, destina-se a termos o tempo a favor, e não contra.
A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9001, não será bem avaliada.
Anda a tentar provar não-sei-o-quê a não-sei-quem.
Precisamos de respeitar o nosso mosaico, privilegiar cada pedaço de nós mesmas. Se o trabalho é um pedação da nossa vida, óptimo! Não se culpem. É elegante, charmoso e inteligente sermos independentes. A mulher que se sustenta fica mais sexy e muito mais livre para ir e vir. Desde que se lembre de separar alguns bons momentos para usufruir dessa independência, senão é escravidão, a mesma que manteve as nossas mães ou avós trancadas em casa, enquanto espiavam a vida pela janela.
Desacelerar tem um custo.
Talvez seja preciso esquecer a mala Prada, as férias no hotel decorado por Philippe Starck ou a ideia de mudar de pc para o Aple Mac e de telemóvel para o iPhone. Mas, minha cara “material-girl”, se chegares a sentir necessidade de vender a alma ao diabo para ter tudo isto e muito mais (francamente!) então estás, deveras a precisar de rever os teus valores.
Eu cá, descobri que uma mala de palha, uma praia imensa, uns pés descalços, uma pousada rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueçam o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e dar-nos uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante.



14.03.2010
texto inspirado num de Martha Medeiros, mas livremente (e escancaradamente!)
adaptado por moi-même ;)





15 – Solidão por opção?


Caro Diário,
 Hoje, deu-me para isto…visitar-te! Já lá vai uma valente rodada de meses que não aparecia ao abrigo das tuas confortáveis páginas em branco.
Atura-me!
Vou ficar aqui, assim, a escrever-te, como se fosses de facto o amigo (que nunca tive, ou permiti ter), sentado no meu sofá, disponível somente para me ouvir e dar-me uma valente palmada nas costas ou na cara, consoante o que eu diga.
É… não te admires, perdi o sentido de humor. Será que está a chegar a cruz da andropausa? Deve ser. Sinto-me esquisito… exausto! Geralmente quem o está, é porque tem ou faz muita coisa, não é? Mas este meu cansaço virou-me do avesso, porque cada vez ajo menos e esgoto-me mais. Estou é fatigado de ser esta espécie de homem que me tornei: cheio de sonhos e já sem qualquer energia para arriscar vivê-los!
Aceitei. Intimidei-me e foi nisto que me traduzi: num comodista licenciado em utopia, num apaixonado com mestrado em cobardia, num solteirão por opção… aos olhos dos outros, nunca dos meus!
Aos vinte, a vida foi-me um mar imenso de sensações, tinha tudo nas mãos e era um tipo invencível, dono do destino que escolhesse, sem qualquer necessidade de pára-quedas para aterrar… numa vida inteira.
Aos trinta, a realidade torna-se num rio independente que corre convicto até à foz, sem hesitações nem grandes torrentes, directinho ao seu alvo oceânico e pelas águas mais, ou menos (pouco importa) cristalinas.
Aos quar…entas, pára tudo! Ou será que começa? A sensação do que quero e até onde posso mesmo ir é, definitivamente, mais racional - penso demais, porra! Os pormenores tornam-se substancialmente mais importantes que outrora; as coisas que me avassalaram antes, agora passam-me ao lado sem sequer deixarem aragem; é-me mais fácil prever as reacções dos outros e mais difícil explicá-las.
Desvanecem as ilusões. Desmaiam as esperanças. Desacredita-se em ideais. Enterram-se devaneios. Amadureci, não apodreci! Mas nasceu-me uma serenidade que até então desconhecia, que me diz “a tua hora está a chegar”… seja ela qual for. Inicia-se mais um ciclo…
A aprendizagem é inevitável, geralmente eficaz, mas muito severa quando se conclui que a grande maioria das vezes, não há “finais felizes” para ninguém… há, somente finais para todos! Tudo começa já e termina a seguir. Tudo e todos! Recicla-se, troca-se, abandona-se, substitui-se, anula-se, destrói-se, mastiga-se e deita-se fora… sejam “chicletes”, sejam roupas, livros, mobílias, empregos, casas, carros, mulheres, maridos, amizades, desejos, abraços ou beijos… Uma efemeridade de “A.B.R.E.I.J.O.S.” em forma de A.fectos, B.atalhas, R.elações, E.moções, I.lusões,J.ornadas, O.rigens e S.onhos que se usam sem abusar agradecendo-lhes, num abrir e fechar de olhos, com um acentuado ponto final.
A ignorância dos meus vinte dava-me outra paz! Era indiferente ao que desconhecia. Mas a segurança destes “entas” dá-me (ou tira-me) novas e velhas perspectivas, emoções e sensações. No fundo agrada-me esta consciência do que me rodeia, faz-me esperar cada vez menos dos outros e mais de mim!
(Levanta-te, homem! Levanta-te!)
O que te quero dizer tentando (sem prometer) não divagar, é que tiram-me do sério, aqueles olhares invejáveis, dos atados que encontraram a sua cara-metade e que, só pelos primitivos anseios carnais, acham, em silêncio, ter descoberto somente um triste fado equacionando que, se calhar, poderiam ter-se cruzado com alguém melhor e que as pessoas certas lhes aparecem sempre nas horas mais erradas. Esses, que veneram um ideal que paira, somente, na sua imaginação para se desculparem e escaparem às dores agudas da tentação. Aqueles olhares, que invejam esta minha liberdade solteirona amarrada ao nada, e que tanto embrulham-me o estômago porque quem sente inveja deles… sou eu! Palhaços!
Apetece-me gritar aos ouvidos dos menos surdos (que são os que de mais mudos se fazem), que ninguém acorda aos vinte, trinta, “entas” ou o raio que o parta, a dizer: “Decido morrer só!”
Tenho que me trabalhar, investir-me! Deixar de agradar só pelo objectivo de ser agradado.
Está na hora de ir espremer laranjas para perceber quantas gostas de sumo tem cada uma; sair desta passividade que me anestesia há tempo demais! E finalmente encontrar-me, para só depois encontrá-la... seja ela a Susana ou a sicrana; seja ela a mulher dos meus sonhos ou aquela com que nem sonho e se calhar está algures por aí, tão empenhada quanto eu, nesta procura que já começa a vincar-se nas primeiras rugas e a doer-me nos ossos.
Caríssimo Diário, bem hajas pelo teu silêncio, que no decorrer deste desabafo deu-me as pancadinhas nas costas e a bofetada na cara, que eu precisava!

24.01.2010
 © Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto

14 – (eu) BALANÇO

Porque acabo com o compromisso que me fiz de aqui escrever todas as semanas…
Porque tenho a motivação roída e ferida, e porque a imaginação já me engana…
Porque é Natal e a época deixa-me sempre introspectiva…
Porque termina um ano que foi terrível para a maioria…
Porque lancei-me numa fasquia muito alta que me obrigou a querer ser sempre melhor na crónica seguinte…
Porque a inspiração não cai dos céus a qualquer hora e mais do que nunca me silencia fazendo de mim a ouvinte…
Porque estou cansada de remar contra a maré..
Porque corro atrás de quem me arranca a fé…
Porque vos habituei a esperarem mais de mim do que aquilo que tenho para dar…
Porque sem querer, fiz-vos crer que era capaz de vos surpreender a cada acordar…
Porque tenho esperança, mas pouca…
Porque mais que cheia sinto-me oca…
Porque há no ar que respiro a sensação de missão cumprida…
Por ora e com amor me despeço. Adeus, até qualquer dia.

