20/11/2015

5.159.(20noVEM2015.7.7') CDU2009...







***
30out2009




Paulo Inácio sucede a Gonçalves Sapinho


Edil da Câmara de Alcobaça toma posse recordando herança dos monges de Cister
Perante uma plateia repleta de convidados e público em geral,
os eleitos para a Câmara e Assembleia Municipal de Alcobaça, bem como os presidentes das Juntas de Freguesia do concelho tomaram posse na noite de 30 de Outubro, na Sala dos Monges do Mosteiro de Alcobaça. Luís Félix Castelhano foi eleito presidente da Assembleia Municipal de Alcobaça, tendo como secretários da Mesa Gina Rodrigues e Óscar Fortes. A sessão ficou também marcada pela despedida de Gonçalves Sapinho das lides autárquicas, após 12 anos como presidente da Câmara de Alcobaça. Usaram da palavra, na ocasião, Gonçalves Sapinho, Paulo Inácio e Luís Castelhano, além dos líderes das bancadas parlamentares: Ana Branco, Leonel Fernandes, Isabel Granada, José Canha e Pedro Mateus Guerra Paulo Inácio começou o seu discurso saudando o seu antecessor, Gonçalves Sapinho, “ilustre figura que por direito próprio conquistou um lugar na história.”Vossa Excelência como cidadão, como homem político, conseguiu, com justiça e de forma singular um lugar na história do nosso concelho e porque não dizê-lo na nossa nação. Respigando uma pequena parte da sua vida, deputado da constituinte, fundador da ANAFRE, director de um dos colégios mais importantes do país, autarca nos mais diversos patamares, presidente da Câmara Municipal de Alcobaça por mais de uma década, ficará sem duvida consagrado nos anais das mais ilustres figuras do concelho”, sublinhou. O novo presidente da Câmara Municipal de Alcobaça repetiu as principais linhas de actuação do programa eleitoral sufragado pelos alcobacenses, realçando as suas propostas no âmbito do emprego e das politicas sociais e defendendo que ao nível da economia e para combate ao desemprego é essencial a constituição de uma agência de desenvolvimento com a finalidade exclusiva da atracção de investimento com contactos permanentes com as associações empresariais nacionais e internacionais, tal como é imperativo o apoio e a colaboração com as pequenas e medias empresas do nosso concelho. O autarca recordou também a implementação de centros e corredores de empresa como “uma alavanca importantíssima para a criação de emprego imprescindível para o crescimento demográfico que todo o nosso concelho precisa.” No que concerne “ao primado de uma câmara ao serviço do cidadão,
Paulo Inácio e Gonçalves Sapinho:
princípio fundamental do nosso projecto, acreditamos que a constituição da loja do munícipe por força da via verde empresarial poderá também ser um bom instrumento para captarmos um bom investimento e emprego”, disse. Nas politicas sociais, o edil promete adaptá-las à presente realidade. “Conhecemos adesumanização e o isolamento crescente que existe na nossa sociedade, pelo que o incremento da acção social junto da terceira idade é na actualidade cada vez mais premente”, além de que “as dificuldades por todos conhecidas obrigam a criação de equipas de apoio domiciliário polivalente.” Segundo Paulo Inácio, “o aumento da esperança média de vida e a crescente incapacidade de prover às necessidades mais básicas impõe às autarquias dar particular atenção à possibilidade de comutar tais dificuldades. Para o desiderato de unir os coutos alcobacenses é necessário polítícas correctas na cultura no desporto e no associativismo. A cultura e o desporto de nós para nós originará oportunidades únicas aos nossos artistas e desportistas como funcionará como factor de agregação do nosso concelho”, referiu. Por outro lado, “não me canso de repetir que a cidade tem que ter orgulho nas suas freguesias e estas na sua cidade, só assim ganharemos escala e caminharemos para ultrapassar a crise. no âmbito do associativismo e das colectividades elemento reverenciador na comunidade portuguesa na Europa decorrendo do seu espírito comunitário agregador reveste-se de primordial importância o seu funcionamento em rede, também vamos trabalhar ai nessa áreas.”


O autarca reafirmou igualmente que “na educação são
Mesa da Assembleia Municipal: Gina Rodrigues, Luís Castelhano e Óscar Fortes
os nosso saberes locais que vão permitir atingir outros patamares educacionais, vamos procurar essa via, vamos procurar novos caminhos para chegarmos lá.” Por fim, Paulo Inácio adiantou que “numa sociedade moderna a politica ambiental tem que ser competitiva e ambiciosa, não descorando a multiplicidade de problemas teremos uma política de vanguarda na eficiência energética e também a qualidade de vida é uma exigência para os idosos, adultos, jovens e crianças. A implantação de parques verdes é essencial ao bem-estar de todos e são espaços de contacto inter-geracional que podem aprofundar valores intemporais.”

