08/03/2015

9.699.(8mar2015.23.55') Neste dia...9março...vou rELEVAR: 358.avÔ, constituição vintista,Brittany Murphy, Maite Perroni, Juliette Binoche, Ornella Muti, Joaquim Gomes e a poesia de Joaquim Pessoa

***
2018
UM+359avÔ
estou fuRIOso com a MALvadez a REInar
estou empertigado com a força dos 1% exploradores
estou reVOLTAdo com a distrACÇÃO dos 99%
*
+1 MAdRUGADA históRICA
***
2017
358.avÔ
pensar e falar em harmonia
                             coerência
                             com a palavra certa e segura
                             a improvisar
sem haver preparAÇÃO
é 1 bELO corAGIR
*
pintura
de terNUra
com 1 bELO pincel
feito botão-de-rosa
***
2016...FACE TRAZ-ME MEMÓRIAS DESTE DIA:
 8mar2016...as minhas queridas filhas encontram-se em lisBOA...a + velha está quase quase a fazer-me avô do Sebastião!!!
qu' esTUpendoooooooooooooo par de soRRisos das minhas queridas filhas
 https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10207792161713446&set=a.1081356805590.12781.1576428905&type=3&theater
*
 ..a serra dos candeeiros completamente tapada com 1 bELO manto de neblina..poucos olham para estes fenómenos da nossa serra, d' ALCOBAÇA que vos abRRaça
serra dos candeeiros by Graça Silva
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1054515491258593&set=a.211013438942140.52240.100001004569506&type=3&theater
***
2015...FACE TRAZ-ME MEMÓRIAS DESTE DIA:
1 pormenor da reunião de câmara de hj que já está a dar confusão aqui no face...daí a minha versão...Presidente, vereadora do PS e vereador do CDS perderam 1 tempão sobre a carta anónima...Procurei salientar o que urge fazer em relação ao mosteiro e em relação a cartas anónimas...
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/03/97009mar201511-11-ana-pagara-nova.html
*
a ARTE é que nos faz mbem à saúde e ..."A arte e nada mais que a arte! Ela é a grande possibilitadora da vida, a grande aliciadora da vida, o grande estimulante da vida." (Friedrich Nietzsche)... gRRacias profª e cAMARada Cláudia Cláudio
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/03/97039mar201520-02-30-filmes-para.html
*
atenção à luta que se tem de fazer d'imediato sobre o SUPER ROUBO dos ladrões do PSD.CDS...depois de porem milhares de famílias na insolvência, com o fim da cláusula de salvaguarda para milhões..
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/03/97049mar20152020-atencao-ao-super-roubo.html
*
the gift...ECOA...embaixadores d'ALCOBAÇA que vos abRRaça
*
será possível que tenhamos d'aturar AINDA 250 dias estes 2 e o portas???
Com políticas que servem os agiotas???
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200113102028131&set=p.10200113102028131&type=3&theater
*
20h44' 02"...gRRacias MARco VIla...entrar e sair da BB...do lado das Caldas...qu'estupenda fotogravAÇÃO
foto de 5nov2014
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=861936133840555&set=a.182102105157298.42246.100000725293569&type=3&theater
*
10h22'10" quis ouVIR e inTERvalarr...
Sam Smith
https://www.youtube.com/watch?v=6cYjS5K3n98
*
9d9h9'9"...hj tb é dia da MULHER...que luta....ontem, estava asSIM....dia SIM...1 MARavILHA...10h10'10"...a BB...bELA baÍA de SÃO MARtinho do Porto d' ALCOBAÇA que vos abRRaça
by Cipriano Simão
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10204000771435257&set=oa.801532719940951&type=3&theater
***
2014...FACE TRAZ-ME MEMÓRIAS DESTE DIA:
12.12.12" é 1 bELO instante para partILHArr neruda
O Teu Riso
Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas
não me tires o teu riso.

Não me tires a rosa,
a flor de espiga que desfias,
a água que de súbito
jorra na tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.

A minha luta é dura e regresso
por vezes com os olhos
cansados de terem visto
a terra que não muda,
mas quando o teu riso entra
sobe ao céu à minha procura
e abre-me todas
as portas da vida.

Meu amor, na hora
mais obscura desfia
o teu riso, e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso será para as minhas mãos
como uma espada fresca.

Perto do mar no outono,
o teu riso deve erguer
a sua cascata de espuma,
e na primavera, amor,
quero o teu riso como
a flor que eu esperava,
a flor azul, a rosa
da minha pátria sonora.

Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
curvas da ilha,
ri-te deste rapaz
desajeitado que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando os meus passos se forem,
quando os meus passos voltarem,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas o teu riso nunca
porque sem ele morreria.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=598314926890134&set=a.509081055813522.1073741850.100001348957610&type=3&theater
Tu És em Mim Profunda Primavera

O sabor da tua boca e a cor da tua pele, 
pele, boca, fruta minha destes dias velozes, 
diz-me, sempre estiveram contigo
por anos e viagens e por luas e sóis
e terra e pranto e chuva e alegria,
ou só agora, só agora
brotam das tuas raízes
como a água que à terra seca traz
germinações de mim desconhecidas
ou aos lábios do cântaro esquecido
na água chega o sabor da terra?

Não sei, não mo digas, tu não sabes.
Ninguém sabe estas coisas.
Mas, aproximando os meus sentidos todos
da luz da tua pele, desapareces,
fundes-te como o ácido
aroma dum fruto
e o calor dum caminho,
o cheiro do milho debulhado,
a madressilva da tarde pura,
os nomes da terra poeirenta,
o infinito perfume da pátria:
magnólia e matagal, sangue e farinha,
galope de cavalos,
a lua poeirenta das aldeias,
o pão recém-nascido:
ai, tudo o que há na tua pele volta à minha boca,
volta ao meu coração, volta ao meu corpo,
e volto a ser contigo a terra que tu és:
tu és em mim profunda primavera:
volto a saber em ti como germino.

in "Os Versos do Capitão"

imagem:
Kiss (1963) - filme experimental realizado por Andy Warhol...

*
Há que saudar: Bravíssimaaaaaaaaaa equipa de Remo indoor do CEERIA, d'Alcobaça que vos abRRaça...2ºlugar em Montemor o Velho!!!
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2014/03/76229mar20141746-remo-indoorha-que.html
***
2012...FACE TRAZ-ME MEMÓRIAS DESTE DIA:
PCP na luta pela saúde hospitalar na A.república!!!
Há que recolher os abaixo-assinados até 13março!!!...+ notícias sobre o nosso Hospital...
*
Há que preparar +1 GGG:
*
hj x AQUI estive com "I just wanna make love to you"...e a Etta James venceu...aqui com imagens d'Elvis em espectáculos...
https://www.youtube.com/watch?v=KmtL4OH8ssA
***
2011...FACE TRAZ-ME MEMÓRIAS DESTE DIA:

Em Alcobaça festejamos os 90 anos do PCP, nomeadamente, com almoço 13.3.,domingo, na sede na Av:Joaquim Vieira Natividade

http://uniralcobaca.blogspot.pt/2011/03/42999marco9h9-em-alcobaca-festejamos-os.html
*
50 medidas de blá blá...
CGTP não assina acordo
*
Deste-me a fraternidade com os desconhecidos.
Juntaste a mim a força de todos os que vivem.
Voltaste a dar-me a pátria como num nascimento.
...Deste-se a liberdade que não tem quem está só.