20.12.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto

13 – Se uma felicidade incomoda muita gente, duas felicidades incomodam muito mais!
Não se aborreçam comigo, mas hoje vou apenas divagar e fugir à poesia, por duas razões:
1ª - Já não acredito no Pai Natal;
2ª - A mistura do cheiro a azevias com hipocrisia, que por vezes, nesta época, paira no ar, deixa-me profundamente “desinspirada”…
Vá… acomodem-se utopicamente no meu sofá, libertem-me de lirismos floreados e façam de conta que são bons ouvintes, enquanto assistem aos habituais monólogos de quem escreve (sozinho).
* * *
Ao longo da minha adulta existência tem coexistido, subjacente às primeiras (e)ternas apalpadelas ao conhecimento, a pergunta: "És feliz?”. E muitas são as vezes em que tenho a nítida sensação de que a esperança de quem me questiona é de que eu responda que “Não”. Olha a falta de sorte… porque até sou.
"Ser feliz" não é senão uma expressão com duas palavras, que juntas perdem algum significado e separadas podem ganhá-lo por inteiro... “ser” é o verbo que quero manter activo; “felicidade” é um substantivo que desfruto circunstancialmente.
Dia-sim, dia-sim a vida dá-me a oportunidade de escolha sobre tudo o que me rodeia. É por isso que escolho ser feliz, sabendo de antemão, pé e coração que um permanente estado de graça não resiste, mas profundamente ciente que a primeira ou última opção, será sempre minha.
O que me parece é que não há quem me perceba que consigo ser feliz, sem o estar… sim, meus caros, porque também me apaixono pelas minhas tristezas (sinceramente que me apaixono!)
Socialmente, decretaram-me que a felicidade depende de algo que me é exterior. Como se ela viesse de fora para dentro e não o avesso. Como se dependesse do emprego que temos mas com que não sonhámos, ou do amigo que tivemos e não segurámos, ou do afecto que não recebemos mas que deveríamos colher justamente pelo que doamos; ou do consuetudinário mau estar do corpo cansado e amassado pelo dia de ontem, hoje e amanhã… e, claro está, como se a felicidade dependesse do amor mais que perfeito, que só floresce nos jardins encantados.
E é assim que cada dia corre, à velocidade de 24 horas, numa maratona que nos impede de saborear a vida por deixarmos de lhe sentir o paladar. Concentramo-nos no desprazer de só a observar acordados, e adormecidos em lamentos do que,desgraçadamente nunca conseguimos, nunca temos, nunca sentimos nem nunca vivemos.
Aos meus queridíssimos amigos que me enriquecem; aos estimados simpatizantes que me engrandecem e aos incessantes curiosos que me invejam ou detestam (mas que gostam de espreitar pelo buraco da minha fechadura, à espera que eu erre ou me derrube) … a todos vós, misericórdia por favor, porque creio que o meu conceito de felicidade possa não ser exactamente igual ao vosso.
Perdoem-me obrigar-me a abraçar mais o que tenho, do que o quereria ter.
Perdoem-me confiar mais na minha palavra do que na do senhor ou da senhora, que diz ter-me afecto, sem nunca o ter tido.
Perdoem-me assumir que o caminho que escolho, e do qual me responsabilizo, é todo meu… sem que culpabilize os outros pelas minhas quedas ou venturas.
Perdoem-me, por vezes, amar tanto mesmo que para nada.
Perdoem-me não ser tão infeliz assim!
E preparem-se… mas se a minha felicidade incomodar muita gente, sou menina para duplicá-la e incomodar muito mais!
* * *
Esta foi a minha 13ª crónica, deste dia 13. Longe de ser supersticiosa, aposto que significa que hoje, é um bom dia para… ser ainda mais feliz!

Votos de boas festas e… muitas carícias.


13.12.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto


12 – Quando encontrar a porta de saída, entro.






Esta manhã, tocaram-me à porta (que fechei):

- Quem é?

Sou eu!

- Eu, quem?!


Eusilêncio sem melodia que grita,tudo o que te despe e me esvazia.

Dor que nos aperta e não perdoano beijo que consola mas magoa.

fome que perdeu o apetitedo sorriso tenro de meninice.

Índole que me pontapeia e derrubaem terras de gente que não aduba.

Mente sã num corpo farto, exaustono fogo-de-artifício de negro fausto.

Liberdade com validade que azedailusão que flameja em labareda

Verdade amarrada e prisioneirada mentira piedosa e lisonjeira.

Olhos puros com brilhos vermelhosna voz muda e miúda de conselhos.

Solidão duma alma desencantadapor entre a multidão emaranhada

Felicidade, que presta longa fraquezaà alegria, na mais profunda tristeza.

História onde nada de mais aconteceno final feliz que nunca é, mas parece.

Assim sou eu, inteira ou aos bocados,com momentos sublimes inacabados.


Esta manhã tocaram-me à porta (que espreitei).

Entregaram-me de presente. Vinha numa redoma bronzeada com umas nuances douradas e um laço difícil de desatar. Cheia de coragem e com algum esforço, puxei(-me) por uma ponta, estiquei(-me) por outra e de repente, fiquei ali... estarrecida defronte de mim. Desembrulhada.

Esta manhã tocaram-me à porta (que abri). Era eu…

Clique na imagem

06.12.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto


11 – Ensaio sobre a volúpia


Dizem que um homem não chora e não sabem o que dizem. Sou todo homem e às vezes choro de emoção… como agora. O odor que trazes no teu sossego, emociona-me.
Aqui estou eu, há cinco horas, a deixar os meus dedos afagarem os teus encaracolados cabelos dourados, com as costas do meu indicador a delinearem cada traço do teu rosto e as minhas mãos a percorrerem quilómetros pelas curvas do teu corpo. Entraste num sono profundo ao fim de cinco minutos.
Gostas destas carícias ao deitar. Adormeces sempre a sorrir, sabias? E o mais encantador, é não perderes esse sorriso de menina-mulher enquanto o meu toque não desiste de ti. Dá dó, quando os meus braços são vencidos pelo cansaço e a tua expressão muda, de insatisfação.
Nada me dá mais prazer do que sentir o teu.
Mexeste-te. Deves ter sentido uma destas minhas lágrimas mais teimosas. Desculpa. Pronto querida, pronto! Shhh… isso, volta-te para lá para onde te espera tanta paz.
Nunca adivinhei que pudessem haver peles assim tão suaves como a tua, daí que me seja irresistível perder nela. Será que sabes que não são assim tão raras as noites em que me perco, em ti, desde o seu início até ao teu fim?
É tão fácil amar alguém como tu… tão fatal! Tens uma alma cheia de corpo! Aposto que o mundo inteiro já se apaixonou por ti. Aposto tudo!
Quando dormes, ganhas um encanto doutra dimensão. Serás um anjo? Se não és, devias porque é por isso que faço tanto gosto em zelar pelo teu sono horas a fio, como se todos os relógios do globo parassem e só os ponteiros tocassem aqui, na tua tez rara. Tiquetaque. Tiquetaque.
A luz de um novo dia está a querer acender-se por uma fresta da nossa janela. O Sol vai nascer. Não tarda o despertador, da cabeceira, vai clamar por mim. Para que não te alarmes, preparo uma mão como casca de pêssego para amaciar-te o acordar. Encaminho-a para o interior das tuas coxas que lentamente vão-se abrir para a receber. Faço para que a palma regresse a outro céu qualquer mas as tuas pernas prendem-na, como que a suplicarem que não as deixe.
(Eu não te deixo...)
Devagar, estás a sair da tua quietude.
Pareces não importar-te que a minha boca desassossegue a tua. Com olhos de quem dorme, dás fulgor a uma língua que se enrola acordada na minha, esta que muito em breve vai descobrir o éden quando repousar no leito de uma vulva aveludada de ilusão. Os começos e fins dos meus dedos, delicada e intimamente, transpõem o teu corpo quente e molhado, e expressam-lhe ternura com ligeireza. Tiquetaque. Tiquetaque.
A tua carne chora lágrimas de prazer… bendita seja e que não pare, assim, de chorar, também por mim. Rumo ao sul dos teus lábios estendidos que me chamam num latejar aflito e que se abrem à minha chegada. Sabem a doce preia-mar. Ainda há pouco larguei uns seios hirtos de amor e já lhes sinto saudades, mas despeço-me deles e desço a outro dos teus céus para, lânguido, o beijar sem a pressa que já exiges.
- Vem! Faz amor com a minha alma! Faz-me feliz!
(Eu faço...)
Gemes e súplicas, mas não precisas. Estou aqui, há mil anos, dentro de ti.
O despertador decide falar alto, conforme prometeu quando o programámos para a hora da realidade. Apressadamente, com a mão dás-lhe um abanão e ele morre no teu chão… ele e eu. Enquanto tu, minha amada… tu decides e insistes em arfar, vibrar, tremer e viver sozinha no meu corpo… e em todos os meus sonhos e imaginação. Tiquetaque. Tiquetaque.
29.11.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto

