05/02/2018

3.287.(5feVER2018.7.7') Macedónia

***
26maio2015
José Goulão
Como a CIA falhou na Macedónia
macedónia.jpg
 O embaixador dos Estados Unidos com Fadil Fejzullahu, um dos terroristas mortos na intentona (Reseau Voltaire)
O golpe de Estado da CIA previsto para o passado dia 17 na Antiga República Jugoslávia da Macedónia foi desmantelado pelas forças governamentais quando já estava em andamento. É a segunda tentativa de mudança de regime fracassada pela ponta de lança do terrorismo de Estado norte-americano nos últimos meses, depois de o governo venezuelano ter feito abortar uma intentona fascista. Apesar dos insucessos, os acontecimentos revelam que as décadas passam e os Estados Unidos da América continuam a praticar a política de não olhar a meios para atingir os fins – instalar os seus agentes à cabeça de governos onde quer que seja.
O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, lamentou os acontecimentos na Macedónia e pediu uma investigação “transparente”. Aqui se registam alguns dados já confirmados, num quadro de rigor e transparência. No dia 17 de Maio esteve prevista em Skopje, capital da Macedónia ex-jugoslava, uma manifestação da minoria albanófona na qual seriam distribuídas duas mil máscaras entre os participantes, a entregar pelos organizadores, o Partido Social Democrata de Zoran Zaev. Durante o desfile, alguns desses mascarados atacariam edifícios de várias instituições e tentariam provocar uma “revolução” inspirada nos acontecimentos na Praça Maidan e que deixaram a Ucrânia no estado saudável em que se encontra.
O golpe falhou porque os serviços governamentais macedónios conseguiram deter, em 11 de Maio, a infiltração do comando terrorista que, sob o disfarce das máscaras, iria lançar os ataques durante a manifestação. Todos os principais chefes do comando foram figuras destacadas do UCK, o grupo terrorista islâmico e albanófono a quem a NATO e a União Europeia entregaram o território do Kosovo arbitrariamente amputado à Sérvia. Um dos comandos foi identificado como sendo Rijai Bey, antigo membro da segurança de Ramush Haradinaj, traficante de drogas, antigo chefe militar do UCK e ex-primeiro ministro do Kosovo. Haradinaj compareceu duas vezes perante o tribunal dos crimes na antiga Jugoslâvia e foi absolvido em ambos os casos: durante os processos foram assassinadas nove testemunhas consideradas fundamentais.
A infiltração foi contida pelas forças governamentais durante um confronto no qual morreram 14 terroristas e oito membros dos serviços macedónios. Salomonicamente, o secretário-geral da NATO manifestou “simpatia” pelas famílias de todas as vítimas, abstendo-se de condenar o terrorismo e de manifestar apreço pelo facto de a legitimidade governamental ter prevalecido.
Porém, Washington e o seu embaixador em Skopje, Paul Wohlers, não vão desistir porque na Macedónia se joga também a guerra energética declarada contra a Rússia.
O expansionismo albanês na região, com o apoio da NATO e da União Europeia, é um combustível importante para objectivos como este. O mapa da Grande Albânia, com a integração do Kosovo e de parte da Macedónia, continua afixado nos gabinetes dos chefes de Tirana. Trata-se de uma estratégia a prazo e que, neste caso, serviu interesses mais imediatos. Através do golpe, de que já tinha havido sinais em Janeiro, os Estados Unidos tentaram frustrar a concretização do gasoduto alternativo ao South Stream, que Washington sabotou ao forçar a Bulgária a retirar-se.

Putin não desistiu e em Dezembro do ano passado convenceu a Turquia de Erdogan a colaborar numa alternativa; seguiu-se o acordo do novo governo grego de Tsipras e da Macedónia, negociado em Março. A Sérvia decidiu transitar do falhado South Stream para a nova alternativa e, com isso, passou a sentir os efeitos de novas pressões pela secessão da Voivodina. O novo projecto de gasoduto permitirá à Turquia distribuir gás russo através da Europa, contornando o embargo internacional decretado pelos Estados Unidos. Percebe-se pois, como absoluta “transparência”, talvez não a desejada pelo senhor Stoltenberg, onde queria chegar o “mundo civilizado” com esta tentativa de golpe na Macedónia. Outros capítulos se seguirão pois se dizem que Deus não dorme, Washington também não.