Membros eleitosCÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA
Partido Social Democrata
Paulo Jorge Marques InácioPresidente da Câmara Municipal de AlcobaçaHermínio José da Cruz Augusto RodriguesVereador da Câmara Municipal de AlcobaçaMónica BatistaVereadora da Câmara Municipal de AlcobaçaJosé Fialho VinagreVereador da Câmara Municipal de Alcobaça
Partido Socialista
José Acácio Paulino BarbosaVereador da Câmara Municipal de AlcobaçapJorge Manuel Pereira AgostinhoVereador da Câmara Municipal de AlcobaçaCDURogério Manuel Madeira RaimundoVereador da Câmara MunicipalASSEMBLEIA MUNICIPALPara a eleição da Assembleia Municipal de Alcobaça foi apresentada uma única lista,constituída por Luís Félix Castelhano (PSD), Gina Maria Francisco Mendes Rodrigues (PSD) eÓscar Acácio Fortes dos Santos (PSD). A Mesa para a Assembleia Municipal de Alcobaçaficou, assim, aprovada com 25 votos a favor, 6 votos brancos e 7 nulos.Membros da Assembleia MunicipalLUÍS FELIX CASTELHANOPresidente da Assembleia MunicipalGINA MARIA FRANCISCO MENDES RODRIGUESPrimeiro Secretário da Assembleia MunicipalOSCAR ACÁCIO FORTES DOS SANTOSSegundo Secretário da Assembleia MunicipalGrupo Parlamentar do PSDPEDRO MATEUS GUERRAEDUARDO JORGE OLIVEIRA NOGUEIRAEDUARDO MANUEL ROMERO DIAS MARQUESGINA MARIA FRANCISCO MENDES RODRIGUESLILIANA BAPTISTA DE SOUSAPEDRO MANUEL DOS SANTOS HONÓRIO NOBREJOSÉ LUIS FIALHO FAUSTINORAUL JOSÉ AFONSO DUARTESANDRA MARIA TIAGO DA SILVA VICENTETELMO ANTÓNIO MACHADO DA SILVA MOLEIROGrupo parlamentar do PSJOSÉ ANTÓNIO DE SOUSA CANHAALEXANDRINA MARIA AFONSO LOURENÇOEUGÉNIA MARIA SOARES RODRIGUESCÉSAR JOSÉ LOURENÇO DOS SANTOSNUNO ANTÓNIO NARCISO PEREIRAGrupo parlamentar da CDUISABEL MARIA GRANADA FERREIRA SANTOSABILIO JOSÉ CASTANHEIRO FILIPEJOÃO PAULO MADEIRA RAIMUNDORepresentante do CDSLEONEL FERNANDES SANTOS JOAQUIMRepresentante do Bloco de EsquerdaANA BRANCOPresidentes de Juntas de FreguesiaMARIA MANUELA FERREIRA DA COSTA POMBO (Alcobaça)MARIA DA NATIVIDADE BERNARDES MARQUES (Alfeizerão)HELDER TEODORO DA CRUZ (Alpedriz)ORLANDO MARQUES PEREIRA (Bárrio)PAULO JORGE DE CARVALHO MATEUS (Cela)ALVARO JOAQUIM LOUREIRO SANTO (Cós)JOAQUIM MARQUES PEGO (Évora de Alcobaça)ROSA MARIA BAPTISTA DE SOUSA DOMINGUES (Maiorga)FERNANDO GOMES ESCUDEIRO (Martingança)OSCAR ACÁCIO FORTES DOS SANTOS (Montes)VALTER ANTÓNIO GASPAR DE BERNRDINO RIBEIRO (Pataias)JOSÉ LOURENÇO SEVERINO (Prazeres de Aljubarrota)JOAQUIM AUGUSTO DA CONCEIÇÃO CLÉRIGO (São Martinho do Porto)AMILCAR BARBOSA DE SOUSA RAIMUNDO (S, Vicente de Aljubarrota)JOSÉ CARLOS MENDES TERESO (Turquel)ANTÓNIO TRINDADE ANDRÉ (Vestiaria)DANIEL LOURENÇO SUBTIL (Vimeiro)MARIA JOSÉ FILIPE (Benedita)
05-11-2009
***


onde consta o


Discurso do Presidente eleito Paulo Inácio


DISCURSO DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA NO ACTO
DE INSTALAÇÃO DAS ENTIDADES: CÂMARA MUNICIPAL E ASSEMBLEIA
MUNICIPAL
Permita-me que comece por cumprimentar o Dr. José Gonçalves Sapinho
Exmos. Senhores Vereadores
Exmo. Senhor Deputado da Republica
Exmo. Presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha
Representantes dos Partidos Políticos aqui presentes
Exmos. Senhores Presidentes de Junta
Autoridades Civis
Comunicação Social
Minhas Senhoras e Meus Senhores



Agradeço desde já a vossa presença tão expressiva diversificada e representativa,
conferindo assim a este acto uma responsabilidade acrescida. Para lá da grande
honra que é para mim assumir as funções de Presidente da Câmara Municipal de
Alcobaça, importa em primeiro lugar



referenciar o meu antecessor Dr. José Gonçalves Sapinho,



ilustre figura que por direito próprio conquistou um lugar na história.
Vossa Excelência como cidadão, como homem político, conseguiu, com justiça e de
forma singular um lugar na história do nosso concelho e porque não dizê-lo na nossa
nação. Respigando uma pequena parte da sua vida, deputado da constituinte,
fundador da ANAFRE, Director de um dos colégios mais importantes do país, autarca
nos mais diversos patamares, Presidente da Câmara Municipal de Alcobaça por mais
de uma década, ficará sem duvida consagrado nos anais das mais ilustres figuras do
concelho. Seria igualmente bastante injusto não deixar aqui um palavra de
agradecimento a toda a sua família que de forma solidária abdicou do convívio familiar
para bem do concelho a eles o meu muito obrigado.



Dirijo também a todos os Autarcas cessantes



Vereadores, Presidentes de Junta e Deputados Municipais um reconhecido e devido agradecimento pelo seu empenho e
dedicação à causa pública, a todos eles independentemente da cor partidária também
os Alcobacenses agradecem.



Ao amigo Dr. Luís Félix Castelhano,



futuro, espero eu Presidente da Assembleia
Municipal, desejando a ele a todos os deputados um óptimo mandato, quero também
dirigir a garantia absoluta do respeito escrupuloso do tratamento democrático
institucional, na certeza da reciprocidade sei bem da dificuldade do exercício e
direcção das funções que Vossa excelência há-de assumir dentro de minutos. Esse
conhecimento exige de mim, uma acrescida responsabilidade que procurarei cumprir,
não tenha dúvidas.



Senhores Vereadores



neste solo singular património da humanidade assumimos uma
enorme responsabilidade que teremos de exercer com total verticalidade e integridade.
Aqui, berço da nacionalidade, afirmando solenemente o dever de confirmar o legado
de Cister, partimos para o desejo para a obtenção de um futuro de modernidade, daqui
acredito que podemos e devemos com realismo e consciência das dificuldades
caminhar para o progresso com politicas humanizadas e coincidentes com as nossas
necessidades, a crise global e as dificuldades do presente, exigem como nunca rigor e
inteligência na sua execução, é o repto genuíno que faço a todos aqueles que foram
eleitos democraticamente e de forma indiscriminada a todas as forças partidárias, é
que na assunção plena da divergência façamos do dialogo a plataforma que
possibilitará ultrapassar a descrença no futuro.
Da minha parte todo farei para respeitar a deferência e a oposição, na convicção da
idêntica disponibilidade desta, para colocar os superiores interesses do concelho de
Alcobaça acima de quaisquer outros, espero uma leal cooperação que ultrapasse a
conflitualidade verbal prejudicial aos munícipes. Observando religiosamente os direitos
da oposição a separação dos poderes e as competências próprias de cada órgão
seremos dialogantes mas determinados na decisão respeitando os valores e os
princípios programáticos sufragados no dia 11 de Outubro.
Senhores Deputados Municipais, enquanto, representantes democráticos do órgão
deliberativo, vossas excelências também incorporam o municipalismo realidade
geografia de organização administrativa anterior à própria fundação da nacionalidade,
integrando legitimamente o poder autárquico espero e desejo toda a vossa
colaboração.

