10/03/2015

9.712.(10mar2015.13.31') Rogério Ribeiro

Nasceu a 31mar1930
e morreu a 10mar2008
***
Viveu na casa do José Aurélio, em Óbidos...
http://www.cm-obidos.pt/manchete/detalhe.aspx?detail=1&id=9636549
***
1 foto especial

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1044603628888499&set=a.104386952910176.9396.100000166158153&type=1&theater
os quadros são do Rogério Ribeiro, com certeza...
Álvaro Cunhal, Vasco Gonçalves e José Aurélio
***
Via Tinta Fresca:

Armazém das Artes em Alcobaça...de 27nov2010 até 27fev2011
http://www.tintafresca.net/News/newsdetail.aspx?news=c419a897-f5d5-45bc-b692-00b42cb6feb7&edition=122
*

(...) licenciado na Escola Superior de Belas Artes, faculdade onde foi professor e, em 1974, coordenou o grupo de trabalho de reestruturação do currículo escolar na área do Design. No domínio da ilustração de livros, uma das suas obras mais conhecidas é a da ilustração da edição do romance «Até Amanhã Camaradas», de Manuel Tiago/Álvaro Cunhal. Foi também autor do projecto museológico da Fortaleza de Peniche 1987). 
José Aurélio reconhece que esta ainda não é a grande exposição antológica de Rogério Ribeiro, que gostaria de organizar no Armazém das artes, mas “foi a exposição possível, dados os fracos recursos que nós temos e hoje fazer uma grande exposição custa muito dinheiro e nós vamos fazendo aquilo que podemos.”

   No entanto, como normalmente é apanágio do Armazém, esta é também uma exposição de afectos, construída com base em obras cedidas pelos amigos e camaradas das artes de José Aurélio. “O Rogério foi o meu grande amigo durante toda a vida, foi um homem que conheci logo que cheguei a Lisboa e que sempre me acompanhou toda a vida, era um homem fora de série. Nesta altura, só foi possível fazer esta exposição, que é de facto uma boa exposição, não quero que se pense que os condicionamentos que impendem sobre a nossa capacidade de realização tenham a ver com falta de qualidade, antes pelo contrário, aquela é uma boa exposição do Rogério, mas que foi feita fundamentalmente com a prata da casa”, adiantou o escultor ao Tinta Fresca.(...)

***
Via castendo:
6 Serigrafias:
que reproduzem seis das mais representativas ilustrações concebidas pelo pintor Rogério Ribeiro para o romance de Manuel Tiago, Até Amanhã, Camaradas.
I

Ao fim de alguns dias
voltaram a chamá-la

II

A bicicleta deslizou suavemente
como se nenhum peso levasse
III

Trabalhadores, Operários e Camponeses
IV

Estendia a mão larga e espessa aos Recém-vindos
V

Olhou ainda o céu e fez-se de Novo à chuva
VI

O vento soprou mais forte
***
Câmara de Almada deu-lhe a medalha de ouro...
Director da Casa da Cerca desde 1993
http://www.m-almada.pt/xportal/xmain?xpid=cmav2&xpgid=genericPage&genericContentPage_qry=BOUI=12937412
***
+ obras aqui:
http://galeriaphotomaton.blogspot.pt/2008/03/rogrio-ribeiro-galeria-e-textos-de.html
***
Via avante ago 2008
Pavilhão Central
Homenagem ao pintor Rogério Ribeiro
No ano em que deixou de estar entre nós, a Festa do Avante!, no seu Pavilhão Central, acolhe uma exposição evocativa da vida e da obra do artista plástico Rogério Ribeiro, com a presença de mais de 80 obras do autor. Exposição que, aliás, contou com o seu entusiasmo e disponibilidade de colaboração antes do seu súbito falecimento.
Uma visita pela sua magnífica obra enquanto um dos maiores artistas plásticos do nosso país. Na sua actividade sempre ligou a arte à vida, pintando a dureza da luta quotidiana pela sobrevivência e a luta política, cruzando-a com a poética da alegria de viver, de festejar o amor.
Rogério Ribeiro foi um artista do século XX, integrando os movimentos artísticos que lutaram pela modernidade cultural do nosso país. Pintor das narrativas da vida e da transfiguração da vida, ilustrou vários livros e foi fundador da Cooperativa Gravura e da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea de Almada, relevantes no panorama artístico nacional.
Desempenhou ainda um relevante papel no ensino artístico em Portugal após o 25 de Abril. Foi membro do Comité Central do PCP e um construtor da Festa do Avante!.