http://jardimdasdelicias.blogs.sapo.pt/como-a-cia-falhou-na-macedonia-jose-806760
***
«O Militante» Nº 230 de Setembro/Outubro de 1997
A Guerra nos Balcãs é um título de hoje. Observado nos escaparates ou nas montras das livrarias, poderá ser interpretado como mais uma obra sobre o quadro político, militar e estratégico resultante do desmembramento recente da Jugoslávia Federal Socialista. Só a familiaridade com o nome do autor, John Reed, nos remeterá para tempos mais recuados e, naturalmente, para outros conflitos na Península Balcânica. A leitura do livro, porém, proporciona uma tão prodigiosa como preocupante fusão entre passado e presente, uma vertiginosa viagem no tempo que nos faz cirandar entre a data da acção, 1915, os correntes anos 90, e acontecimentos passados há muitos séculos, onde é possível detectar a génese de situações de instabilidade que não foram, nem estão, resolvidas nesta região.
Em tempo real, ao ler este livro situamo-nos em plena Primeira Guerra Mundial, cerca de um ano depois de Gavrilo Princip, estudante sérvio bósnio, ter assassinado, em Sarajevo, o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono austro-húngaro. Depois da publicação de México Insurgente, John Reed viaja entre Salonica, Petrogrado e Constantinopla, para sentir o pulsar da guerra. Por razões jornalísticas e pessoais - não fora muito bem sucedido nas frentes francesa e alemã, e esperam-no dissabores em terras russas -, Reed, acompanhado pelo seu amigo Boardman Robinson, ilustrador, detém-se principalmente na região balcânica, ao mesmo tempo atraído e horrorizado por esse «imenso atoleiro de sentimentos guerreiros, de vingança, desprezo e nacionalismo», por esse cenário de conflitos quase tribais. Apercebe-se de purificações étnicas na Macedónia, caminha sobre campos de cadáveres empilhados nos Montes Gutchevo, na Sérvia, antevê o desmembramento do Império Austro-Húngaro, e pressente o fim próximo da autocracia russa. Começava, deste modo, a germinar o seu interesse por uma evolução que lhe iria proporcionar a pujante peça jornalística que o celebrizou - Dez Dias Que Abalaram o Mundo.
A oito décadas de distância, nos escombros deixados por uma nova crise balcânica cuja solução suscita ainda muitas e legítimas interrogações, A Guerra nos Balcãs é um documento precioso. Não para o estabelecimento de fáceis e traiçoeiros paralelismos históricos, mas sim pela oportunidade que proporciona de identificar características regionais e interesses estratégicos externos que vão sobrevivendo, nefastamente, à passagem
do tempo, das correntes políticas, militares e económicas, dos regimes e dos governos, às redefinições de fronteiras e à acumulação de acordos e tratados. Não resistindo, por uma vez, à tentação do paralelismo histórico, vejamos como assenta bem, aos tempos de hoje, esta frase escrita por John Reed em 1915, a propósito da situação nos Balcãs: «As ideias morreram na Europa.»
Cinicamente, depois de Edgar Morin se ter lamentado de que «a Europa morre em Sarajevo», a ideia pretensamente salvadora da crise balcânica dos anos 90 surge do lado de lá do Atlântico, o tão louvado Acordo de Dayton, imposto com a severidade de apertadas camisas-de-forças diplomáticas e militares, e ainda sem tempo de vida suficiente para a prova de fogo da História. Imenso cemitério humano, a Península Balcânica é também um cemitério de acordos e tratados. Colocado perante a «Paz de Dayton», John Reed não teria hesitado em voltar a recomendar às autoridades do seu país, os Estados Unidos, que não se envolvessem nos assuntos de uma Europa em crise, que o desiludiu. Os problemas de fundo subsistem hoje ainda, e toda a envolvente diplomática e militar, feita de hipócritas invocações de princípios, não consegue esconder esta realidade: o que está em causa nos Balcãs, hoje como ontem, são, de facto, interesses económicos e estratégicos - muitas vezes contraditórios - das grandes potências mundias.