10 - PALAVRAS de honra
Diz a sabedoria popular que boa é a demora que torna o caminho seguro, pois é exactamente perante esta esperança que me debruço sobre imaculadas folhas de papel de seda que me educam a ser melhor que ontem e, se os ventos forem favoráveis, hoje pior que amanhã; afastando-me assim da inércia de existir sob o delinear do ponto final sem nova partida, mesmo consciente de que um começo não é senão o principio de um fim.
Já vai sendo tempo de me dar tempo. Sempre achei que desta forma o recuperava: mergulhando de coração por entre ondas de palavras escritas que morrem na praia, dos sentidos que se calaram e desmaiaram à beira mar, ao sabor de um beijo mais salgado que molhado, enterrado numa areia escura, quieta e calada, desesperado por se notar.
Tenho inúmeros quadros manuscritos. Alguns pintados a marrón-éban, vigiados por óleos pretos, tal qual Picassa carente de aço. Não que com isto deixe de recriar telas extraordinárias, não! Encontro anéis formosos neste engenho em forma de arte contida e despida, que é, mesmo não sendo.
Esta violenta sede que me leva e eleva em busca da mais pura água alcoólica, embriaga-me no estímulo de ir mais além. Vaza-me e ofusca as, minhas, tintas tão gastas e irrepetíveis. Por isso, deixo-me viajar, pela enésima vez, ao bazar do arco-íris das letras...
Desde que me conheço que tenho a mania que hei-de ser escritora quando for grande; como se para o ser precisasse que o mundo me espelhasse no reflexo de uma montra, vestida de pó numa capa de livro, inclinado, perdidamente à espera de ser revolvido e sofregamente ingerido, como eu faço com os livros dos outros. Talvez jamais prospere o suficiente, ao ponto de vir a ser grande mas é-me (quase) claro que já sou uma actriz das palavras… pelo teatro que ouso, em palco, fazer com elas.
Faço parte deste pó moderno, que paira no universo do meu dicionário e no daqueles que me interpretam e envolvem com a íris de uns olhos que sorriem pelos meus, ou choram com eles.
Quando me debruço sobre o leito do que me dito e subscrevo, fantasio sobre infinitas expressões de quem me lerá. Vibro com os risos sábios dos eruditos, sobre o meu caminho pseudo-literário. Imagino o erguer ou declinar das sobrancelhas de analfabetos inquietos que me rasgam após a primeira linha. Deliro por quem beija a boca das minhas palavras e lhes sente o hálito fresco a flores-de-jasmim. E apoteose, derradeira: exalto-me sobre o devaneio da verdadeira obra utópica que os meus filhos e descendentes vão herdar de mim eternamente, ainda que não pela eternidade.
Permito-me então transformar, por imortais instantes, nesta pequena-grande-sereia que se atreve a cantar uma ode à candura das palavras que ficaram por beijar, acreditando inocentemente que um dia poderão renascer como rainhas de um castelo, de areia, virado para o mar.
Faça-se pois, um brinde às letras que ainda não se coloriram e que borbulham, na garrafa de um requintado champanhe nunca antes degustado, prestes a expelirem-se como fogo-de-artifício num qualquer céu de papel.
22.11.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004

9 - Temos que ter uma conversa

Tenho 38 anos e tenho dias quase felizes, como se o mundo fosse precisamente o que sonhei até aos meus 12, altura em que me roubaram e violaram a inocência. Cresci a correr, no espaço preciso de oitenta minutos e nenhum segundo. Não (esperem!), devo ter 12… é isso, tenho 12 anos.
Ainda não sei, mas muito em breve vão arrastar-me numa viagem marcada com o destino, que vai levar-me ao infinito de mim, o que é uma chatice porque não me lembro de como se reza e, pior, ainda não tenho as malas feitas!
Logo agora, que estava quase a decorar a oração que a minha Avó me obriga há tanto tempo a sussurrar, de olhos levantados ao tecto do meu quarto. Tem qualquer coisa a ver com pedir a um o menino chamado Jesus que me pegue na mão (não em mim), porque sou pequenina e caio ao chão. Mas depois, a minha Avó que gosta muito de inventar, exige logo que eu decore outra coisa sobre um Pai que não é o meu, e que está acima do nosso céu a ver-nos tropeçar pelos trilhos do Seu chão.
Logo agora, que não tenho aqui à mão o pijama da Cinderela nem o robe do Snoopy, de flanela! É que me dariam tanto jeito, por causa do frio que vou passar! Pelo menos iam-me aquecer… senão, sei que vou arrefecer até gelar, no tempo.
Será que não podem adiar esta viagem à volta do meu mundo em oitenta minutos? Só mais um pouco… um pouco mais de tudo, por favor! Dêem-me tempo para não me esquecer de como é ser menina e para aprender, de uma vez por todas, as preces da minha Avó. É que assim, carregarei todo este peso bem arrumado na mochila, no decorrer desta travessia que se adivinha muito mais crescida que eu.

Tenho 38 anos e tenho dias quase felizes. Não (esperem!), devo ter 12… é isso, tenho 12 anos.

Chegaram! Entregam-me um bilhete de ida sem volta, com lugar cativo em primeira classe, nada parecida à que completei na escola. Trazem sorrisos rasgados e olhares arrebatados que reflectem a cor de um céu que, de tão negro, não devia ser o meu. Estão aqui, de braços mais abertos do que as minhas pernas em espargata numa aula de ginástica. Fazem tanto barulho no silêncio, que nem me deixam ouvir o momento exacto em que embarco.

Será que vale a pena dizer-lhes que eu ainda não sou eu, e que o corpo que rasgam não é de papel? Queria tanto dizer-lhes que as minhas mãos, amarradas, são rechonchudas porque por dentro são todas forradas a nuvens...

Pai-nosso, que estais no Céu santificado seja o Vosso nome...mais qualquer coisa que a pressa em não crescer, não me deixa lembrar… Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos... Como se perdoa? Ai, que também me esqueci!