...Ensinaste-me a acender a bondade, como o lume.
Deste-me a rectidão de que precisa a árvore.
Ensinaste-me a ver a unidade e a diferença dos irmãos.
Mostraste-me como a dor de um ser morreu na vitória de todos.
Ensinaste-me a dormir na cama dura dos que são meus irmãos.
Fizeste-me construir sobre a realidade como sobre a rocha.
Fizeste-me inimigo do malvado e muro do colérico.
Fizeste-me ver a claridade do mundo e como é possível a alegria.
Fizeste-me indestrutível pois contigo não termino em mim próprio.
*
9ª qu' "explode" com ... e sunrise
The Gift
https://www.youtube.com/watch?v=APfiKfAf8Lo
***
DM do RIM
https://www.portaldadialise.com/articles/dia-mundial-do-rim-2017#.WH-11lljbbw.facebook
***
1986
Brittany Murphy
https://www.youtube.com/watch?v=tHI1vYg3hZs&list=RDtHI1vYg3hZs#t=9
***
1983
Maite Perroni
https://www.youtube.com/watch?v=O2fU28Pehdc&list=RDO2fU28Pehdc#t=14
***
1964
Juliette Binoche
https://www.youtube.com/watch?v=F8HRGuPp47U
***
1955
Ornella Muti
https://www.youtube.com/watch?v=_jJFF_FhHnI
***
1948...Manuel Resende..."HÁ UMA GRANDE NECESSIDADE DE VIDA
Há uma grande necessidade de vida
Parem os semáforos todos no lilás
E as lojas e as grandes cadeias e os pequenos mercados
E as grandes aldeias e as pequenas cidades
Há nestes tempos um consumo enorme de azul no céu
Há uma imensa necessidade de vida
Por exemplo nos teus olhos raticidas
Para podermos viver precisamos de vida
Há uma exacta necessidade de quê
Vida é pronto o gato o cão o espalha-fatos
O sempre intenso por mágica mão dispensável polícia
Tudo isso mas não é isso nem o constante o sempre
[presente o plastificado bolso onde guardo os tormentos
O inexistente segurança que me abre as cancelas
O plenipotenciário bêbado nas portarias
O chanceler de nenhures
É preciso não esquecer que
Há um consumo enorme de ar na terra
Insustentável
Há um consumo enorme de mar nos gestos
Insustável
Dêem-nos o susto o suco o cheiro o pasmo
Os sucos os olhos vidrados os braços e os lumbagos
E com isso nos bastaremos
Isso é que queremos
Isso é que precisamos
Ainda e sempre os mesmos rostos
Os dentes que não estão onde também falta
Perdoem-me a vulgar palavra o pão
E onde sobram sempre as mesmas lágrimas
E sempre as mesmas palavras antigas
Clamando justiça num deserto a que chamaram paz"
in Poesia Reunida (livro "Um mundo clamoroso, ainda")
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2018/04/465723abril201877-manuel-resende.html
***
1917
Joaquim Gomes
foi 1 cAMARada com quem reuni muitas vezes em Alcobaça
e ele pernoitou em minha casa várias noites para evitar a deslocação para Lisboa durante a noite
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2017/03/933917mar2017888-joaquim-gomes.html
***
1821
aprovada a constituição "vintista"
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2015/03/97019mar201577-9mar1821-aprovadas-as.html
***
e a poesia de Joaquim Pessoa:
2012
HJ x AQUI + 1 pitadinha do mestre JPessoa
O AMOR É... 
O amor é o início. O amor é o meio. O amor é o fim. O amor faz-te pensar, faz-te sofrer, faz-te agarrar o tempo, faz-te esquecer o tempo. O amor obriga-te a escolher, a separar, a rejeitar. O amor castiga-te. O amor compensa-te. O amor é um prémio e um castigo. O amor fere-te, o amor salva-te, o amor é um farol e um naufrágio. O amor é alegria. O amor é tristeza. É ciúme, orgasmo, êxtase. O nós, o outro, a ciência da vida.
O amor é um pássaro. Uma armadilha. Uma fraqueza e uma força.
O amor é uma inquietação, uma esperança, uma certeza, uma dúvida. O amor dá-te asas, o amor derruba-te, o amor assusta-te, o amor promete-te, o amor vinga-te, o amor faz-te feliz.
O amor é um caos, o amor é uma ordem. O amor é um mágico. E um palhaço. E uma criança. O amor é um prisioneiro. E um guarda.
Uma sentença. O amor é um guerrilheiro. O amor comanda-te. O amor ordena-te. O amor rouba-te. O amor mata-te.
O amor lembra-te. O amor esquece-te. O amor respira-te. O amor sufoca-te. O amor é um sucesso. E um fracasso. Uma obsessão. Uma doença. O rasto de um cometa. Um buraco negro. Uma estrela. Um dia azul. Um dia de paz.
O amor é um pobre. Um pedinte. O amor é um rico. Um hipócrita, um santo. Um herói e um débil. O amor é um nome. É um corpo. Uma luz. Uma cruz. Uma dor. Uma cor. É a pele de um sorriso.


https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2910741769651&set=a.1656789861637.2081981.1293834055&type=3&theater
*
2014
 in OS OLHOS DE ISA, (ed Esp. Litexa, 1982)

[NENHUMA MORTE APAGARÁ OS BEIJOS]

"Eu estava tão perto de ti
que tenho frio ao pé dos outros".
Paul ÉLUARD

Nenhuma morte apagará os beijos
e por dentro das casas onde nos amámos ou pelas ruas
[clandestinas da grande cidade livre
estarão para sempre vivos os sinais de um grande amor,
esses densos sinais do amor e da morte
com que se vive a vida.

Aí estarão de novo as nossas mãos.
E nenhuma dor será possível onde nos beijámos.
Eternamente apaixonados, meu amor. Eternamente livres.
Prolongaremos em todos os dedos os nossos gestos e,
profundamente, no peito dos amantes, a nossa alma líquida
[e atormentada

desvenderá em cada minuto o seu segredo
para que este amor se prolongue e noutras bocas
ardam violentos de paixão os nossos beijos
e os corpos se abracem mais e se confundam
mutuamente violando-se, violentando a noite
para que outro dia, afinal, seja possível.
*Artwork: Last kiss, por © Adam Martinakis
*(LT)