Exmos. Senhores Presidentes de Junta,



reconheço o vosso papel vital como primeiro patamar da administração publica e de conhecimento singular da realidade, reafirmo aqui o propósito do incremento da descentralização de competências e também em virtude dos escassos recursos que vivemos peço-vos ajuda como nunca numa clara definição de prioridades sendo certa que esta só pode ser conseguida através de políticas de proximidade, e vossa excelência são os que estão mais próximos dos munícipes, também concomitantemente impõe-se o reactivamento dos meios internos municipais, e a disponibilidade destes ao serviço da comunidade. Sendo certo que é nos momentos de dificuldade que devemos aguçar o engenho e nesta matéria também vocês senhores presidentes de junta são imprescindíveis, conto convosco.



Meus Senhores e Minhas Senhoras



aproximando-se o fim dos fundos comunitários impõem definitivamente uma estratégia nos mais diversos sectores para o nosso concelho. O enquadramento de Alcobaça no panorama global, nacional e regional tem necessariamente de adaptar-se à realidade actual, nomeadamente, na relação com o poder central sem olvidar a solidariedade devida ao esforço nacional, tem de passar pela definição clara das nossas principais pretensões no sentido de adquirirmos uma
legitimidade e consistência do nosso poder de reivindicação.



Neste âmbito o Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça



uma peça arquitectónica da
humanidade representa para Alcobaça e para o pais uma responsabilidade acrescida
desde logo as suas pedras são testemunhos vivos da história de Portugal que devem
ser preservados não só pela sua admirável beleza mas como um legado ás gerações
vindouras, é a sala de visitas de Alcobaça e por esse facto todos os benefícios que dai
podem decorrer ficam aquém de um monumento com mais de oito séculos de historia.
Senhores Autarcas é tempo de nos unirmos numa só voz, nesta e noutras matéria
decisivas par ao nosso progresso, no turismo, na saúde, no emprego e na educação,
se tivermos unidos obteremos inequivocamente melhores resultados, vamos a isto, eu
conto com todos.



Sufragado o programa para o próximo mandato



sobejamente conhecido por todos não
quero repetir, é no entanto importante em virtude das dificuldades imediatas realçar as
nossas propostas no âmbito do emprego e das politicas sociais, ao nível da economia
e para combate ao desemprego é essencial a constituição e uma agencia de
desenvolvimento com a finalidade exclusiva da atracção de investimento com
contactos permanentes com as associações empresariais nacionais e internacionais,
tal como é imperativo o apoio e a colaboração com as pequenas e medias empresas
do nosso concelho.
A implementação de centros e corredores de empresa será também uma alavanca
importantíssima para a criação de emprego imprescindível para o crescimento
demográfico que todo o nosso concelho precisa.
No que concerne ao primado de uma câmara ao serviço do cidadão, principio
fundamental do nosso projecto acreditamos que a constituição da loja do munícipe por
força da via verde empresarial poderá também ser um bom instrumento para
captarmos um bom investimento e emprego.
Nas politicas sociais procuraremos adapta-las à presente realidade, conhecemos
desumanização e o isolamento crescente que existe na nossa sociedade o incremento
da acção social junto da terceira idade é na actualidade cada vez mais premente, as
dificuldades por todos conhecidas obrigam a criação de equipas de apoio domiciliário
polivalente.
O aumento da esperança média de vida e a crescente incapacidade de prover às
necessidades mais básicas impõe às autarquias dar particular atenção à possibilidade
de comutar tais dificuldades. Para o desiderato unir os coutos alcobacenses é
necessário políticas correctas na cultura no desporto e no associativismo.
A cultura e o desporto de nós para nós originará oportunidades únicas aos nossos
artistas e desportistas como funcionará como factor de agregação do nosso concelho.
Não me canso de repetir que a cidade tem que ter orgulho nas suas freguesias e estas
na sua cidade, só assim ganharemos escala e caminharemos para ultrapassar a crise.
no âmbito do associativismo e das colectividades elemento reverenciador na
comunidade portuguesa na Europa decorrendo do seu espírito comunitário agregador
reveste-se de primordial importância o seu funcionamento em rede, também vamos
trabalhar ai nessa áreas.

Reafirmo igualmente que na educação são os nosso saberes locais que vão permitir
atingir outros patamares educacionais, vamos procurar essa via, vamos procurar
novos caminhos para chegarmos lá.
Numa sociedade moderna a politica ambiental tem que ser competitiva e ambiciosa,
não descorando a multiplicidade de problemas teremos uma política de vanguarda na
eficiência energética e também a qualidade de vida é uma exigência para os idosos,
adultos, jovens e crianças. A implantação de parques verdes é essencial ao bem-estar
de todos e são espaços de contacto inter-geracional que podem aprofundar valores
intemporais.
Alcobacenses, é do vosso conhecimento o projecto e a estratégia recentemente
homologada para a afirmação inequívoca do nosso concelho quer a nível distrital,
regional e nacional.
Eu perante vós assumo solenemente que tudo farei para que assim aconteça, sou um
de vós e muito me honro representar-vos, com orgulho no nosso passado mas
determinados conquistaremos um futuro mais promissor para as nossas famílias, só
depende de nós, o futuro está nas nossas mãos
.
VIVA ALCOBAÇA
O Presidente da Câmara Municipal de Alcobaça
Paulo Jorge Marques Inácio
***
31mar2009
Unir ALCOBAÇA
Vamos abrir a Câmara
e dar prioridade às pessoas!!!


Está na hora de mudar,
está na hora de os munícipes de Alcobaça perceberem
que há outra forma de governar
com multiplicação de boas práticas políticas
desde o lugar, freguesia, cidade
ou tendo em conta o indivíduo, o grupo de cidadãos ou a Instituição.