* Do Prefácio de José Goulão ao livro A Guerra nos Balcãs, de John Reed, Editorial Caminho, Lisboa, 1997.
http://www.pcp.pt/publica/militant/230/p53.html
***
Resultado de imagem para Macedónia no tempo de Tito
***
Resultado de imagem para Macedónia no tempo de Tito
***
Macedonia (internacionalmente reconhecida como a antiga República Yugoslava da Macedonia (Poranesna Jugoslovenska Republika Makedonija) é um país do Sudeste da Europa. A capital é Skopje. As principais religiões são o Cristianismo (Ortodoxo) e Islamismo (Sunita). A língua nacional é o Macedónio. A outra língua oficial é o Albanês. A Macedónia conquistou a sua independência de forma pacífica da Yugoslávia em 1991, mas a oposição da Grécia ao uso do novo estado do que é considerado um nome e símbolos Helénicos atrasou o reconhecimento internacional, que ocorreu sob a designação provisória de "Antiga República Yugoslava da Macedônia". Em 1995, a Grécia levantou um embargo comercial de 20-meses e os dois países concordaram em normalizar as relações. Os Estados Unidos começaram a se referir à Macedônia por seu nome constitucional, República da Macedonia, e em 2004 as negociações continuaram entre a Grécia e a Macedônia para resolver a questão do nome. Alguns Albaneses étnicos, irritados com a percepção das desigualdades políticas e econômicas, lançaram uma insurreição em 2001, que acabou ganhando o apoio da maioria da população Albanesa da Macedônia e levou à um internacionalmente-intermediado Acordo Estrutural, que terminou a luta pela criação de um conjunto de novas leis reforçando os direitos das minorias. A plena aplicação do Acordo Estrutural e estimular o crescimento economico e o desenvolvimento continuam a ser desafios para a Macedônia, apesar de progressos terem sido feitos em ambas as frentes ao longo dos últimos anos.
https://sites.google.com/site/internetnations/o-mundo/europa/macedonia
***
avante
1seTEM2016
A via da guerra é um perigo enorme
Milosevic e a actualidade

Slobodan Milosevic morreu há dez anos nos calabouços do «tribunal» especial criado pelos carrascos da Jugoslávia, o ICTY. Seguindo o guião usual, o presidente (repetidamente eleito) Milosevic fora pessoalmente demonizado e caluniado como prelúdio à destruição do seu país. Pela calada, o ICTY acaba agora de reconhecer a falsidade das calúnias (ilibando os mortos para condenar os vivosi). Importa romper as barreiras de silêncio cúmplice da comunicação social de regime sobre este reconhecimento envergonhado – que contrasta de forma flagrante com o unanimismo estridente das acusações de há duas décadas. E importa extrair as lições que tudo isto encerra. Lições que são de tremenda actualidade. Novas campanhas belicistas, de consequências potencialmente muito mais dramáticas, estão hoje em curso.

O alegado «genocídio» e «limpeza étnica» de que a Jugoslávia e Milosevic foram acusados são como as «armas de destruição em massa de Saddam Hussein»: uma fabricação monstruosa. A mentirosa ofensiva mediática preparou a ofensiva militar propriamente dita. No seu livro Cruzada de Cegos (Caminho, 2002), a jornalista norte-americana Diana Johnstone fornece abundantes pormenores sobre esse colossal embuste. A «necessidade» duma «limpeza étnica» havia sido confessada um ano antes do começo da guerra, pela revista Time (23.3.98). Falando do conflito de baixa intensidade então já em curso no Kosovo, e das resistências a operações militares da NATO contra a Jugoslávia, a Time dizia: «Os EUA e a Grã-Bretanha teriam de agir unilateralmente ou persuadir outros a juntarem-se. Nenhum destes cenários é provável a não ser que Milosevic lance uma campanha de genocídio ou de limpeza étnica». E depois de afirmar que nada apontava nesse sentido e que «apenas 10 refugiados foram para a Albânia», rematava a revista norte-americana: «Isto podem parecer boas notícias […] mas há um problema. Se não houver limpeza étnica, nem uma vaga de refugiados atravessando as fronteiras internacionais com as vizinhas Albânia ou Macedónia, então haverá poucas hipóteses de intervenção internacional». Um ano depois, as potências imperialistas inverteram a questão: foram os bombardeamentos da NATO iniciados a 24 de Março de 1999 que provocaram o êxodo massivo dos habitantes de origem albanesa do Kosovo, como confessaria mais tarde o ex-secretário-geral da NATO, Lorde Carrington (Diário de Notícias, 27.8.99). A propaganda bélica da comunicação social do grande capital encarregou-se do resto.