O que me vale é que quase recordo o cheiro do campo a mal-me-queres-e-bem-me-queres. Quase que oiço histórias de encantar. Quase que sinto o sopro da maresia que entra pela fresta da clarabóia do meu sótão, com vista para uma praia (deserta) de ondas gigantes do tamanho de um adeus. Tudo envolto numa quase-felicidade que nunca quase-vivi.
Tenho 38 anos e tenho dias quase felizes. Não (esperem!), devo ter 12… é isso, tenho 12 anos.
Pai, de todos nós, estás aí?
Apressa-Te! Acode-me!
Sai de cima dessas nuvens que, de tão escuras, não Te deixam ver-me… sim, essas nuvens que quando choram é por mim, ou pensas o quê?!
Vem, mas agora (eu disse: já!) enquanto me rasgam a saia cor-de-rosa e casaco azul-bebé.
Segura-me senão caio! O corpo já me escorrega e desliza por umas mãos suadas que não podem ser as Tuas… estas têm dentes afiados que me mordem a voz, a pureza, o terror e a inocência para quase sempre.
SOCORRO!!! Não me ouves? Estou aqui!
Diabo sejas, se não desceres daí nos meus próximos TRÊS gritos, para salvares o que resta de mim!
Passaram setenta e oito minutos, ainda Te restam DOIS para evitares que a chama que me incendeia alastre-se cá para fora, enquanto este ferro em brasa já se funde cá dentro.
Como podes permitir que o meu corpo se abra desta maneira e a minha alma se feche para quase sempre?
Estás assim tão ocupado? Então, só TE rogo UM segundo da Tua eternidade para pelo menos, trazeres-me o pijaminha porque estou com frio... tanto frio!
Não vês que sou pequenina, como a Avó dizia? Quase do tamanho de um ZERO.

Acabou-se o (meu) tempo! http://www.youtube.com/watch?v=jjtrnuqtShc
A partir deste momento não me peças, Tu, perdão. Estou, irrevogavelmente, zangada contigo.

Nunca mais…... NUNCA MAIS MORRO DEPOIS DO QUE MORRI.
Tenho 38 anos e tenho dias quase felizes. Não (esperem!), devo ter 12… é isso, tenho 12 anos.
15.11.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto


8 – Cartas d’humor, quem as não tem ?

Depois de todas as manifestações de apreço que me têm chegado ao longo destas semanas de Truca, às quais tenho respondido com a gratidão que me merecem… eis que me chegou uma carta digna de partilha, que me permito publicá-la e responder-lhe, em modo de carta-aberta.
***
Tenho constatado, que a menina, ao Domingo à noite, truca! Tal acontecimento, ao que parece, já ocorre há sete semanas seguidas (sim, são 7 e não 7 semanas e meia). Atendendo ao tempo decorrido, creio que a menina já possui um capital de experiencia bastante, para poder fazer um balanço e proceder a uma análise critica à truca de fim-de-semana.Vem o caso e o interesse à liça, na medida em que, sou um voyeurista de renome internacional e, também, um reputado behaviorista. Assim, por uma questão puramente científica e académica, gostaria de ser informado sobre a dimensão sociológica e, também, transcendental das aludidas trucadelas. Posto isto, resta esclarecer que as S/ respostas serão mantidas anónimas (ou talvez não).Grato pela atenção dispensada, fico a aguardar a S/ preciosa colaboração para a ciência.
Atente-se:
1. Fazer truca ao Domingo à noite é bom? RE: Sinceramente, fazer truca ao Domingo à noite, sabe menos bem (nunca mal!) que noutra altura qualquer, mas somente porque antecede a 2ª feira, dia de maior stress laboral.
2. Por que é que só truca uma vez por semana?RE: Meu caro, está completamente enganado! Assim haja vontade, tenho tido a sorte de ter saúde física e mental suficientes, para poder trucar sempre que clamem pelos meus trocadilhos.
3. Já experimentou trucar a meio da semana?E: Reler a resposta 2.
4. A trucadela exige boa-disposição?RE: É condição cine qua non! Sem uma acesa dose de boa disposição não há quem obtenha satisfação possível. Amor com humor (também) se paga.
5. Alguma vez abandonou uma truca a meio? RE: Sendo a sua titulação de “reputado behaviorista” de julgamento falacioso, depreendo que não me conhece. Iniciado o processo de truncada, jamais me ocorre abandoná-la a meio; não se compagina com a minha atitude de trucamante de corpo, alma e coração.
6. Durante a truca, pode-se trucar à-vontade, ou existe uma ordem pré-definida?
RE: Satisfazendo a sua curiosidade informo que é regra que se truque à vontade, coexistindo sub-pré-definido ser proibido trocar de parcerias com desconhecidos, pois tal desiderato é castrador do acto em si… ou em mim.
7. Em média, quanto tempo demora uma truca?RE: Diria que numa manhã ou tarde faz-se o devido despacho. No entanto, caso o tema ou objecto exija maior truculência, poderá eventualmente realizar-se uma sessão de 12 hours non stop truck.
8. Pode-se assistir a uma sessão truca?RE: O acto é íntimo e secreto até ser consumado e editado. Compreenderei a sua desilusão como “voyeurista de renome internacional”, mas esta, sim, é uma regra hiper-definida pelo meu truck-edition boss.
9. Alguma vez, teve de fazer a truca sozinha?RE: Sendo a única titular do prazer (ou falta dele) em ser como sou e conhecendo-me melhor que ninguém, faço-a muitas vezes sozinha, como objecto de treino e auto-conhecimento.
10. O trucado é importante na sua vida?RE: Sim. Há trocos que fazem toda a diferença numa carteira… profissional. Uma boa truca é sempre altamente recompensada por quem nela participa activa ou mesmo passivamente.
11. Depois da truca, toma um café e fuma um cigarro?RE: A esta pergunta respondo-lhe citando Elizabeth Taylor: “As três melhores coisas da vida são, um uísque antes e um cigarro depois.
12. Qual a periodicidade temporal que recomenda para a trucadela?RE: Quanto à “periocidade” recomendo sempre que possível consoante a inspiração… e a expiração, desde que ofegantes. Quanto ao “temporal” recomendo em dias de sol ou chuva, sabendo-se que poderá com frequência resultar em verdadeiros tsunamis de contentamento.
13. Finalmente, a menina não sente algum pudor por fazer a truca e publicar, depois, aqui, as suas sensações e emoções?RE: Se sentisse algum pudor não teria publicamente exposto a sua carta e muito menos teria vindo responder-lhe com uma truca deste gabarito, que tão abertamente lhe destinei neste Domingo.
Com os meus melhores truncamentos,
Susana Venenno
08.11.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004