Fui Vereador na OPOSIÇÃO sem pelouros
Nestes quase 12 anos procurei conquistar os espaços mínimos para trabalhar com eficácia, respeitando o eleitorado que me elegeu.
No primeiro mandato tive bastante dificuldade para conquistar um gabinete, onde pudesse atender os munícipes, os jornalistas, para telefonar ou escrever na Câmara Municipal. Só ao fim de um ano e alguns meses é que consegui esse espaço.
Para que se saiba não tenho um salário nem ajudas de custo, como têm os elementos que estão a tempo inteiro na Câmara Municipal. Apenas recebo a quantia de cerca de 70 euros por cada reunião em que estou presente.
Circulo nos 400km2 do concelho à minha conta e no meu carro, para ver in loco problemas e estar presente nos muitos eventos para que sou convidado... Tenho, assim, retirado parte do meu salário mensal, para poder fazer um trabalho com qualidade, conhecendo bem a realidade, vendo todas as problemáticas dos diferentes pelouros, para depois poder interpretar politicamente estas questões.
Posso dizer que tenho menos bens, mas tenho muito mais saber do que é o concelho e do que os alcobacenses necessitam para serem felizes.

O balanço deste mandato 2005.2009
O balanço é mais uma vez positivo porque estou de consciência tranquila, porque sei que trabalhei muito, respondendo às solicitações dos munícipes e das Instituições e preparando em conjunto com os meus camaradas as propostas políticas alternativas.
Participei activamente e contribuí em todos os assuntos.
Este mandato tem a particularidade de terem acabado as reuniões semanais. A Câmara passou a ter regulamento de funcionamento e passou a reunir ordinariamente 2 vezes por mês e assim, houve de facto, uma ligeira redução do trabalho.
O atraso do QREN, por parte do Governo, originou um mandato com menos obras, menos acções e menos realizações.
A CMA liderada pelo PSD/Sapinho esteve a pagar as dívidas resultantes de aquisições com custos muito elevados, como foi o caso da Quinta de Serra (para a ALE da Benedita), e agora também a Quinta da Cela (Alfeizerão) para a eventual colocação do Hospital Oeste-Norte. Todos esses grandes investimentos fizeram com que a Câmara tivesse menos poder financeiro para poder realizar obras per si e assim as freguesias e as Instituições tiveram menos obras e menos respostas que a situação de crise exigia.

Investimentos que a Câmara Municipal fez e que estivemos contra
Temos estado contra grandes questões políticas onde temos demonstrado a nossa alternativa, a nossa política diferente da maioria PSD/Sapinho.
Votámos contra a aquisição destes dois terrenos por terem sido mal negociados.
Votámos contra a negociação do abastecimento de água “em alta” com a empresa Águas do Oeste, porque será um negócio completamente ruinoso para o bolso dos munícipes se não conseguirmos renegociar o assinado em 2002.
Por outro lado, a entrega das ETAR’s foi outro dos grandes erros da maioria PSD, e que neste mandato já se está a sentir na conta mensal do munícipe: de 2005 até agora, a factura da água e saneamento, no mínimo duplicou, mas triplicou para muitas famílias e empresas. Nem sequer as Colectividades, as IPSS ou as freguesias foram tidas em conta.
Fomos a favor da implementação da Zona Industrial prevista no PDM entre Turquel e Benedita. Demoraram este tempo todo e ainda não há solução concreta da ALEBenedita.Não estamos contra a implementação de um novo hospital público se se provar como solicitámos o debate informativo e esclarecedor, com todas as partes... Não havendo certeza, foi um custo precipitado. Sou muito crítico com a maioria PSD, que não é capaz de envolver os interessados e dialogar com todas as entidades. Este Hospital Oeste-Norte deveria ser decidido com a parceria e negociações cordiais com os colegas autarcas vizinhos.
Estivemos contra a Carta Educativa com o fecho de dezenas de escolas e jardins e a construção de mega centros escolares para crianças de tenra idade.
Votámos contra a criação da empresa municipal para construir 6 centros escolares e o Pavilhão desportivo de Évora. (Neste momento só tem 2 centros e o Pavilhão)
Não haver uma boa dinâmica de cooperação estratégica entre as Câmaras Municipais nomeadamente com a Nazaré, relevando as especificidades da região Alcobaça/Nazaré é um grande erro desta maioria PSD/Sapinho.

Maioria PSD/Sapinho foi sectária, fechadaNestes 3 mandatos tenho verificado que a maioria considera as minhas propostas positivas, mas grande parte delas não foram realmente aplicadas. Foram sectários, fechados e tiveram medo de me atribuir pelouros ou responsabilidades.
Todos os anos reclamei a possibilidade de participar na administração dos Serviços Municipalizados dada a relevância da água e do saneamento e as importantes verbas geridas, sectariamente, por 3 administradores PSD.