Há mais duma década que se reconhecia não haver bases plausíveis para condenar Milosevic. A Fox News titulava em 28.2.04: «Milosevic será provavelmente absolvido das acusações de genocídio» e escrevia que após dois anos de julgamento pelo ICTY era «consensual» que os procuradores «tinham falhado» em sustentar a acusação. A defesa corajosa de Milosevic perante o ICTY foi um obstáculo tremendo para os planos da NATO. O advogado canadiano de direito criminal internacional e chefe da Comissão Jurídica do Comité Internacional para a Defesa de Milosevic, Cristopher Black, sintetizou a situaçãoii: «o julgamento [de Milosevic] era necessário para a NATO justificar a agressão contra a Jugoslávia e o golpe apoiado pela NATO [que derrubou Milosevic em Outubro de 2000] […] e só podia terminar duma de duas formas, com a condenação ou a morte do presidente Milosevic. […] Mas como a condenação do presidente Milosevic era claramente impossível após a apresentação das provas […], a sua morte tornava-se a única saída possível para as potências da NATO». A 8 de Março de 2006 Milosevic escreveu uma carta oficial ao Ministério russo dos Negócios Estrangeiros, afirmando desconfiar que, em vez de estar a ser tratado dos seus problemas cardíacos, estaria a ser envenenado. Três dias depois, Milosevic morre na sua cela da prisão NATO-ICTY. As legítimas suspeitas de assassinato reforçam-se se pensarmos no destino de outros alvos das potências imperialistas, como Saddam Hussein ou Muamar Qadafi.
A lei do mais forte
A propaganda de guerra tinha de ser implacável e aterrorizadora porque a dimensão do crime que estava a ser praticado era enorme. A guerra de agressão à Jugoslávia foi a primeira guerra na Europa após 1945. Foi a primeira guerra aberta desencadeada pela NATO e uma violação aberta do Direito Internacional. Mas foi sobretudo a afirmação por parte das potências imperialistas de que a nova correlação de forças resultante da desintegração da URSS e das vitórias contra-revolucionárias no Leste da Europa lhes permitia libertarem-se das amarras que a derrota do nazi-fascismo havia imposto em 1945. A Carta da ONU era coisa do passado. A partir de agora vigorava a lei do mais forte. E o mais forte era o imperialismo norte-americano. Era essa a essência do novo conceito estratégico da NATO, aprovado em plena agressão à Jugoslávia (Cimeira de Washington, 23-24 Abril 1999), que descartou a máscara de organização defensiva, proclamando o «direito» de intervir em qualquer parte do planeta. Era esse o significado da destruição da embaixada da China em Belgrado, alegadamente «por engano», mas que foi «o único alvo escolhido pela CIA durante as 11 semanas de bombardeamentos sobre a Jugoslávia» (Reuters, 23.7.99).
Ébrios com as vitórias do imperialismo do início da década, os cronistas de regime até confessavam que «durante a Guerra Fria, um único aviso do Kremlin teria sido suficiente para manter as mãos da NATO fora dos Balcãs» (Financial Times26.3.99). Outro comentadoriii afirmava: «nos dias em que a União Soviética nos continha, as realidades do poder teriam impedido aos EUA de interferir. Estamos lá porque somos hoje livres para sustentar com mísseis Cruzeiro os nossos ideais e simpatias». É isto que querem dizer quando falam em «liberdade».