Os cinco sentidos
Sentir a vida, transformar o mundo!

O Espaço da Ciência tem abordado, ao longo das várias edições da Festa, temas como a astronomia, a física, a robótica, os materiais e as suas propriedades, a água, a energia, a fome, os recursos geológicos, os transportes terrestres, entre outros. Este ano estará patente uma exposição que tem por base os cinco sentidos.
Como comunicar sem um ou mais sentidos? Será a nossa visão igual à dos outros animais? Podemos saber a idade de uma estrela apenas olhando para ela? Qual a relação entre o nosso equilíbrio e a nossa audição? Porque sentimos calor e frio?
Estas são algumas questões que serão abordadas este ano no Espaço Ciênci@vante!, propondo aos visitantes uma incursão pelos cinco sentidos humanos e embarcando numa viagem pela transformação do nosso mundo. Não podemos esquecer que as nossas acções e interpretações sobre o meio que nos rodeia estão amplamente ligadas à nossa capacidade de percepcionar a informação que nos chega a cada momento.
O Espaço Ciênci@avante! vai contar ainda com módulos de Astronomia e Física, com a colaboração, respectivamente, do astrónomo Máximo Ferreira e do Núcleo de Física do Instituto Superior Técnico. Nesta área interactiva estarão disponíveis de uma forma lúdica, rigorosa e ao mesmo tempo apelativa, experiências e observações que irão pôr em prática alguns assuntos levantados pela exposição.

Desporto
«O papel das colectividades na formação de atletas de alto rendimento»

Este ano, o tema central do desporto, na Festa do Avante!, será «O papel das colectividades na formação de atletas de alto rendimento». Neste sentido, sábado, às 18 horas, no Pavilhão Central, vai se realizar um debate que contará com a presença de Melo de Carvalho e Miguel Tiago. Estarão ainda presentes um elemento da Federação Portuguesa de Atletismo e outro da Associação de Colectividades do Concelho do Seixal
***
Via avante 20mar2008
http://www.avante.pt/pt/1790/assembleiadarepublica/23860/
Homenagem a Rogério Ribeiro
A Assembleia da República prestou homenagem a Rogério Ribeiro, falecido a 10 de Março, cumprindo um minuto de silêncio em sua memória e aprovando um voto de pesar onde é recordado como «figura maior da arte portuguesa».
«Com uma excepcional e multifacetada personalidade criadora, é uma das mais destacadas e originais personalidades criadoras enraizadas no movimento neo-realista», refere o texto aprovado aprovado por unanimidade, onde se pode ler, ainda, que a sua «obra é uma riquíssima e complexa construção e reflexão sobre o devir humano, sobre o seu tempo e sobre uma humanidade em certos aspectos intemporal».
Além das suas qualidades como artista plástico, o voto sublinha na vida de Rogério Ribeiro a sua condição de «destacado professor, dinamizador cultural, dirigente comunista, resistente antifascista, combatente pela liberdade e pela democracia».
«Num dos seus testemunhos mais importantes e também um dos mais comoventes, Rogério Ribeiro falou da importância da Revolução de Abril na sua obra, não como um momento de viragem, mas como um período em que a urgência histórica requeria toda a atenção criadora», lembra o voto apresentado pelo Grupo Parlamentar do PCP, onde a Assembleia da República «manifesta o seu pesar» pelo desaparecimento de Rogério Ribeiro e «expressa sentidas condolências aos seus familiares e amigos».
Realçado na obra deste «trabalhador incansável», como lhe chamam os deputados comunistas, é, por outro lado, a sua «amplitude e riqueza criadora incomparáveis», sobretudo a partir dos anos 70, o que lhe confere «um reconhecimento internacional significativo».
Sobre Rogério Ribeiro, além da sua participação nas lutas do MUD Juvenil e nas lutas estudantis de 1962, bem como da sua prisão pela PIDE em 1958, recordada é também a sua condição de militante do PCP desde 1975, com uma «intensa actividade cívica e política» e três décadas de uma «elevada contribuição para a concepção e realização da Festa do Avante»
***
Via avante de 13mar2008
Figura maior da arte, do Alentejo e do PCP
Faleceu Rogério Ribeiro
Faleceu segunda-feira Rogério Ribeiro, artista plástico de renome internacional e empenhado militante comunista.
Rogério Fernando da Silva Ribeiro nasceu em Estremoz, em 1930. A sua mais recente obra foi inaugurada no sábado, em Beja: o Monumento à Mulher Alentejana, no Parque da Cidade. Não pôde estar na cerimónia, porque sexta-feira teve que ser internado no Hospital de Santa Maria. O funeral teria lugar ontem, ao final da tarde, do Palácio Galveias para o cemitério do Alto de São João.