Fizemos uma análise exaustiva e relevámos 29 frentes negativas e onde temos propostas alternativas.que enumeramos:
1. Ausência de planeamento estratégico. Defendemos o PEDAL, o GEMA e uma Revisão PDM participada.
2. Houve avanços na Cultura, mas nós queremos Alcobaça como Capital permanente da Cultura, Terra d’Arte e d’Artistas.
3. Não foram capazes de criar um Conselho Informal da Juventude. Nós queremos atrair e fixar jovens com empregos com direitos e com futuro.
4. A Habitação social e a habitação a custos controlados tem de existir em todas as freguesias. Também é um fracasso total desta maioria, porque em 12 anos ainda não foram completados os 112 fogos que o anterior presidente do PS (em 1992) tinha negociado com o Instituto Nacional de Habitação.
5. A Educação é essencial e está quase tudo por fazer. Escolas d’ Amanhã. Envolvimento dos 2 milhares de Professores e Educadores, muitos deles com saberes especiais, com mestrados, pós graduações e doutoramentos. Defendemos a criação do Centro Local de Aprendizagem da Universidade Aberta. A Universidade de Coimbra tem mesmo que se desenvolver em Alcobaça!6. Nós saberemos desenvolver Alcobaça Concelho saudável. Apostaremos na Saúde Preventiva e Mental. Sim ao Hospital Bernardino d’ Oliveira
7.Teremos outra dinâmica no Desporto de massas, para todos, incluindo o escolar. Temos o projecto “Alcobacíadas”. Saberemos desenvolver com as colectividades os Jogos Tradicionais.
8. Rede Social e solidariedade activa. Integração da comunidade imigrante. Rentabilizaremos o espaço das colectividades, que desejarem, para servir a terceira idade e a juventude. Com pequenos investimentos podemos ter respostas de qualidade e de apoio a estas áreas.
9. Alcobaça cidade Museu. Museu da Abadia. Museu dos Coutos. Cooperaremos com o magnífico Armazém das Artes. Abriremos e renovaremos o Museu Nacional do Vinho. Colocaremos o Mosteiro de Cós nos roteiros turísticos. Desenvolveremos o plano para a Cela Velha com o Museu das Máquinas falantes, museu etnográfico e agrícola.
10. Teremos muito mais cuidado com os Eventos Municipais, daremos o destaque merecido ao Dia do Município e as diversas Feiras serão animadas.
11. Teremos estratégia para o Turismo, que pode ser factor de desenvolvimento económico, social e cultural. Defendemos uma estratégia para atrair pessoas nas épocas baixas. Desenvolveremos o PPPP (Plano de Promoção do Pinhal e das Praias de Pataias).
12. Os alcobacenses passarão a estar a par do que se passa no Oeste e nas empresas intermunicipais. Defendemos uma nova dinâmica de cooperação com os municípios vizinhos.
13.Incentivaremos e confiaremos nos trabalhadores do município e dos Serviços Municipalizados, porque sem motivação deles não podemos crescer e evoluir. Avaliaremos justamente e promoveremos os melhores.
14. Passaremos a conhecer o nosso bem Água, que consideramos estratégico! Bem precioso público.
15.A sustentabilidade Ambiental é decisiva e saberemos desenvolver a Agenda local 21.
16. Teremos projectos para as novas energias e fomentaremos a Eficiência Energética.
17. A nossa diversidade será potenciada porque inclui Mar, zonas ribeirinhas, Lagoa de Pataias e serra.
18. Estamos em níveis baixíssimos de Saneamento. Temos novas soluções integradas, valorizando empresas d’ Alcobaça.
19. Criaremos mais receitas (prata da casa) e Pagaremos “na hora” (fornecedores).
20. Geminações a sério. ECOA (Embaixadores do concelho de Alcobaça).
21. Associação de Municípios de Cister e a Rota Europeia terão vida e impulsos decisivos.
22.Praticaremos efectiva descentralização de meios e competências, com apoio transparente aos autarcas das freguesias. Promoveremos a Associação de Freguesias.
23. Teremos Arquivo Municipal e histórico do município.
24. Política para a Pessoa deficiente e as Barreiras Arquitectónicas estará sempre na nossa acção sistemática para a Inclusão.
25.Praticaremos o envolvimento e cumprimento do Estatuto da Oposição.
26. Atendimento aos Munícipes e Relações Públicas será em “open space” e cada vez mais próximo do cidadão.
27. Participação do munícipe é vital. Conselhos Municipais/ activos. Locais informais, todos pelouros.
28. Contamos com a criatividade dos empresários e dos empreendedores. IDEIA (Investir Desenvolvimento Económico Integrado alcobacense). CÁ (consumir em Alcobaça).
29. A requalificação dos Centros Históricos e das praças da cidade, vilas e aldeias é fundamental para a coesão social do nosso concelho. Queremos mais habitação a custo controlado, investimento no restauro de edifícios na cidade de Alcobaça e nas principais freguesias. Desta forma evita-se o vazio, a desocupação e efectiva-se realmente o restauro de edifícios nos centros históricos.

Estas e outras propostas onde podem ser encontradas
O município liderado pela CDU tem a vantagem de já ter muitas propostas amadurecidas devido à experiência adquirida nestes 12 anos. No site http://www.vivalcobaca.org/ e no blog http://www.uniralcobaca.blogspot.com/
os leitores do Tinta Fresca poderão encontrar outras dezenas de propostas que apresentámos, arrumadas por pelouro ou assunto.

Valorizar o trabalho de todos os autarcas
Para haver uma boa governação local é preciso sonhar, é preciso fazer projectos, mas depois também é preciso saber envolver a população, os autarcas, as pessoas interessadas. Esta maioria não consegue envolver, nem sequer os dois vereadores da oposição.
Nós temos 18 freguesias e temos cerca de 200 autarcas. Nestes 12 anos a Câmara não teve qualquer contacto com os Presidentes das Assembleias de Freguesia e os seus membros. Mesmo o órgão Assembleia Municipal, não foi dignificado com instalações para poder produzir. Temos um “exército” mas precisamos de os saber motivar e dar meios para realizarem a PAZ com obras e acções.
Saberei envolver todos os vereadores eleitos, mesmo os do PSD que agiram sectariamente para comigo. Todos os que quiserem trabalhar terão pelouro e responsabilidades. Saberei somar e potenciar as capacidades dos eleitos dos outros partidos.
Entendemos que os Partidos devem ser escolas de democracia e só o poderão ser se estiverem a par do que se pensa fazer no Poder Local.

O que aprovei para melhorar o concelho de Alcobaça
Não há nenhuma estrada ou grande obras (seja o cine teatro, as piscinas de Pataias e Benedita, escolas e jardins, obras de SMPorto, requalificação urbana, saneamento, abastecimento de água) que eu não tenha aprovado. Não é aí que existe a diferença, nesses casos até houve a aceitação de algumas sugestões. Onde está a diferença é de facto na incapacidade de serem receptivos a propostas políticas centrais, que vamos implementar logo que tenhamos poder.

A minha autoavaliação do que tenho feito como vereador
Tenho a consciência tranquila, porque dei o meu melhor. As pessoas estão satisfeitas com a minha permanente intervenção política e com a informação que presto, quer através do site, por e-mail, nomeadamente pela divulgação do registo que faço das reuniões de Câmara. É claro que estaria muito mais satisfeito, se a maioria das propostas que apresentei estivessem a resolver os problemas concretos das pessoas e a dar mais felicidade e qualidade de vida.

O que os munícipes me vão dizendo.
Vão-me transmitindo confiança e força, ao longo destes 3 mandatos. Para não desistir, para continuar, porque confiam em mim e acham o meu trabalho positivo e a prova é que me fazem chegar sugestões e críticas, de forma a melhorar o trabalho da CDU.

Sobre a não recandidatura do presidente Gonçalves Sapinho
Nós preferíamos fazer o combate eleitoral com ele. Lamentamos que seja por motivos de saúde que não se recandidate a presidente de Câmara. Também ainda não sabemos se não é ele o candidato à presidência da Assembleia Municipal. Isso era o que nós preferíamos. Queremos derrotar, eleitoralmente, o projecto PSD, liderado ainda por Gonçalves Sapinho.