7 – Há vazios muito cheios...
Já tive dias em que não quis nada por ter tudo e que, num repente, resultaram em noites que me segredaram que, afinal, não tenho nada do tudo que queria.
Há os que vivem na Lua, viajando entre Marte e Vénus. Há os que vivem nas nuvens, sonhando mais alto que elas. Há os que vivem com os pés bem assentes na Terra e depois… depois existo eu, que abdiquei de residir sempre na mesma emoção por me ter tornado nesta nómada de afectos, por excelência.
O que vejo por aí é que há vazios muito cheios de coisa nenhuma, onde um pingo de pouco é sempre tanto…tanto! É por isso que, por vezes, parece-me que o Mundo inteiro engavetou todos os seus poemas, fechou-os à chave mas esqueceu-se de si mesmo, dentro da gaveta.
...ooooooooo...
Meu Amor, prometo que não escrevo, nem viro as páginas que não queres ler. Prometo que só vou colorir as que quiseres recordar, mas não me rasgues por favor, não me rasgues!
Deixa que te escreva sem criatividade nenhuma ou com toda ela junta, nos dias em que me faltas e podes até falar-me de ti, porque oiço-te bem… tão bem...
Deixa-me amar-te da ponta da língua à ponta dos pés pousados no cabo da nossa esperança com o mar no horizonte. Deixa-me abrir os braços, sabendo que se der um passo não caio… saber que ganho asas quando me abraças com as tuas, e que sim, sem temer, podemos avançar. Vamos voar.
E nem precisas de te mexer desse lugar. Eu seguro-nos, neste.
Somos tão imensos! Quase do tamanho do tudo ou nada.
Sou eu quem está aqui. Estou aqui! Não me vês?
Vou descer das nossas nuvens cinzentas e mostrar-te o contraste do azul do meu céu quando se reflecte no teu. Vamos brilhar.
Vou pegar ao colo a tua alma cansada, deitá-la e sossegá-la sobre a minha.
Vou beijar-te o medo, os lábios e a voz.
Vou ouvir os teus pedidos de socorro – já quase os oiço!
Não precisas chorar. Eu choro.
Raios me rachem se nos próximos mil anos, não nos salvo!
É que – juro! – vais queimar-me  por fora se te fores embora.
Por dentro, feita cinzas – nua e pura – já sou toda tua.
...ooooooooo...
A gente não aguenta a sede, a fome, a violência; a gente suporta mal a solidão, a dor, a indiferença… mas quem não aguenta a dádiva de sentir um grande amor? Quem? Venha ele quando, como, donde e de quem vier. Qualquer um que já tenha sentido no sangue da pele a ausência de um amor renasce poeta ou figura de estilo incansável na tarefa de mentir à própria mentira, de tão infiel que lhe passa a ser!
Maldita seja a razão quando decide interromper-nos a voz do coração!
Quem nunca amou que atire a primeira pedra! (Diabos me levem se a própria da razão ousa lançá-la!)
O amor é toda uma verdade que não tem onde se esconder… ao resto, chamem-lhe o que quiserem.
31.10.2009


Nota: Pelos motivos mencionados, por Artur Tomé na sua prestação desta semana, e crendo eu que deixa de fazer sentido a sensação de dualidade entre “analógico” e “digital”, ficou decidido alterar o meu cognome para Mulher Literal
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004





Frente a Frente

Não sou nada de pedir desculpas por existir, mas hoje como até me sinto generosa, peço publicamente perdão por não ter podido cá estar a semana passada, mas valores mais altos se alevantaram, pelo que fui obrigada a impingir-vos uma convidadaespacial que me substituirá sempre que eu tenha mais que fazer do que vos entreter.
Passo então a subscrever-vos a justificação da minha ausência:
Mulher digital que se preze anda sempre com o seu iPhone ligado à internet, dentro e fora da sua pochette e põe o dito com o modo vibrar activo… diria mesmo que é o seu melhor amante! [Não meus caros, tirem desde já o cavalinho da chuva porque não é desta que vos venho falar dos prazeres sexo-virtuais, descomunais, exacerbais e outros que tais.]
Adiante…
O que aconteceu foi que, finalmente, deixei as minhas impressões digitais no Homem Analógico. Conhecemo-nos pessoalmente.
Liguei-me à net. Não fui nada de modas (porque já sou mulher do século que vem) e enviei-lhe um email que ditava assim:
“Meu caro Homem Analógico preciso de o ver nem que seja para provar a mim mesma que o menino não é real, pois não?, é que isso já nem se usa!”
Como qualquer homem analógico que se preze, em vez de me responder pela mesma via, mandou-me pelos CTT um postal manuscrito de boas festas (e carícias), que redigia assado:
“Minha estimada Mulher Digital, grato pelo convite. Com prazer estarei consigo no dia dê, às xis horas e ípsilon minutos. Não lhe sei dizer a que segundos porque o meu relógio de mil novecentos e nem-me-lembro não tem esse inútil e veloz ponteiro.”
Como já seria de esperar de um ordenado cavaleiro, sem cavalo mas com “h” no meio, lá se dignou a aparecer e, por breves instantes, quando o avistei quase que nem o reconheci sem as suas almofadas armadilhadas!
E que momento inesquecível foi aquele, ao vê-lo a correr para mim em slow motionde braços abertos e eu, a voar para ele à velocidade Matrix de braços no ar, até ao abraço final.
Mas genial mesmo, foi o ar absorto com que me olhava enquanto se pasmava de boca veementemente aberta, como quem põe uma concha de sopa na boca:
- A menina afinal é mesmo tal qual eu a supunha! Uma autentica peça de arte artificial. Por dentro é feita de aço e por fora tem pele aveludada de metal. Lindos esses fios de cabelo condutores dessas madeixas azuis, vermelhas e amarelas ligada à terra a condizerem com esse vestido robótico cromado que lhe fica a… viver! E deixe-me que lhe diga, você tem um coração bomba relógio, que é um encanto disparate!
Foi lindo! Tão lindo que quem nos visse não acreditava e quem não nos viu, acredita.
O algodão não engana: e uma coisa tirou-se a limpo:
Ele tem tanto de analógico como eu de digital.Estamos, deliciosamente, quites!
25.10.2009
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004

5 – SE O meu TELEFONE TOCAR, SOU EU

Por motivos alheios à minha vontade, e imediatos à dela, venho a informar que a Mulher Digital não vai poder escrever a sua habitual crónica semanal.
Hoje, sou eu, a sua convidada espacial.
Não me foi sequer dada a oportunidade de recusar este convite quando a própria autora ligou-me a zero cêntimos por minuto e a dez palavras por segundo sem parar de gargalhar, com aquele riso que irrita a quem nunca o aprendeu a soltar (a mim irrita-me). E foi assim que a artista decretou do lado de lá da linha:
- Vá a senhora, porque esta semana preciso de me cansar. É Outono e começam a estar uns dias lindos para ser menos feliz. Também tenho direito! Você já meteu férias ao cansaço vai para mais de um mês, por isso está apta a fazer este exercício de relaxe. Deite a cabeça no agrado, cruze as pernas, descruze os braços e escreva, escreva qualquer coisinha. Caia na graça porque para ser engraçada basto eu! Solte-se com elegância. Conte pacificamente anedotas picantes, daquelas que espicaçam com agulhas a passividade do humor. Prepare-se para a guerra das almofadas e desanque na sensibilidade dos homens em geral ou na sensualidade do Analógico em particular. Faça o que bem entender porque hoje, eu vou fingir que, não estou.
Quando lhe ia a responder dizendo que esse tipo de zombarias, sátiras, ironias e escárnios de bem-dizeres não faziam o meu género, já ela tinha desligado, teletransportado-me para… aqui.
Agora, que li as suas crónicas da Truca, dá-me ideia que este espaço de fundo cinza é para preencher a rir e colorir, o que me está a deixar em pânico. Primeiro, porque nasci num dia de chuva chorona, depois porque não fui previamente avisada de que deveria trazer o godé da infância que não guardei, para colorir esta tela em aguarelas rosa ou azul, aqueles dois tons que fogem juntos e de mãos-dadas até ao arco-íris.
Arrependo-me e lamento não ter tido a destreza para lhe resistir, porque não me parece que venha a fazer figura alegre nem tão pouco jus à peculiaridade criativa dessa mulher que é o que quer ser e não, o que sou.
Assim, e de repente, tudo o que me apetecia era criticá-la por ser dotada de uma subtil inteligência, tão subtil e tão inteligente que se torna até fácil tomámo-la por párvoa, ingénua ou infantil. Apetecia-me derreá-la por ter um sentido mais oportuno que oportunista, sobre aquele tipo de humor aparentemente ameaçador à espécie do sexo fraco para todos menos para ela. Apetecia-me enfrentá-la por ousar ser mais directa no que sente, do que discreta no que vive: Apetecia-me castigá-la com um açoite por não ter crescido e continuar a ser mais menina de 8 que mulher de 38. Apetecia-me tudo isto, mas não o faço porque ela é feia, porque eu a amo e porque bonita me parece.
A Mulher Digital que me perdoe, ria-se de mim… não!… sim, ria-se comigo porque é o que ela mais gosta, é de rir-se com em vez de… mas eu vou mesmo virar costas ao seu convite e esta semana não vou escrever nada.
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004

4 – TPM (Descubra as diferenças e marque com um X ou com um Y)

Uma sondagem feita à população feminina afirma que 75% sofre de Tensão Pré Menstrual (antes da menstruação). Os outros 25% vão para as poucas sortudas que não conhecem este transtorno mental dos dias anteriores ao fluxo menstrual
Uma sondagem feita à população masculina afirma que 75% sofre de Tentação Pré Matrimonial (antes da abnegação). Os outros 25% vão para os poucos sortudos que ainda reconhecem este adorno hormonal nos anos posteriores à relação conjugal.