 https://www.facebook.com/quem.le.sophia.de.mello.breyner.andresen/photos/a.114014221967684.7650.112890882080018/650438254991942/?type=3&theater
*
https://www.facebook.com/349094905211303/photos/a.349115855209208.1073741828.349094905211303/746538335466956/?type=1
Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março.
"Que nome tens? Que nome te hei de dar? Deusa? Mulher?
Mulher-Deusa? Ou Deusa-Mãe? És o princípio de tudo e de
ti mesma? Como saber se somos os teus filhos, ou mesmo
se serás, afinal a tua própria Mãe?
Talvez o Desconhecido ou, simplesmente um desconhecido
te tenha um dia criado para que pudesses reinar sobre ele e
sobre todos os outros.
Depois, geraste em cada forma a própria vida. E hoje, somos
sim, os teus filhos, os filhos de uma Deusa que um homem
emprenhou. Irmãos de serpentes e auroques. Irmãos do ven-
to que te destapou as vestes, para que pudéssemos ver-te
nua, ó mãe, irmã, amiga, companheira das minhas noites.
Mostra-te, para que me espantes mais e me seduzas. Já é
dia. É o dia da Deusa. Esse dia fantástico em que tudo está
ainda por contar."
em "Ano Comum"
*
https://www.facebook.com/112890882080018/photos/a.114014221967684.7650.112890882080018/811322285570204/?type=1&theater
in OS OLHOS DE ISA (Moraes, Ed., 1979), in OBRA POÉTICA 02 (Litexa 2001)
I

Festejo o teu corpo com uma chuva de lâmpadas
e rosas clandestinas.
E amo-te.
Incendiando nas praias do meu sangue
esses pássaros que nascem no teu peito
e fazem ninho nas minhas mãos abertas.

Assim me desesperas e fascinas.

E tudo em mim estremece. Tudo se desenraíza
como as grandes árvores que a tempestade sacode
e arranca no inverno, investindo sobre elas
com os seus cabelos de água, os seus cornos vermelhos.

Ó meu amor, meu amor, meu amor,
morro nos teus braços e renasço em ti
para de novo procurar-te em todos os minutos
percorrendo todos os rios, todas as aldeias do teu corpo
até chegar à tua boca, cheio de sede, ávido de ti,
depois de me perder no deserto branco da tua pele.

Amanheço sem rosto e sem braços, completamente nu,
deixando que doas em mim como um mistério
como se o teu ventre pudesse ser a minha boca
como se eu nascesse em ti para te amar e me esquecer.
E levanto-me
e bato a todas as tuas portas (afinal as minhas)
e tu não me respondes. Percorro todos os corredores
do teu silêncio e não te encontro em nenhuma parte.
Grito por ti até sentir o sabor do sangue nos meus lábios.
Atiro-me contra as barreiras que me separam de ti
e aí adormeço, cansado, como um náufrago
e então és tu, são os teus braços a minha praia
a minha longínqua, doce e estranha praia
onde me aqueço e deito
onde enlouqueço à tua espera.

Ó meu amor, meu amor, meu amor, 
foste sempre o meu poema, a minha canção de gesta,
a minha certeza e a minha dúvida,
o meu vinho e o meu cálice.

Tu és no meu país deserto a última rosa.

Inventei-te em delírio. E trago-te em mim
por entre os mortos exilados que caminham comigo pelas ruas.
Trago-te levantada nas minhas mãos como a única espada
para vencer o mundo.
A minha pedra absoluta.
A minha eterna sede.
A minha ilha.

Ó meu amor, meu amor, meu amor.

Óleo sobre tela: Danae, de Léon Commerre
(CC)

*
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=942296755782766&set=a.152159341463182.28585.100000073522004&type=1&theater
Dia 44. (excerto)

Tantos bocados de mim, tantos pedaços teus, tanta coisa que a vi-
da me pediu e ensinou.
Por isso, mulher, te elejo e canto. Tu, que em ti és tudo, princípio 
e fim, solidão e fogo, distância e abraço. E vida, e vida, e vida.
Das portas da noite à varanda dos astros permanece o sentimento
ingrato de que a tua luz humilha tudo o que a terra sussurra, o que
cantam os pássaros, o que Deus torna possível.
Como ser igual a ti, se em ti não há lugar para a minha memória in-
fiel, se te traí para além do que ainda não existe e se roubei o mais
inocente da tua existência, o mais primordial da tua carne e da tua
beleza?
Deste-me sede e deste-me água. E deste-me o significado do amor.
E o amor que sempre quis repartir por todos os homens através de
um destino ao qual defini os limites, como margens para águas es-
curas, frias e tristíssimas.
Falhei como teu companheiro, como teu amante, e como cúmplice
da tua suave e inesperada matéria. 
E fui sombra. E fui deserto. E desamor.
E hoje sou aquele que procura, entre as cinzas, o brilho agonizante 
de um Deus que já não se compadece com nenhum de nós.

(*) in ANO COMUM, 2.ª ed.
Editora Edições Esgotadas.