Acredito que a CDU pode vencer as autárquicasNós vamos renovar a equipa, incluir jovens, mulheres e pessoas capazes de produzir boas soluções em todas as frentes e para todas as freguesias. Pensamos que está na hora de os alcobacenses experimentarem outra liderança local, uma governação CDU. Podemos fazer muito mais e melhor por Alcobaça e pelos alcobacenses. A maioria CDU, nas próximas eleições, será uma óptima notícia. Experimentar a gestão CDU, é transformar a governação local, será implementar um bom conjunto de boas práticas políticas de efectivo serviço público.

Sou novamente o primeiro da lista CDU para a CMA.Por consenso a coordenadora da CDU voltou a propor-me para 1º da lista à Câmara.
É a sexta vez! Comecei com 1200, depois crescemos 50% e passámos para 1800, depois demos um salto enorme para 6033, Em 2001 tivemos 6500 votos sem a freguesia da Moita. Em 2005, com o Bloco a concorrer tivemos mais de 5000 votos.
Espero que esta persistente aprendizagem, nestes 3 mandatos como Vereador, me permita transmitir a confiança a mais eleitores de forma a conseguirmos a Maioria e podermos ter uma liderança CDU.
Poderia ter optado por projectos de maior interesse pessoal, mas achei que servir a causa pública, pondo toda a minha energia e saber acumulado, é de facto, uma missão que gosto. Sou feliz a trabalhar para ajudar a satisfazer interesses e necessidades colectivas.

O que mais gostaria de fazer nos primeiros tempos como Presidente
Terei mais em conta a economia para criar mais riqueza e mais emprego com direitos e procurar que o nosso concelho tenha respostas para as pessoas terem uma vida feliz.
Descentralizar meios e competências para as freguesias e instituições.
Atacar a dívida imensa deixada pelo PSD/Sapinho e criar mais fontes de receita.
Concretizar todas as questões sociais importantes tendo em conta as Instituições e os autarcas das Freguesias.
Fomentar o desporto popular, apoiar muito mais a dinâmica da cultura e o papel das nossas colectividades.
Aumentar as respostas qualificadas no saneamento e potenciar a nossa riqueza em água.
Outra das acções é concretizar a progressão de carreira de muitos trabalhadores da Câmara e dos Serviços Municipalizados. Os recursos humanos são outra questão muito mal conduzida por esta maioria.

Para terminar
Espero que os alcobacenses estejam atentos e acreditem que são possíveis outras práticas políticas, se motivem para estes actos eleitorais, não fiquem em casa, votem e confiem na CDU.
Nós iremos contribuir para unir os alcobacenses, para abrir a Câmara, ouvir e recolher opinião, para a boa resolução dos seus problemas e na busca permanente de melhor qualidade de vida.

Rogério Manuel Madeira Raimundo
Candidato a Presidente da Câmara
Pela CDU
Nas Autárquicas de Outubro de 2009

Texto especialmente produzido para o Jornal Digital “Tinta Fresca”
31 Março 2009
***
Felisberto Matos:
Coragem para mudar?
Desculpa lá Rogério!


Nestas eleições para a Câmara de Alcobaça é tão fácil escolher entre ti -Rogério -(PCP-CDU) o Adelino Granja, (BE) o José Acácio,(PS) o Pedrosa,(PS? MCIA), o Paulo Inácio (PSD) e o Jorge (CDS), que instintiva, automaticamente, a maior parte de nós, eleitores, por te conhecermos melhor que a qualquer outro, votará em ti.
Sem desprimor para qualquer deles, quem conhece o Paulo Inácio ou o José Acácio? Pouca gente, muito pouca!
Entre ti, o Pedrosa e o Adelino Granja, poderá haver hesitações, mas penso que levas a melhor, de longe.
Tu, Rogério Raimundo és, tens sido desde há muitos anos, o amigo, o companheiro dos bons e maus momentos. Todos te conhecem e conheces a todos.
A tua palavra amiga, o teu empenho, a tua força, o teu amor por Alcobaça e pelos Alcobacenses (de todo o concelho) são uma constante. Haverá alguma pessoa ou algum buraco do concelho que não conheças? Ou não te conheça?
Haverá alguém do concelho com quem não fales, com quem de perto ou de longe não colabores, não trabalhes ou troques ideias e informações, de igual para igual?
És, sem dúvida, o elo de ligação entre todos nós. És o vereador (sem pelouro) que falas (o que é dificílimo) com o Presidente da Câmara, com os vereadores do PSD, com o vereador do PS, com todos os Presidentes das Juntas de Freguesia, com todos os cidadãos, independentemente da idade, do sexo, da raça, da religião, da ideologia, condição económico – social, do partido ou sem partido.
Falas, convives, ajudas sem tabus ou preconceitos ou partidarites.
Em Alcobaça e em PORTUGAL, não tenho dúvidas, tenho a certeza: és Caso Único.
Tu és cada um de nós e cada um de nós é uma parte de ti.
Uma espécie de irmãos, unidos por uma solidariedade fraterna, indestrutível.
Dá-se o caso de teres atrás de ti uma bandeira, a do PCP – CDU. Tal como todos os outros candidatos têm a deles.
E por isso, só por isso, ainda não foste eleito Presidente da Câmara!
Se fingisses que não tinhas partido ou tivesses mudado, já serias Presidente há muito tempo.
Não o fizeste.
O que só te honra.
Não trocas de camisola, não és vira – casaca, só para seres Presidente.
És um homem sério, honesto, não te trocas, não te vendes, por uma ilusão de poder.
Não és troca – tintas! Fazes bem!
Quem te apoia (ou não) sabe que não será atraiçoado!
Ou insultado, humilhado, prejudicado, descriminado, hostilizado por te não apoiar.
Ou beneficiado, favorecido, por te apoiar.
És um homem Bom, Lutador, Pacífico, Determinado, Justo, Amigo.
ALCOBACENSE DOS PÉS Á CABEÇA. ALCOBACENSE DO CORAÇÃO E DA RAZÂO.
Queres apenas fazer o que é mais importante para Alcobaça, que é devolver-nos a cada um de nós, a dignidade, a honra, os direitos de cidadania, a nossa qualidade de Alcobacenses de corpo inteiro. Queres que participemos todos na gestão daquilo que é nosso, de todos.
Queres que todos, independentemente dos partidos, ajudemos (e que os demais candidatos que vierem a ser eleitos ajudem) a reerguer, elevar ALCOBAÇA ao seu melhor.
Queremos e precisamos de um Presidente que não mande, use e abuse de nós, mas que nos oiça e nos sirva!
Por esse teu enorme pecado, que é o de UNIR TODOS OS ALCOBACENSES em nome de ALCOBAÇA, desculpa lá, Rogério, mais uma vez, não precisarei de ter Coragem para votar em ti.
VOTAR EM TI É TÃO NATURAL E SAUDÁVEL COMO BEBER UM COPO DE ÀGUA, PURA E CRISTALINA!