Nota do Secretariado do PCP

Na nota de condolências divulgada no dia 10, o Secretariado do Comité Central do PCP refere que, «destacado professor e artista plástico, Rogério Ribeiro abraçou desde jovem a luta antifascista pela liberdade e a democracia».
«Rogério Ribeiro é uma das figuras maiores da arte portuguesa. Excepcional e multifacetada personalidade criadora, ao legado da sua imensa obra plástica junta-se o do seu incansável trabalho de construtor e dinamizador cultural, o do pedagogo entusiasta, o do combatente político pelas causas da emancipação humana, o do resistente e dirigente comunista. Sendo certamente uma das mais destacadas e originais personalidades criadoras enraizadas no movimento neo-realista, a sua obra é uma riquíssima e complexa construção e reflexão sobre o devir humano, sobre o seu tempo e sobre uma humanidade em certos aspectos intemporal. Nas nossas memórias visuais ficarão para sempre gravadas as suas ilustrações para o livro Até amanhã camaradas, de Manuel Tiago.
«Num dos seus testemunhos mais importantes e também um dos mais comoventes, Rogério Ribeiro falou da importância da Revolução de Abril na sua obra, não como um momento de viragem, mas como período em que a urgência histórica requeria toda a atenção criadora.
«Rogério Ribeiro, que ao longo de toda a vida foi um trabalhador incansável, realiza a partir dos anos 70 uma obra de amplitude e riqueza criadora incomparáveis, atingindo um reconhecimento internacional significativo.
«Destacado participante nas lutas do MUD Juvenil e nas lutas estudantis de 1962, Rogério Ribeiro estabeleceu contactos com o PCP desde 1953, tendo a ele aderido em 1975. Preso pela PIDE em 1958 vê-lhe negada a autorização para exercer o cargo de assistente da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.
«Rogério Ribeiro, que foi membro do Comité Central do PCP desde 1983 até Dezembro de 1992, deu durante três décadas uma elevada contribuição para a concepção e realização da Festa do Avante!», de cuja comissão organizadora foi membro, e para muitas outras realizações do Partido, das quais se destaca a exposição comemorativa dos 60 anos de vida do PCP» - conclui o documento.
A Direcção da Organização Regional de Évora do Partido emitiu terça-feira um comunicado de imprensa, destacando que Rogério Ribeiro «nunca esqueceu as suas origens e a sua terra, onde vinha com frequência», e sempre assumiu a sua condição de alentejano, colocando nas suas pinturas e em muitos trabalhos o Alentejo, dando visibilidade à sua maior riqueza - o Homem».
Lembra ainda a DOREV que Rogério Ribeiro «foi um dos artistas plásticos que sempre estiveram com essa conquista ímpar do proletariado agrícola do Sul – a Reforma Agrária» e «sempre o víamos nas conferências da Reforma Agrária e em muitas situações, colaborando em magníficos trabalhos que perpetuarão para sempre esse marco histórico da Revolução de Abril».
«O Alentejo e Estremoz perdem um dos seus filhos mais ilustres, que levou bem longe o nome de Estremoz e do Alentejo», salienta a DOREV.
***
Via Carlos Carvalho:
Rogério Ribeiro destacado professor, artista plástico e militante e dirigente do PCP, abraçou desde jovem a luta antifascista pela liberdade e a democracia!

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=479343675546921&set=pcb.479344745546814&type=1&theater
*

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=479343752213580&set=pcb.479344745546814&type=1&theater
*

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=479343875546901&set=pcb.479344745546814&type=1&theater