A TPM ataca física e emocionalmente as mulheres. Para combater tudo isto é preciso criar outras condições para passarem melhor esta fase. É bastante importante utilizar o auto-conhecimento para aceitarem melhor os seus próprios limites e para conseguirem controlar melhor essas comoções paralelas.
O TPM ataca crítica e irracionalmente os homens. Para combater tudo isto é preciso que as mulheres criem outras tentações para que passem a amansar nesta fase. É bastante importante utilizar chicotes e algemas como armamento para lhes impor melhor os limites e para conseguirem demonstrar que quem manda neles, são elas.

A TPM, é um quadro clínico passageiro que atinge quase todas as mulheres em idade fértil, dos 15 aos 49. Umas sofrem mais que outras mas de um modo geral todas sentem uma ligeira diferença nesses dias em que as emoções disparam em flecha e onde em situações normais, perturbam-lhes pouco.
O TPM, é um quadro clínico crónico, que atinge quase todos os homens em idade estéril, dos 8 aos 80. Uns admitem mais que outros mas de um modo geral todos sentem uma ligeira diferença nos dias em que a Bolsa de Valores e, consequentemente, a testerona disparam em alta, situações anormais que os entusiasmam muito.

As 75% das mulheres inquiridas, sente esta tensão como se fosse o castigo do mês, todos os meses durante 4 dias e afirma que tem grandes crises nervosas de um mau humor injustificado. Ficam com a sensibilidade à flor da pele ou seja, choram por tudo e por nada.
Os 75% dos homens inquiridos, sente esta tentação como se fosse o castigo da vida, todos os dias durante 24 horas e afirma que tem grandes crises facciosas de um mau humor justificado quando a sua equipa de futebol perde. Ficam com a sensibilidade à flor dos pêlos ou seja, arrotam a couratos e cerveja por tudo e por nada.

As mulheres sofrem com esta “doença” somente em duas situações: 1. quando sentem dores físicas no peito e na zona abdominal. 2 – quando sentem dores emocionais e ficam muito sensíveis. No final, recuperarão a normalidade da sua vida própria.
Os homens sofrem pelas mulheres somente em duas situações: 1 - quando as querem conquistar e não estão a ter êxito; 2 - quando não as querem perder e já é tarde demais. No intervalo serão, deliciosa e eternamente, iguais a si próprios!

(livremente adaptado, crónica de Tânia Domingos)
(livremente alienado, crónica da Mulher Digital)
***

Há 15 dias atrás já foi o que foi e agora isto! Sinceramente, não sei porque me dá para tanto disparate em Domingos eleitorais! Mas como não se prevêem mais eleições em 2009, esta foi a minha última insensatez do ano… digo eu, que nunca prometo nada!
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004

3 - É a pura da loucura!
Deixou de ser segredo. Já é público e notório que sou dedicada defensora dos loucos. Loucos mesmo, dos geniais aos absolutamente tapadinhos, pois cada um tem lá o seu encanto. Não são pessoas ditas "normais" e é nisso que reside a beleza da insânia; ser diferente, incomum, pontos coloridos na tela-cinzenta-da-igualdade desta sociedade massificada pelo comportamento cada vez mais padronizado do politicamente correcto.
A loucura incomoda. Impõe ao resto do mundo aquelas misérias, imundices e mentiras que os loucos sublinham mas que todos guardamos em nós e não mostramos a ninguém.
Assumo a minha quota parte… sou louca! Porque quero sentir até ao talo, e roer até ao caroço, tudo o que a vida tem para me oferecer!
Porque não despir-me em terra e mergulhar vestida no mar? Porque não subir um andaime e, por entre trolhas, aviar verdadeiras declarações galanteadoras, para quem passar lá em baixo? Porque não… hmm, esta não vou questionar, deleito-a orgulhosamente estendida na vossa imaginação, desejando que vos estale um qualquer impulso [se tal acontecer, larguem já esta insensata crónica e, vão, vão!!!] Seguindo… porque não dizemos muito mais o que sentimos do que o que, preconceituosamente, pensamos? Respondendo… por medo! Pelo terror do que os outros vão opinar e julgar de nós! É assim que cruzamos os braços e deitamos a cabeça sobre a fofa teoria, de adormecermos sempre aninhados à la “mesmissime” merde! E viver a vida intensamente? Nickles batatóides!
Ninguém pode viver por ti. Tu não podes viver por mim. Cada vida é única, assim como as experiências que ela - senhora doidivanas e imprevisível - nos impõe.
É loucura pôr a mão numa chapa quente quando alguém acabou de me dizer que vai doer? É?! K’ça lixe! Arrisco. Eu ponho… nem que seja só para conferir. Enquanto não sentir a dor, não acredito. É pagar p'ra ver! E eu pago, nem que seja em suaves, ou mesmo duras, prestações.
Já me perdi de tudo e de todos, inúmeras vezes, talvez por isso tenha metido pernas ao caminho para alcançar e ganhar o mundo. Depois de ganho, fui… ri alto, chorei desalmadamente, decepcionei-me, emocionei-me, maravilhei-me, extasiei-me até consumir todos os meus cinco sentidos. E exausta, deixei-me arrastar pela lucidez. Ahhh, mas eu sei (diabos me levem, se não sei!) que quando o sangue voltar-me a latejar, hei-de ir de novo! Enquanto isso, cá continuarei silenciosa mas pura, e intrinsecamente louca… porque é isto que me chamam quando decido viver intensamente.
Se eu morresse hoje, é bem possível que morresse satisfeita. Amei e desamei tantas vezes, ri e chorei outras tantas. Apaixonei-me pelas más noites tanto quanto pelos bons dias. Já fui gorda, já fui magra, já fui assim-assim. Já tomei decisões certas e outras decididamente erradas. Já arrisquei até a minha vida e com isso aprendi a valorizá-la ainda mais. Já vi o mundo acabar algumas vezes, mas no dia seguinte estava tudo bem... tudo bem!
Seria lindo, se todos dessem em doidos de vez em quando, porque são precisamente estes pequenos prazeres que fazem da vida, Vida! Pequenas loucuras, pequenos surtos, pequenas paixões, pequenos absurdos e pequenos abusos que nos ajudam a escapar do ostracismo cinza-metódico em que diariamente nos encontramos com os outros…que no fundo, são quem somos na maioria do tempo. Tornamo-nos muito mais eles, que nós mesmos.
Viver abraçados ao medo é viver pela metade, sem a chance de nos encantarmos!
Perdoem-me se sou como sou, mas viver no marasmo da mesmice não é para mim. Ousando, descobri que uma pitada de loucura vale o mundo inteiro aconchegado na palma da nossa mão.
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004