Felisberto Matos
Advogado – Alcobaça
Independente de esquerda
***
José Alberto Vasco
e desde 11.julho.2009, José Alberto Vasco assumiu:
"a partir de hoje, considera-me
apoiante da tua candidatura. sem espinhas...
abraço
jav"
No último região de cister (9-7-2009) saiu este artigo de opinião
A(S) CONVERSA(S) DO ROGÉRIO
Inicio esta crónica confidenciando que uma antiga e já por mim ultrapassada praxis de orientação trotzquista sempre me manteve sensatamente afastado de quaisquer intenções de aproximação a postulados estalinistas de qualquer espécie ou feitio. Essa assumida convicção levou a que sempre tenha mantido uma crítica divergência face a um singular e mediático movimento político nacional, que aglomera no seu seio personalidades historicamente dissociadas por uma feroz e violenta rivalidade histórica, que atingiu o seu clímax no México, pelas mãos de um tal Mercader, um catalão que concretizou os seus demoníacos instintos assassinando, traiçoeiramente, uma das mais notáveis e emblemáticas figuras da malograda Revolução Socialista soviética, a golpes de picador de gelo… Sempre me mantive também criticamente distante de qualquer simpatia política pelo esfíngico Álvaro Cunhal e cheguei mesmo a travar algumas pequenas guerras estudantis contra o sempre inexcedível Partido Comunista Português, nos históricos e inesquecíveis meses que se seguiram à nossa inolvidável Revolução de Abril… E já agora, aqui fica uma curiosidade destinada àqueles que adoram pesquisar contradições: fui um dos votantes numa já distante candidatura presidencial do comunista Octávio Pato, fazendo-o então em prol e defesa de uma Democracia que nessa época senti ameaçada no nosso país e muito mais concretamente na então vila de Alcobaça… Quem me leu até aqui já se terá muito claramente apercebido de que estou entre os que nunca votaram no sempre simpático e atento Rogério Raimundo em qualquer das suas anteriores candidaturas em eleições autárquicas no concelho de Alcobaça, pelo simples facto de sempre ter julgado que ele nunca me poderia representar (politicamente) na nossa edilidade. Quem me conhece saberá também que pela mesmíssima razão nunca votei nem votaria em Gonçalves Sapinho para o cargo político que actualmente exerce…
Vem esta catarse pública a propósito de um interessantíssimo evento que a candidatura do meu amigo Rogério Raimundo às próximas eleições autárquicas em Alcobaça tem promovido neste concelho, há cerca de um mês e meio. Sob o título/programa Conversas Públicas, esse evento tem convidado algumas personalidades sem quaisquer ligações de índole política aos partidos e organizações que formalizam institucionalmente a CDU, para protagonizar pertinentes conferências públicas em que são colocados em debate alguns dos temas mais actuais e importantes da presente e futura vivência de um concelho como o de Alcobaça. E se só esse facto já seria extremamente relevante na vida de instituições muitas vezes acusadas de terem sempre a mesma conversa para qualquer assunto (a famosa cassete), essas Conversas Públicas da CDU assumem ainda a saudável particularidade de serem abertas à participação do grande público, que, além de a elas poder assistir sem restrições de qualquer espécie, ainda ali desfruta da democrática possibilidade de poder livremente explanar as suas ideias e dar sugestões de actuação política a nível local. É verdade, caro/a leitor(a), as Conversas Públicas da candidatura do Rogério Raimundo estão mesmo a tornar-se um caso muito sério, em termos de aproximação partidária à chamada sociedade civil. Numa época em que a actividade política no nosso país se assume cada vez mais como uma hipócrita gestão analítica de números e valores impessoais, posso já muito convictamente sublinhar que a conversa do Rogério já não é sempre a mesma e até já me apercebi do feliz facto de esta sua candidatura estar a motivar um saudável e refrescante regresso de valores como o amor, o sonho e a utopia à vida política local. Não sei se isso lhe valerá mais alguns votos, mas sei, muito claramente, que o Rogério Raimundo está a trazer para o nosso concelho uma nova forma de fazer política: directamente pelas pessoas e para (todas) as pessoas, sejam elas de Alcobaça, de Pataias, da Benedita ou de qualquer outra freguesia do nosso concelho. A candeia do Rogério já vai bem à frente e está a tornar-se muito provável que ela nos continue a alumiar até ao próximo dia 11 de Outubro… Será?