Teria sido difícil à NATO desencadear os bombardeamentos sobre Belgrado sem a legitimação escandalosa por parte de forças políticas que se auto-proclamam de «esquerda» ou «progressistas». Em Março de 1998 era presidente dos EUA Clinton. Na Alemanha havia um governo de coligação SPD-Verdes. Em Inglaterra, os trabalhistas – com Blair – estavam no poder. Em França, era presidente o socialista Jospin, à cabeça dum governo da «Esquerda Plural». A Itália tinha, pela primeira vez, um primeiro-ministro proveniente do antigo Partido Comunista Italiano. Em Portugal António Guterres chefiava um governo PS. Era secretário-geral da NATO o socialista espanhol Javier Solana, que começou a sua carreira política opondo-se à adesão da Espanha à NATO. A promoção das patranhas sobre «guerras humanitárias» por parte destes «progressistas» foi criminosa – embora tenha gerado algumas lucrativas carreiras político-comerciais – e ajudou a confundir e enfraquecer o movimento contra a guerra. Este papel de legitimação «progressista» das guerras do imperialismo teve sequência na Líbia, Síria, Ucrânia e nas operações em curso contra a Rússia, China, RDP Coreia, Irão, Angola e outros países.
Estamos a falar do presente
Como noutras paragens, a agressão imperialista destruiu a Jugoslávia. Os bombardeamentos da NATO cessaram ao fim de 78 dias, com um acordo de cessar-fogo que reconhecia a soberania da Jugoslávia sobre o Kosovo e previa a desmilitarização dos terroristas do UÇK. Mas os acordos que o imperialismo norte-americano assina não valem sequer o preço da resma de papel em que são impressos. No ano seguinte ao acordo, a CIA organiza em Belgrado a primeira das suas «revoluções laranja» e derruba o presidente eleito Milosevic, que é entregue em 2001 ao ICTY. Em 2008 o Kosovo declara a sua independência, logo reconhecida pelas principais potências da NATO. Os homens do UÇK, longe de se desarmarem, transformaram-se nas forças de «segurança» do território e ocupam lugares cimeiros do poder. O jornal inglês Guardian descreveu a situação no Kosovo menos de um ano após a ocupação pela NATO (13.3.00): «Agências internacionais que combatem o tráfico de drogas advertem que o Kosovo se transformou num 'paraíso de contrabandistas', que abastece até 40% da heroína vendida na Europa e América do Norte. As forças da NATO […] não têm mandato para combater os traficantes de drogas e com a expulsão do Kosovo da polícia sérvia […] os contrabandistas gerem a 'rota balcânica' em liberdade». A 'liberdade' da NATO estende-se a outros negócios sórdidos. Em 2011 o Conselho da Europa aprova o relatório do senador suíço Marty que acusa «membros destacados do UÇK de assassinarem prisioneiros sérvios e albano-kossovares e de traficarem os seus órgãos. O primeiro-ministro do Kosovo Hashim Thaci figura entre os acusados» (swissinfo.ch, 25.1.11).
Importa lembrar estes factos. Não estamos só a falar do passado. Estamos a falar do presente. Estamos a falar das campanhas de demonização de Assad, Putin ou Kim Jong-Un. A crise do sistema capitalista está prestes a conhecer uma nova explosão. Não há paliativos que consigam esconder que o sistema financeiro está totalmente quebrado. A tentação do sistema responder pela via da guerra é um perigo enorme. É esta a natureza do imperialismo. Trocar oportunisticamente a identificação da verdadeira essência do imperialismo por fáceis mentiras ou ilusões mediáticas significa desarmar os povos e fazer o jogo dos verdadeiros senhores da guerra e do genocídio.
*
25feVER2016
De Lesbos com ardor… (II)
Aos que sobrevivem à precária travessia do mar Egeu – e cuja travessia segura por ferry custaria apenas cinco euros – sobram ainda muitos milhares de quilómetros até ao destino que almejam.

À chegada a Lesbos são direccionados para diversos campos de recepção, ou campos intermédios, num percurso de até 50 quilómetros com destino ao campo de Moria, um chamado «hotspot» da política migratória da UE, construído inicialmente como um campo de detenção – a profusão de cercas e arame farpado demonstra bem a que fim se destinava. Na proximidade do desembarque, as equipas no terreno, nomeadamente dos serviços sociais gregos e ONG tratam de uma primeira recepção, fornecendo uma muda de roupa e calçado e uma primeira refeição quente (normalmente chegam molhados e com frio ou mesmo em hipotermia). Com momentos em que mais de duas mil pessoas chegam por dia àquela ilha, rapidamente se atinge a capacidade limite das infra-estruturas, criando difíceis situações de recepção, degradando e precarizando as condições de acolhimento, agravadas pelos procedimentos de registo.