2 - O que tu queres sei eu!
- Analógico, apetecia-me algo…
- Tomei a liberdade de pensar nisso, senhora. Aqui tem (as chave d’)o seu Ferrari Cooper!- Oh não! O que eu queria era algo… bommm
- Compreendo madame… está impaciente, sente-se indecisa em quem vai votar.
- Olhe, a propósito de voto inútil, o Analógico não se esqueça de lá ir em meu nome e (oiça!) põe a cruzinha no Partido Pereira Mais-quelque-chose-que-agora-não-lembro… quero mostrar a minha real nobreza para com o destino do rapazote da câmara, que anda lá fora a cantar pela vida. Temos que ser uns para os outros.
- Com certeza, senhora.
- Bem… mas o que me apetecia era algo diferente. Deixe ver… nada extravagante, talvez para começar um banho de sais Empório seguido de caviar com escargots e lagosta. Traga-me também o anel de 500 quilates que está na cómoda Luis XV. Depois, certifique-se que o Bugatti Veyron está atestado e se o retrovisor está em condições para eu retocar o botox, pelo caminho. Quero chegar a horas a Paris para assistir a uma ópera de Delibes. Talvez, a seguir, passe pelo Club Reines de la Folieonde uns musculados enfants terribles dão um show de Rodeos-à-la-loussan, e semi-nus servem “Sexe-Pompe” com vodka e muita fruta.
- Vou tratar de providenciar tudo, madame.
- Ah! Espere! Analógico…?!
- Diga, senhora.
- Pela saúde do meu património, por favor (!!!) não me traga de bandeja, nada que tenha a ver com essas felicidadezinhas barato-democráticas muito em voga mas sem tempero nenhum, tipo igualdades, direitos, empregos, famílias homos e heteros, crianças e velhos, liberdade de expressão, justiça, éticas, valorização, solidariedade, compaixão, segurança, verdade, dignidade, transparências, fidelidade, amigos, afectos, mar, ventos, bravura, cores, sol, flores, paz, humor e muito amor. Ugh, por favor, isto é que eu não quero!
- Sua… sua… sua Alteza?
- Sim…?!
- Fodei-vos!!!
- Hmmm! Bravo, Analógico!!!
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004

1- A Mulher Digital
Para primeira crónica, o entitular(-me) de “Mulher Digital” deveria ser justificado, mas parece-me um perda de tempo, como o “vestido” ou a “pescada” que antes de o serem já o eram. Senhor teleTRUCAdor, ora volte lá a ler a "página" n.º1 do Homem Analógico. Depois disso, fique ciente e livre de concluir que, eu sou tudo
o que ele não é.
E não se choque com o que acaba de ler. Pense comigo: haverá pela primeira vez na História (da Truca) uma hiper-complementaridade entre ambos... o homem e a mulher, absolutamente preenchidos um pelo, no, com, contra, porém do outro…. com tudo de bom e de mau que contêm!
Se antes, eles eram de Marte e elas de Vénus, é chegada a altura da humanidade os unir e aceitar, com todas as suas claras e obscuras diferenças, em Terra.
Apetece-me revolucionar! Entrar numa nova era, a da "paz-dos-sexos" (sabendo de antemão que o temos, ao contrário dos anjos). Importantíssimo este apontamento: jamais seremos anjos! E além de tudo, de guerras sabemos quem está cheio!
(Est)a mulher junto d’O homem, compromete-se perante todos os que aqui nos lerem, a usar um só tipo de declaração de "inimizade" em que a única arma permitida, serão as almofadas. Por isso, quaisquer "penas" que vos calhem,  pelos olhos e narizes adentro, sem dó nem piedade, no meio desta algazarra, são meus os votos que vos façam cócegas… ao raciocínio.
Mais que certo que muitos de nós vivemos semelhantes aventuras, ou desventuras e eventualmente até nas mesmas circunstâncias. Mais que certo também, é que só o facto de possuirmos maioritariamente o cromossoma Y ou X,  faz com que as reacções sejam decisiva e definitivamente diferentes... nem melhores, nem piores, somente altamente (a)variadas.

Com isto também não quero usar de qualquer presunção, fazendo-vos crer que venho falar/escrever em nome delas. De todo! Aqui, sou só uma “contra” um, o que deverá, per si, ser motivo de exclusão de sondagens ou estatísticas… peitorais.
Cada um nasceu com os atributos (ou falta deles) que a mãe-natureza lhe deu e ninguém deveria ter nada a ver com isso… ainda que quase sempre tenha!
Continuando a minha campanha - o Luís não poderia ter escolhido melhor altura do ano, para me meter neste tipo de esmiúço ao sufrágio -  adiante… quero ainda alertar para uma das ocasionais e enooooooooormes desconformidades
(?) que nos afastam mais do que unem. Sou partidária e camarada da TPM (quem não souber do que falo, sugiro que faça uma busca no Google). É que esta, mais “miss” que “madam”, tem uma pontualidade britânica e quando chega é um tufão de emoções, pelo que tanto me pode levar ao tapete como levar-me em euforia, a um tal soquear de palavras que combato como se  não lhes pudesse juntar reticências… cobrindo-as logo com nódoas, pontos negros e pontos finais, de 28 em 28 dias.
Sabem que mais? Todos diferentes, todos iguais… ainda que haja sempre uns mais diferentes e/ou iguais que outros.

Adaptando um discurso já por estas bandas efectuado… para resumir, fica a ameaça: enquanto o Luís me aturar, de que vou despejar algumas crónicas sobre o modo como uma digital vê o mundo em que vive. E o que pensa dos novos (e velhos!) objectos, tecnologias e modos de vida que a cercam.

DECLARO ABERTA A PAZ AO HOMEM!