José Alberto Vasco
(radialista)
***
adversário Dr. Pedrosa













meteu-se no MPT











respiguei do tintafresca.net

Com as siglas do Movimento Cívico Independente de Alcobaça e do MPT

Lista de independentes concorre à Câmarae Assembleia Municipal pela primeira vez
O Movimento Cívico Independente de Alcobaça, liderado por José Pedrosa, entregou, no dia 17 de Agosto, a sua lista concorrente à Câmara Municipal. Cerca de 2600 assinaturas garantiram a legalização do Movimento, que nasceu de uma cisão no PS local, mas que ampliou desde então a sua base social de apoio, congregando agora um grupo de pessoas politicamente mais abrangente, com personalidades de esquerda, socialistas, sociais-democratas, monárquicos e democratas-cristãos.
O empresário Vasco Gomes lidera a lista dos independentes à Assembleia Municipal, mas, neste caso, com a sigla do Movimento Partido da Terra. José Pedrosa explicou ao Tinta Fresca que a adopção de listas com nomes diferentes à Câmara e Assembleia Municipal se deveu a uma série de mal-entendidos quanto ao número mínimo de assinaturas legalmente exigível para concorrer à Assembleia Municipal, inicialmente fixado em 400. Posteriormente, o Movimento recebeu a informação de que, afinal, seriam 2400, o mesmo número exigido para concorrer à Câmara Municipal. Contactada a Comissão Nacional de Eleições, um dos seus membros terá afirmado que o número mínimo de assinaturas seria de 800 e um deputado da Assembleia da República terá mesmo defendido não serem sequer necessárias assinaturas para se concorrer a uma Assembleia Municipal. A indefinição só terminou já em vésperas da data limite para a entrega das listas, quando a Comissão Nacional de Eleições comunicou oficialmente que o número mínimo de assinatura era de 2400, valor já impossível de obter pelos apoiantes de José Pedrosa nos poucos dias que restavam. Contudo, após alguns contactos, o Movimento Partido da Terra disponibilizou-se para viabilizar a candidatura independente à Assembleia Municipal de Alcobaça sem condições prévias, além do crédito pessoal que lhe mereciam os líderes deste movimento. José Pedrosa admite que a utilização de dois nomes diferentes aos órgãos municipais é negativa sob o ponto de vista eleitoral e pode gerar confusão nalgumas pessoas, Contudo, apesar de reconhecer que a tarefa seria mais fácil se pudesse concorrer em ambos os casos como Movimento Cívico Independente de Alcobaça, promete que o grupo de independentes irá redobrar esforços até 11 de Outubro para elucidar todos os eleitores.
Paulo Bernardino é o rosto do sector católico no movimento de independentes
A candidatura apresenta como número dois à Câmara Municipal o nome de Paulo Bernardino, um quadro muito ligado à Igreja e aos projectos internacionais da Universidade Católica nos PALOP’s, que se apresenta nestas eleições também como mandatário distrital da Coligação Humanista, que agrupa o Movimento Partido da Terra e o Partido Humanista, contando o apoio de personalidades como o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, D. Duarte Pio, duque de Bragança e Pedro Quartin Graça, presidente do MPT. Natural de Évora de Alcobaça, mas residente em São Martinho do Porto, encontra-se neste momento a fazer um doutoramento em Sociologia, na Universidade Pontifícia de Salamanca, com uma tese sobre o “Pensamento Social e Politico do Alcobacense Dr. Acácio Ferreira Catarino”, da Benedita.
Em terceiro lugar surge Joana Mestre, docente, de Pataias, em quarto aparece o nome de Ramiro Ruas, ex-chefe de Gabinete de Gonçalves Sapinho, no seu primeiro mandato na Câmara de Alcobaça, seguido de dois professores: André Pires, de Turquel e Margarida Pires, de Alcobaça.
Por sua vez, a lista para a Assembleia Municipal de Alcobaça é liderada por Vasco Couceiro Gomes, empresário com várias empresas, mas cujo nome surge associado à Ginja de Alcobaça e à contestação pública das obras do centro histórico de Alcobaça. O segundo da lista é Jorge Silvestre, agente comercial da Vestiaria, seguido de Ana Paula Lourenço, jurista, Nicolau Marques, docente de Filosofia e Nelson Ribeiro, director de programas da Rádio Renascença.
No sexto lugar surge, Cláudia Ribeiro, psicóloga clínica, da Vestiaria, seguida de João Tiago Raimundo, músico dos Loto, José Félix Francisco, empresário da Benedita.
Nádia Fortes, estudante universitária, dos Montes, e António Coelho Oliveira, arquitecto. José Pedrosa revelou ao Tinta Fresca que espera ter o programa eleitoral concluído até final de Agosto, estando já definido o dia 12 de Setembro como a data para a sua divulgação pública, que deverá contar com a presença de duas figuras nacionais de referência.
20-08-2009
artigo d'opinião no tinta do Vasco Gomes:

Opinião

Movimento Cívico e Independente de Alcobaça

Vasco Couceiro GomesCada vez mais cidadãos chegam à conclusão que o sistema partidário vigente não os representa, os partidos políticos têm uma agenda própria, interesses inerentes, clientelas convenientes, que a maioria da população não compreende e que desconhece, pois os problemas diários com que são confrontados não são resolvidos. Os partidos políticos emaranhados nas suas lutas partidárias internas e nacionais, esquecem as necessidades na relação de proximidade local. A Constituição da República Portuguesa no seu art.108º refere “O poder político pertence ao povo e é exercido nos termos da Constituição.”No art.109º refere que “a participação directa e activa de homens e mulheres na vida política constitui condição e instrumento fundamental da consolidação do sistema democrático.” Isto quer dizer que, se o povo não consegue participar na vida política, o que está em causa será o sistema democrático, pois os cidadãos que pretendem participar de forma isenta e independente são marginalizados pelos partidos políticos pois não os conseguem controlar e manipular a seu belo prazer. Em Alcobaça assistimos por parte dos autarcas no poder, à criação de um regime autoritário, arrogante e de represália, que apesar de ser legitimado pelas eleições, cada vez mais promove o afastamento dos eleitores não contribuindo para uma nova cultura democrata e participativa da Sociedade Civil. O que temos assistido é ao culto da personalidade, à luta em torno de cargos, à crença em génios individuais assentes no conceito de PERENENIDADE. Onde está o debate e pluralismo de ideias? Onde está a resolução dos problemas? Onde está a política do espírito público? Quando e como é que se escutam os Munícipes e os adversários Políticos? É importante a criação de canais de relacionamento com os cidadãos, seja de forma directa, ouvindo-os, seja de forma indirecta, nomeadamente com a participação em projectos de acção social, de voluntariado, com as instituições de solidariedade social, com as empresas privadas, fazer pontes, incentivar os opostos, promover as mutações de um tempo novo. Em Alcobaça, no dia 17/8/2009, foi um dia histórico, pois um conjunto de cidadãos, nos quais me incluo, entregou no Tribunal Judicial de Alcobaça, a primeira lista de candidatos independentes à Câmara Municipal de Alcobaça. Um grupo de cidadãos que reuniram mais de 2600 assinaturas, liderados por Dr. José Carvalho Pedrosa, Médico, que defende um outro tipo de política humanista assente na relação de proximidade, que pretende ser uma alternativa sólida e credível para o futuro de Alcobaça, para um tempo, em transformação, onde a liderança está assente numa equipa solidificada nas competências de cada um, na partilha de poder, na delegação e na avaliação do bom desempenho. Nesse dia, foi também entregue uma lista para a Assembleia Municipal de Alcobaça, liderada por mim, a qual por motivos imprevistos de última hora, para poder participar nas eleições, teve o apoio do Partido da Terra. O MPT acolheu um conjunto de candidatos totalmente independentes, na lista não está incluído nenhum filiado do MPT, e que apoia o candidato independente Dr. José Carvalho Pedrosa. Este conjunto de independentes, será na Assembleia Municipal de Alcobaça o seu grupo de apoio e será positivamente uma voz crítica e construtiva às boas e más decisões do executivo da Lista de Independentes, na CMA.
Vasco Couceiro Gomes
Candidato Independente a Presidente da Assembleia Municipal de Alcobaça no Partido da Terra - MPT