Em Moria, está montado uma grande estrutura onde se integram membros da polícia grega, da FRONTEX e agentes da UNHCR, da EASO, destinada à triagem, identificação e recolha de dados dos refugiados. Cada pessoa recebe uma senha e terá que esperar, no exterior do centro, em condições deploráveis, pela sua vez. À chamada, tudo é inspeccionado com minucioso detalhe por equipas de técnicos especializados na identificação de documentos falsos e no despiste da nacionalidade declarada. No final, dados dactilográficos recolhidos – leia-se impressões digitais – imediatamente enviadas para o registo europeu, uma fotografia tirada e numa folha A4 o seu destino: autorização de permanência na Grécia de seis meses (sírios), 30 dias (afegãos e iraquianos) ou «guia de marcha» para os restantes. Uma descriminação que se sente bem no terreno, geradora de tensões e conflitos entre migrantes.

Das ilhas gregas seguem de ferry para Atenas, de onde partirão por autocarro para Idomeni na fronteira com a Macedónia, daí percorrendo a rota dos Balcãs até chegar à Europa Central. Aquando da visita, foi notória a consequência das políticas de encerramento de fronteiras promovida pela UE, pelo condicionamento e previsível encerramento da fronteira da Macedónia. A poucos quilómetros da fronteira, a concentração de cerca de dez mil refugiados em autocarros parados numa estação de serviço, e a retenção ao longo do percurso de muitos mais milhares de refugiados, também em autocarros, transformando uma viagem de oito horas num suplício de mais de três dias, em condições de inimaginável degradação da dignidade humana, de deficientes condições de higiene e acomodação.

Foi no continente que notámos mais desorganização, mais desarticulação entre os intervenientes no terreno (serviços sociais do Estado, ONG, já sem a presença das agências da União) e uma incapacidade para dar a adequada resposta. As situações mais críticas por aqueles dias verificavam-se no porto do Pireu, onde uma antiga estação de embarque oferecia tecto a mais de 200 pessoas ocupando o chão onde e como podiam. A alguns quilómetros de distância, em instalações que antes serviram os jogos olímpicos, um pavilhão em clara ruptura de capacidade, onde se apinhavam mais de 1500 refugiados, o dobro do previsto. Nestas instalações havia já pessoas a dormir na rua. Duas tendas no exterior, sem qualquer tipo de aquecimento onde os presentes se aqueciam como podiam enrolados em cobertores, servem para a separação de nacionalidades, acomodando os migrantes do Norte de África. A pergunta comum a que não tínhamos como responder: quando podemos ir para a Macedónia?

Cruelmente comum, o elevado número de crianças presentes em qualquer dos locais visitados. Não obstante o sofrimento, o drama a que estão sujeitas, regista-se, surpreendente, a capacidade que têm de, na pior das adversidades, expandirem sorrisos cristalinos nas brincadeiras que inventam.

Sorrisos que não movem os que na UE definem e impõem criminosas e militarizadas respostas a um drama humanitário, como as fechadas pelo Conselho Europeu a semana passada,(1) que assentam na expulsão e interrupção do fluxo migratório, em estreita articulação com a Turquia. A intervenção da NATO no mar Egeu, em colaboração com a FRONTEX, aplaudida pelo Conselho, de que poderão resultar milhares de vítimas, constitui mais uma afronta desta UE ao direito internacional e aos direitos humanos, que a história tratará de condenar.
http://www.avante.pt/pt/2204/europa/139204/
*
27maio1999
A partir de 1995, os comunicados do UCK fizeram saber que dos 18 aos 50 anos todos os emigrantes kosovares são mobilizáveis. Os campos de refugiados na Albânia e na Macedónia tornaram-se, por seu turno, num verdadeiro manancial para o recrutamento. As armas também não faltam. Antes do início dos bombardeamentos da NATO à Jugoslávia, a 24 de Março, e também depois, sob a capa da ajuda humanitária, ao porto albanês de Durres e à Macedónia chegaram regularmente contentores carregados de armamento. O último descoberto pelas autoridades italianas tinha proveniência suíça e ostentava as insígnias da Cruz Vermelha Internacional.