Até nós…
© Todos os Direitos de Autor reservados
nos termos da Lei 50/2004
***
VIA 
http://www.truca.pt/raposa_textos/lugar_102_susana_veneno.html
INDICATIVO
Neste programa vamos ouvir prosa e poesia de Susana Venenno
MÚSICA 
Susana Venenno cabe naquela categoria de autores dos quais não tenho qualquer dificuldade com a sua biografia porque fala de si na sua própria poesia. Senão, ouçamos:
EU SOU
Um elevar, que me derruba
nesta terra, que não aduba
Um silêncio, que me grita
o acrescentar, que esvazia
Uma mente sã, no corpo cansado,
de fogo de artificio acinzentado
Uns olhos puros, com brilhos vermelhos
dentro da voz muda e miúda, de conselhos
Uma fome, que perde o apetite
num sorriso louco, de patetice
Um doce, que me amarga
no voo, que quebra asas
Uma dor, que me consola
a carícia, que me magoa
Um existir, sem ser notada
neste nadar, tão afogada
Uma liberdade, prisioneira
duma mentira, lisonjeira
Um acontecer, em que nada acontece
num ser, que não é , já só parece
Uma felicidade, que dá moleza
à maior alegria, na mais profunda tristeza
MÚSICA
Susana Venenno, na correspondência que trocou comigo para a preparação deste programa exibiu muito humor e uma riqueza literária que, não fora o caráter privado das palavras, bem merecia ser lida aqui.
A certa altura escreve:
Chamo-me Susana Venenno, tenho 37 anos e uma imensa paixão pela leitura (dos outros) e pela escrita (a minha… aquela que teimo em guardar na gaveta).
Sou “alegremente-nostálgica”.
O meu sonho é viver (a tempo inteiro) para, e da, escrita (inclinada para a prosa e, nas minhas maiores tempestades, para a poesia).
Mas para mim ser “escritora”, só seria possível se dela pudesse viver, e me sustentar, ou então será inevitavelmente o meu maior passatempo na idade da reforma… Sorrio e explico: um simples texto de uma página, pode requerer de mim, no mínimo, umas 7 horas de dedicação, sem contar com outras tantas de aperfeiçoamento, de cada vez que me releio (poucas são as vezes em que cruzo os braços. Mudarei sempre algo num texto, daí que, já deixei de me ler. Sorrio de novo.
Terá chegado a hora de pelo menos serem outros a auscultarem o som das minhas palavras escritas? O Luís Gaspar decidirá. A si, lhe sorrio, também.
Como fiel agnóstica que sou por declarar o espírito humano incompetente para conhecer o absoluto, juro diante os deuses terrestres (a havê-los) ou silvestres (aqui devem haver, pois amoras e framboesas, para mim, são frutos divinais), que autorizo Luís Gaspar a ler textos meus no seu audioblogue.
MÚSICA 
Vamos ouvir, de Susana Venenno, um poema e um conto. O poema intitula-se “Homens da minha vida” e o conto “Solidão por opção?”
MÚSICA 
Homens da minha vida
Que são ou foram minha alegria,
 Homens das minhas inquietações
Que só me deixam recordações:
A vós confesso meu desalento
De não conseguir ser o que penso.
Num mar imenso e profundo
Navego sem me encontrar neste mundo.
Aos que me fazem sonhar
Eu agradeço este voar,
Aos que me fazem crer
Eu louvo este saber.
Quero ser um universo sem castigo
Mas todos os dias pressinto o perigo
Onde tudo o que encontro é o nada
Nesta infinita caminhada
Onde me aguarda tanto vazio
Num emaranhado sem ponta de fio.
Perdoem-me não ouvir conselhos
Dos mais novos ou dos mais velhos
Mas quem vê o que eu não vejo
Não pode sentir o que desejo.
Ser feliz é minha única intenção
Impossível nesta insatisfação
De ter o que não tenho para viver
E de viver o que me faz morrer.
Tanta intensidade em mim desespera
Nesta constante e dura espera
De desejar ser o que sou
Num tudo e num nada que de mim voou
Preciso de seguir e fugir
Para encontrar-me neste rugir
Que me consome dia a dia
Por hoje gritar o que não dizia,
Nesta agressiva e lenta razão
A que me entrego cheia de emoção.
Violem-me os sonhos que tenho por sonhar!
Violem-me até a alma que não pára de chorar!
Mas ninguém no mundo me há-de arrancar
Esta capacidade que tenho para amar!
Um dia hei-de ser o que sou
E descansar em paz porque tudo findou!
Deixando nos vossos rostos o ar do meu vento
Que vos soprou a brisa final do tormento
E um riso numa alma encantadora
Desta vossa eterna mulher trovadora. 
MÚSICA
Caro Diário,
Hoje, deu-me para isto... escrever-te.
Já lá vai uma valente rodada de meses que não aparecia ao abrigo das tuas confortáveis páginas em branco.
Atura-me! Muito sinceramente, estou sem pachorra para florear a minha escrita, como é meu hábito, quando decido levitar. Só me apetece ficar aqui, assim, quieto a escrever, como se fosses de facto o amigo (que nunca tive) sentado no meu sofá, disponível somente para me ouvir e dar-me uma valente palmada nas costas ou na cara, consoante o que eu lhe diga.
É... não te admires, estou com pouco sentido de humor! Será que está a chegar aquela cruz da andropausa? Deve ser. Sinto-me mesmo esquisito!
Encontro-me verdadeiramente cansado... Geralmente quem o está, é porque tem ou faz muita coisa, não é? Mas o meu cansaço é contrário às normas. Fatigado de ser este homem que me tornei, cheio de sonhos e sem qualquer coragem em arriscar vivê-los! Acomodei-me, intimidei-me e foi nisto que me tornei... num mero administrativo licenciado em Sociologia. Num apaixonado, com mestrado em cobardia. Num solteirão por opção, aos olhos dos outros e nunca dos meus!
Aos vinte, a vida foi-me um mar imenso de sensações, tinha tudo nas mãos e era o ser mais invencível, dono do destino que escolhesse, sem qualquer necessidade de paraquedas. Aos trinta, a realidade torna-se num rio independente que corre convictamente para a sua foz, sem hesitações nem torrentes, direitinho ao objetivo e pelo caminho politicamente correto. Aos quar...ENTAS, para tudo! (Ou será que começa tudo?)
A sensação do que quero e ate onde posso mesmo ir é, definitivamente, mais racional. - Penso demais, porra! - Os pormenores tornam-se substancialmente mais importantes que outrora; as coisas que me avassalaram antes passam-me ao lado sem sequer deixarem uma aragem; é-me mais fácil prever as reações dos outros e mais difícil explicá-las. Desvanecem as ilusões. Desmaiam as esperanças. Desacredita-se em ideais. Enterram-se os devaneios.
Mas aumenta uma serenidade ate então desconhecida, que me diz: "A tua hora está a chegar" (seja ela qual for). Inicia-se outro ciclo... nem melhor, nem pior mas francamente distinto de todos os anteriores.
A aprendizagem é necessária e eficaz, mas muito rígida quando se conclui que a grande maioria das vezes, não há "finais felizes" para ninguém... há somente, finais para todos! Tudo começa já e termina a seguir. Tudo e todos! Recicla-se, troca-se, abandona-se, substitui-se, anula-se, destrói-se, mastiga-se e deita-se fora... sejam pastilhas elásticas, roupas, livros, mobílias, empregos, casas, carros, mulheres, maridos, amizades, beijos, desejos. Absolutamente tudo tão, tão efémero!
A ignorância dos meus vinte dava-me outra paz! Era indiferente ao que desconhecia. Mas a segurança destes "entas" dá-me (ou tira-me) novas (ou velhas) perspetivas, emoções e sensações. No fundo agrada-me esta consciência do que me rodeia. Faz-me esperar cada vez menos dos outros e mais de mim! Mas tiram-me do sério, aqueles olhares invejáveis, dos atados que encontraram uma cara-metade e que, só pelos primitivos anseios carnais, acham, em silencio, ter descoberto somente um triste fado pondo em causa que poderiam ter-se cruzado com alguém melhor, e que as pessoas certas lhes aparecem sempre nas horas mais erradas, venerando um ideal que somente paira na sua imaginação, só para se desculparem e escaparem às dores agudas da tentação. Aqueles olhares, que invejam esta minha liberdade amarrada ao vazio, que me revoltam o estômago, porque quem sente inveja deles, sou eu. Palhaços!
Apetece-me gritar aos ouvidos dos menos surdos (que são os que de mais mudos se fazem), que ninguém acorda aos vinte, trinta, "entas" ou o raio que o parta, a dizer: "Decido morrer só!"
Tenho que me trabalhar, investir-me! Deixar de agradar só pelo objectivo de ser agradado. Sair desta passividade que me anestesiou! E finalmente encontrar-me, para só depois encontra-la...seja ela a Susana, a Joana ou a sicrana; seja ela a mulher dos meus sonhos ou aquela com que nem sonho e se calhar está algures por aí, tão empenhada quanto eu, nesta procura que já começa a vincar-se nas rugas e a doer nos ossos.
Amigo Diário,
Bem hajas pelo teu silêncio, que no decorrer deste desabafo deu-me as pancadinhas nas costas e as bofetadas na cara que eu estava a precisar! 
MÚSICA
Ouvimos neste Lugar aos Outros, textos de Susana Venenno a quem agradeço a disponibilidade assim como a agradável troca de correspondência. Até um dia!

INDICATIVO
http://www.truca.pt/raposa_textos/lugar_102_susana_veneno.html