http://www.avante.pt/arquivo/1330/3003h8.html
***
4feVEReiro2018
manifestação na Grécia
Ver a Praça Sintagma, no centro de Atenas, cheia de multidões durante os anos de chumbo da crise da dívida tornou-se uma imagem recorrente. Este domingo, a praça da capital grega voltou a ser palco de uma gigantesca manifestação, mas as suas motivações têm raízes com mais de dois mil anos
Desde a independência da Macedónia em 1991, na sequência do desmembramento da Jugoslávia, que o nome do país tem motivado um apaixonado debate entre gregos e macedónios. Macedónia é também o nome de uma região grega no Norte, que inclui a cidade de Salónica, a partir de onde Alexandre, o Grande, terá iniciado a expansão do seu império no século IV a.C. que se expandiu até ao território onde hoje fica a Índia.
Até ao início do século XX, a Macedónia era uma província que integrava o Império Otomano, mas as guerras nos Balcãs que antecederam a I Guerra Mundial acabaram por dividir aquele território. O Sul passou a fazer parte da Grécia e o Norte passou para as mãos da Sérvia – essa divisão fixou as linhas de combate até hoje. À conta da discórdia, a Grécia tem bloqueado a adesão dos vizinhos à NATO, ao mesmo tempo que também trava as negociações para uma futura integração na União Europeia.
https://www.publico.pt/2018/02/04/mundo/noticia/macedonia-ha-so-uma-gregos-exigem-que-sim-1801970
*
Manifestação leva 1,5 milhão de gregos às ruas para protesto contra.
https://br.sputniknews.com/europa/2018020410446162-grecia-1-milhao-saem-as-ruas-protesto-macedonia/
*
Centenas de gregos estão hoje a concentrar-se no centro da capital do país, Atenas, para um protesto contra um possível compromisso sobre a designação da vizinha macedónia sobre a designação da república da ex-Jugoslávia.
De acordo com a agência noticiosa AP, centenas de autocarros estão a atravessar a Grécia até à capital para esta manifestação, apoiada pela igreja ortodoxa grega, sendo que outros manifestantes vêm das ilhas através de barco ou de comboio.
As maiores avenidas do centro de Atenas estão já escoltadas pela polícia, enquanto alguns comerciantes de rua montam barracas para vender bandeiras gregas e bizantinas, relata a AP.
A Grécia rejeita o nome constitucional de República da Macedónia desde a declaração da independência -- anunciada por Skopje em setembro de 1991 na sequência da desagregação da Jugoslávia --, com o argumento de que essa designação constitui parte integrante da herança cultural helénica, e pelo receio de reivindicações territoriais na província do norte da Grécia com o mesmo nome.
Por isso, pretende que o vizinho altere a sua designação, acrescentando algo de distintivo.
No passado, decorreram numerosos encontros bilaterais sobre esta questão mediados pelo enviado das Nações Unidas Matthew Nimetz, mas sem resultados.
Este diferendo tem comprometido os desejos de Skopje de integrar a União Europeia (UE) e a NATO, com a Grécia a recusar fornecer o seu apoio até ser encontrada uma solução definitiva.
A Macedónia já é reconhecida por este nome por vários países como os Estados Unidos, China, Rússia ou Reino Unido. Por outros é designada como Antiga República Jugoslava da Macedónia.
Skopje tem negado qualquer ambição territorial e, a nível internacional, o pequeno país balcânico tem sido apresentado como Antiga República Jugoslava da Macedónia (FYROM).
No início de janeiro, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, admitiu que o contencioso poderia ser solucionado no primeiro semestre de 2018.
Caso esteja compromisso seja estabelecido nos próximos meses, a FYROM poderia ser admitida com a sua nova designação na NATO durante a cimeira aliada que se realiza em junho.
Em paralelo, tal acordo permitiria desbloquear as negociações de adesão à UE.
O organização do protesto admitiu esperar chegar hoje a um milhão de manifestantes, depois de ter juntado cerca de 100 mil pessoas numa manifestação semelhante realizada no mês passado na cidade de Thessaloniki, no norte da Grécia.
https://www.dn.pt/lusa/interior/gregos-manifestam-se-em-atenas-contra-compromisso-sobre-nome-da-macedonia-9096491.html
***